“Video Lucem” sai das igrejas sem perder a magia dos cine-concertos

Uma das novidades deste ano é a possibilidade de fazer um roteiro cultural e cinematográfico antes dos cine-concertos

O “Video Lucem” está de volta, a partir de 15 de Dezembro, para a sua 3ª edição. Este ano, o programa não vai levar cine-concertos às igrejas do Algarve, mas, ao invés, a espaços ainda mais alternativos, como o Antigo Armazém da Conserveiras do Sul, em Olhão, ou o Quartel Militar de Tavira. Tudo sem «perder a magia» e com nomes sonantes a assegurar a parte musical.

Ao todo, o “Video Lucem” tem marcadas seis sessões: uma por mês, de Dezembro até Maio.

«Este ano, o que procurámos foram espaços mais improváveis e alternativos para acolher a programação. A nossa ideia é manter os cine-concertos, mas com filmes que ou estão inacabados ou estão parcialmente perdidos. A parceria com a Diocese do Algarve foi ótima, mas quisemos experimentar novos locais para não estarmos sempre ligados ao mesmo», explicou Sérgio Marques, um dos programadores, ao Sul Informação. 

Quanto aos filmes da programação, são películas que raramente foram exibidas. «A maior parte fomos buscar à Cinemateca Portuguesa, que guarda os filmes nos arquivos», acrescentou.

Por exemplo, para a estreia deste ano (15 de Dezembro, 21h30) o filme a ser exibido no antigo Armazém da Conserveira do Sul, em Olhão, é “O Homem dos Olhos Tortos”, de Leitão de Barros e Luís Reis Santos, gravado em 1919, e que está inacabado.

A película tem por base o folhetim “O Mistério da Rua Saraiva de Carvalho”, de Reinaldo Ferreira – mais conhecido como Repórter X -, publicado na edição vespertina do jornal “O Século”, entre 1917 e 1918.

Na parte musical, o acompanhamento do filme mudo será do algarvio Júlio Resende e de Salvador Sobral, vencedor da Eurovisão em 2017.

O desafio lançado aos artistas este ano é o de, através da música e até do teatro, preencher as lacunas de filmes que estão inacabados ou incompletos.  O ponto de partida é o guião ou a ideia original de cada filme.

«A ideia é que haja aqui quase uma experiência de cine-espetáculo, através da criação de um produto artístico novo», disse Sérgio Marques ao nosso jornal.

De Olhão, o “Video Lucem” parte para o Palácio de Estoi, para exibir, no dia 19 de Janeiro, às 21h30, três filmes: “Something’s got to give”, de George Cukor, “Três dias sem Deus” (Bárbara Virgínia) e “O Fado” de Maurice Mauriaud. No acompanhamento musical ao vivo, estará Filipe Raposo, Rita Maria e Ricardo Ribeiro.

Quanto à sessão de Fevereiro, será no dia 23, às 21h30, no Cineteatro de São Brás de Alportel. Na tela, passarão “L’Enfer”, de Henri George-Clouzot, “Charlotim e Clarinha” (Roberto Nobre) e “It’s all true”, do conhecidíssimo Orson Welles. Na parte musical, os convidados são Bruno Pernadas, Francisca Cortesão, Sérgio Nascimento, além de um grupo de músicos de São Brás.

Já “Heróis do Mar”, filme que tem o som perdido, será exibido a 15 de Março, às 21h30, no Auditório do Museu de Portimão. Filmado em 1949 por Fernando Garcia, a película é um autêntico tesouro do cinema português porque raramente foi exibido. O espetáculo será uma construção com coletivos de Portimão, sob a direção de Flávia Gusmão.

Do Barlavento, o “Video Lucem” segue para Alcoutim, para uma sessão muito especial.

«Também queremos fazer algumas revelações, por isso vamos mostrar um filme, filmado em Alcoutim, nos anos 40, pelo algarvio Carlos Porfírio. O som está perdido, mas vamos ter sonoplastia ao vivo a partir do guião original do filme», explicou Sérgio Marques ao nosso jornal. É apontar nas agendas: 12 de Abril, às 21h30, no Espaço Guadiana.

A programação deste ano termina com uma das sessões mais esperadas, a realizar-se no Quartel Militar de Tavira. Cristina Branco fará o acompanhamento ao vivo dos filmes “Algarve”, de Amélia Borges Rodrigues, e “The River”, de Frank Borzage.

Já o Museu Zero, espaço dedicado à Arte Digital que será inaugurado em 2019, em Santa Catarina Fonte do Bispo, na antiga cooperativa agrícola, fará as honras de cada uma das sessões com pequenas introduções à arte digital.

Nesta edição, o Video Lucem associou-se à Eating Algarve Food Tours, desenhando percursos que serão disponibilizados em cada um dos territórios. A proposta é para uma espécie de roteiro cultural e cinematográfico que inclui jantar.

Cada um desses percursos articula a memória do cinema com a história, o património cultural e a gastronomia das seis localidades em que decorrem as sessões.

Esta será uma experiência guiada, na qual, além da gastronomia, dos monumentos emblemáticos, e das salas de cinema das localidades, serão destacados episódios e curiosidades históricas que estejam mais diretamente relacionados com a temática dos filmes em exibição.

O “Video Lucem” volta a ser organizado pelo Cineclube de Faro, com apoio do “365Algarve”.

Comentários

pub
pub