Charolas, Janeiras, jeropiga e bolo rei mostram que a tradição está viva no Algarve

Fim de semana é de muita animação em todo o Algarve

Acompanhadas de bolo rei e jeropiga, ou simplesmente com o objetivo de levar votos de bom ano, Charolas e Janeiras vão percorrer o Algarve, este fim de semana, dias 5 e 6, mostrando que a tradição está bem viva. 

Este é um ritual que ainda se mantém em localidades dos concelhos de Faro, Portimão, Loulé, São Brás, Olhão, Tavira, Monchique, Aljezur ou Olhão (mas não só). Grupos de pessoas juntam-se para, com muita alegria, dar louvores ao ano que começa e ao Menino Jesus. Sempre com música e animação à mistura.

Um dos locais onde a tradição charoleira é mais forte é na Bordeira, aldeia do interior do concelho de Faro. Este domingo, 6 de Janeiro, Dia de Reis, pandeiros, acordeões, ferrinhos e fitas de muitas cores vão animar, ao longo do dia e pela noite dentro, as ruas da Bordeira, tal como o Sul Informação já mostrou em reportagem.

A partir das 11h00, no Centro de Atividades ao Ar Livre D. Leonor, já haverá música no ar. O local estará protegido com uma grande tenda de modo a garantir as melhores condições para o evento, onde também haverá refeições.

 

Charolas na Bordeira

Na sede da Sociedade Recreativa Bordeirense, a partir das 14h45, sobem ao palco os nove grupos convidados.

A organização está a cargo da Comissão Bordeirense de Charolas e da Sociedade Recreativa Bordeirense, com os apoios da Câmara de Faro e da Junta de Freguesia de Santa Bárbara de Nexe.

Ainda na capital algarvia, o Espírito dos Reis vai invadir a Igreja da Sé para um concerto este domingo, dia 6, às 21h30, com o Coral Feminino Outras Vozes e o Cancioneiro do Grupo Folclórico de Faro.

«O espetáculo irá proporcionar aos seus visitantes um momento musical único, que irá fechar as atividades da quadra natalícia»», garante a Câmara de Faro.

O tradicional “Concerto de Reis” terá início com a atuação do Grupo Coral Feminino Outras Vozes, grupo com sede em Faro e criado em finais de 1999. Ao fim de quase 20 anos de existência, o grupo prepara-se para lançar o seu primeiro registo discográfico.

Ana Côrte-Real, Carla Lúcio, Cláudia Cabanita, Elsa Gonçalves, Isabel Trindade, Joana Cunha, Marisa Mendes, Patrícia Neto Martins e Vera Rocha são as máquinas desta fábrica de sons, criada no feminino e orgulhosamente coordenada pelo diretor coral Paulo Cunha. Neste concerto, oito mulheres cantarão canções alusivas à época natalícia.

Depois segue-se a atuação do Cancioneiro do Grupo Folclórico de Faro, projeto formado em 2000 para dar voz a temas tradicionais do Algarve que, por não se dançarem, não constam do repertório dos grupos folclóricos. Aliam-se, assim, aos corridinhos e bailes de roda já tocados e dançados pelo grupo, os cantares de trabalho do campo e da pesca, os romances, os cantares de Natal, de Janeiras e Reis. O Cancioneiro participa em encontros de cantares tradicionais por todo o país e no estrangeiro e é atualmente constituído por cerca de 25 elementos, que se apresentam trajados de acordo com os usos e costumes do Algarve no final do século XIX e inícios do século XX.

Também em Faro, mas no dia 13 de Janeiro, a partir das 14h30, realiza-se o tradicional Encontro de Charolas, no Teatro das Figuras. No total, vão participar 12 grupos, em representação das freguesias.

Como diz a Câmara de Faro, «as tradicionais janeiras e cantares ao Menino assumem no concelho de Faro a forma particular de encontros de Charolas, amplamente participados».

Em São Brás de Alportel, também regressa  a “Força da Tradição” das charolas, levando «aos vários cantos do concelho os tradicionais acordes e votos de prosperidade».

Este sábado, dia 5, a partir das 9h30, o Grupo “Os Carolas”, a Charola da Mesquita e a Charola dos Machados apresentam-se no Mercado Municipal de São Brás de Alportel, em mais um habitual encontro.

As Charolas partem na tarde de sábado, em digressão, por vários sítios do concelho. A da Mesquita vai passar pela Biblioteca Municipal (15h30), pelo Centro Museológico do Alportel (16h30), pelo sítio de Almargens, no Café Manta (17h30), e regressa a São Brás de Alportel, ao Café União (18h30).

Charolas em São Brás

A Charola do Grupo Desportivo e Cultural de Machados inicia o circuito em São Romão, onde atua no Café Correia (15h30), Vilarinhos, no Café 1º Maio (16h30) e Mealhas, na Casa Reis (17h30).

No Dia de Reis, a Charola da Mesquita atua, às 14h00, no Centro de Convívio dos Parises, no âmbito das celebrações do 6º aniversário deste equipamento. Os vários grupos de Charolas atuam a partir das 15h00, no Salão de Festas da Santa Casa da Misericórdia, em mais um encontro.

Às 21h00, o Salão de Festas da Santa Casa da Misericórdia acolhe o 36º Encontro de Charolas de São Brás de Alportel, promovido pela Associação Cultural Sambrasense, com o apoio da Câmara Municipal. Passarão pelo palco as Charolas “Aldeia Branca-Estoi”, “Os Carolas”, “Charola dos Machados”, Charola da Casa do Povo da Conceição de Tavira, Charola da Mesquita e o Grupo de Janeiras de Odeleite.

O programa “Charolas, a Força da Tradição” termina a 13 de Janeiro, às 15h00, com a atuação dos vários grupos do concelho numa edição especial do Baile da Assembleia, que, todos os meses, acontece no Museu do Traje, iniciativa desta casa de cultura com o apoio do Clube do Museu.

Tavira é também um dos concelhos com maior tradição nas charolas. Desde o dia 1 de Janeiro que grupos percorrem o concelho e a próxima iniciativa é já este sábado, dia 5, na Casa do Povo de Santa Catarina da Fonte do Bispo, a partir das 21h00.

As festividades terminam com mais uma edição do Festival de Charolas “Cidade de Tavira”, às 15h00, no Jardim do Coreto.

Logo ali ao lado, na Fuzeta e Moncarapacho (concelho de Olhão), também haverá um Encontro de Charolas e até… uma Mostra de Xarém. Dia de Reis, domingo, é dia de Mercado Mensal e, em Moncarapacho, o palco estará montado no seu recinto.

Quem for às compras pode, assim, aproveitar e ouvir um pouco de música. Nesta iniciativa, vão atuar as Charolas da Banda 1º de Dezembro (Moncarapacho), da Banda Musical de Tavira, da Casa do Povo de Santo Catarina e do Grupo Etnográfico de Quelfes. A estas junta-se a Charola Ossónoba, de Estoi.

Charolas em Moncarapacho

A partir das 12h30, no Pavilhão de Eventos, também situado no Largo do Mercado Mensal, a União de Freguesias de Moncarapacho e Fuzeta vai organizar a 1ª Mostra de Xarém.

Esta iniciativa, que conta com o apoio do Corpo Nacional de Escutas – Agrupamento 1255 Moncarapacho, tem um carácter solidário, com os fundos arrecadados a reverterem para a APAR – Associação de Proteção de Animais de Rua – Moncarapacho/Fuzeta.

Ao som do saxofone de Toi Picoito e da música tradicional portuguesa dos Cante Andarilho, «os visitantes poderão provar o verdadeiro xarém, confecionado de várias formas e à moda antiga», diz a União de Freguesias.

Na Fuzeta, a tarde de domingo será de charolas, a partir das 15h00, no Cinema Topázio, com os seguintes grupos: Grupo Cantares “As Matraqueiras da Fuseta”, Charola dos Machados, Charola da Casa do Povo da Conceição de Faro, Charola da Casa do Povo de Santa Catarina, Charola do Grupo Etnográfico de Quelfes e Charola da Banda 1o de Dezembro, de Moncarapacho

As entradas são livres.

Já em Olhão, os Reis chegam… de mota, numa iniciativa da Junta de Freguesia, dinamizada em conjunto com o Motoconvívio de Olhão e com a participação das Charolas da Banda Filarmónica 1º de Dezembro de Moncarapacho.

Os reis partem da sede do Motoconvívio às 9h30, e vão passar pelas principais ruas de Olhão. Às 11h30 atuam as charolas, no Largo do Museu, com os reis a chegarem às 11h45.

Em Loulé, um bolo-rei gigante (de 150 metros!) vai ser servido ao som das charolas, interpretadas pelos grupos Charola das Barreiras Brancas – AGAL e Charola da Casa do Povo de Santa Catarina da Fonte do Bispo. O bolo, confecionado pela pastelaria Loulé Doce, vai ocupar a Avenida José da Costa Mealha, a partir das 17h00.

Mas a tradição, no concelho de Loulé, não se esgota aqui. Em plena Serra do Caldeirão, na Cortelha e localidades próximas, vão-se cantar as Janeiras de Porta a Porta. 

Como diz a Associação de Amigos da Cortelha, organizadora da iniciativa, as «Janeiras significam para as gentes da Serra do Caldeirão um tesouro de tradições, trazendo à memória, esta tradição que teve o seu início no interior algarvio». 

Por isso, vão ser percorridas algumas das localidades do interior do concelho de Loulé, como Cortelha, Montes Novos e Barranco do Velho.

Assim, por estes dias, os habitantes desta zona da Serra do Caldeirão já esperam que os Janeireiros da Cortelha entrem pelo quintal para cantarolar as Janeiras dos Reis.

«No final, lá sai da boca de um elemento mais atrevido uma “chacota”, como forma de pedir ou lembrar ao dono da casa que deverá dar uma recompensa ao grupo», conta. De forma simbólica, o grupo de janeireiros da Cortelha parte para o seu percurso junto ao Presépio da Cortelha. 

Longe da serra e perto do mar, Quarteira também celebra a tradição das janeiras e charolas, associada às comemorações do Dia de Reis.

Sábado, dia 5 de janeiro, às 19h00, o Auditório do Centro Autárquico de Quarteira, recebe mais um evento de Cantares de Janeiras e Charolas.

Neste encontro, de entrada livre, vão participar as Charolas das Barreiras Brancas, Tuna da Academia do Saber, Grupo da Amizade, Grupo de Cantares de Janeiras «A Força da Tradição», Cancioneiro do Grupo Folclórico de Faro, Grupo de Janeiras de São Sebastião de Loulé, Charola da Casa do Povo da Conceição de Faro, Charola da Casa do Povo de Santa Catarina da Fonte do Bispo e a Banda Filarmónica 1º de Dezembro de Moncarapacho.

No topo do Algarve, em Monchique, a já tradicional “Noite de Reis” realiza-se este sábado, 5 de Janeiro, a partir das 21h00, no espaço da antiga serração. As joldas (grupos da cantadores de janeiras) vão cantar e, como se impõe na serra, algumas das vozes serão afinadas por um copinho de medronho…

Descendo de Monchique para Portimão, o Grande Auditório do Teatro Municipal vai ser palco da quinta edição do “Cantar das Janeiras” com um leque variado de grupos de cantares. A apresentação ficará a cargo da locutora Fátima Peres.

Portimão convida a comunidade a participar neste encontro para ouvir, cantar e celebrar o Cântico das Janeiras e dos Reis num ambiente de boa disposição e alegria. O serão terminará com o sabor a bolo rei e jeropiga, tal como manda a tradição.

A quinta edição de “Cantar das Janeiras” conta com a participação de oito grupos de Portimão e dos concelhos vizinhos, sendo um exemplo do esforço de preservação das tradições e de manter vivo o movimento associativo, através dos grupos presentes que utilizarão a sua voz, mas também as violas, os instrumentos de percussão e de cordas.

São eles a Associação do Grupo Coral de Portimão, o Grupo “As Figueirinhas e os Amigos da Figueira”, o Grupo de Cantares “Fonte Nova”, o Grupo de Cantares da Confraria do Medronho “Os Monchiqueiros”, o Grupo de Cantares de Janeiras do Rancho Folclórico do Calvário, o Grupo de Cantares de Música Tradicional Portuguesa “Estrelas do Barlavento”, o Grupo de Cantares do Parchal e a Tuna Sénior do Centro Comunitário de Alvor.

“Cantar as Janeiras” é organizado pela Câmara Municipal de Portimão e tem o patrocínio da cadeia de supermercados Pingo Doce, que oferece o bolo rei. A entrada é gratuita, mas deverá levantar bilhete previamente na bilheteira do Teatro até este sábado, das 13h00 às 17h30, ou no domingo, das 13h00, até à hora do espetáculo.

A Praça Al-Mutamid, em Silves, recebe, por sua vez, um Encontro de Janeiras que vai reunir, este sábado, 5 de Janeiro, às 20h30, os grupos do concelho. 

Rancho Folclórico de São Bartolomeu Messines, Grupo Coral Alentejano de Tunes e Grupo “As Ceifeiras”, Grupo Amigos da Pedreira, Grupo Coral da Casa do Povo de Messines, Grupo de Janeiras da Quinta do Ti David, Grupo de Cantares da Sociedade Recreativa Alcantarilhense, As Laranjinhas (Pólo de Educação ao Longo da Vida de Silves) e Os Alegres são os grupos participantes.

Ainda por esse Algarve, Aljezur vai cantar as Janeiras no domingo, Dia de Reis, a partir das 15h30, no Salão dos Bombeiros Voluntários.

Na iniciativa, vão participar o Grupo Folclórico de Faro “Cancioneiro”, o Grupo das Alfambras e o Grupo de Janeiras de Aljezur. A estes junta-se, ainda, o Grupo de Janeiras do Rancho Folclórico do Calvário.

Mesmo em locais, no Algarve, onde não está prevista a atuação de grupos de charolas e janeiras, o fim de semana não vai deixar de ser de animação relacionada com o Dia de Reis.

Por exemplo, os Reis Magos de Ayamonte (Espanha) vão visitar Vila Real de Santo António, este sábado, 5 de Janeiro, às 11h00. 

A visita integra um cortejo pelas ruas de VRSA e pela Praça Marquês de Pombal, onde se encontra instalada a Aldeia de Natal. O percurso terminará com a distribuição de doces e confetes para os mais novos.

Já em Castro Marim, a tradicional “Cavalgada dos Reis Magos” começa em Monte Francisco e só termina na Aldeia de Natal, na vila de Castro Marim, no domingo, dia 6 de Janeiro, a partir das 16h00.

Comentários

pub
pub