Algarvios estão a andar menos de transportes públicos

Houve mais pessoas a andar na A22 e A2

O Barómetro “Algarve Conjuntura – Mobilidade e Transportes” revela que, de Abril a Junho, houve, na região, um aumento de tráfego rodoviário nas principais estradas e uma quebra no uso dos transportes coletivos, como os comboios e as carreiras da Ria Formosa.

O tráfego rodoviário nos principais eixos regionais regista ligeiros acréscimos – 1,1% na A2 e 1,3% na A22 – «e aumentos um pouco mais significativos em 10 dos 13 postos de contagem instalados nos eixos secundários», lê-se neste barómetro.

Movimento de passageiros no serviço regional, por trimestre

Em sentido inverso, observaram-se quedas no movimento de passageiros no sistema ferroviário (serviço regional e Longo Curso), nas carreiras fluviais/marítimas, nas carreiras do transporte coletivo rodoviário urbano e também no Aeroporto Internacional de Faro (com exceção do movimento de passageiros com origem nos aeroportos nacionais, que regista um aumento de 13,3%).

O Aeroporto registou um total de 18.300 voos e de 2.818.777 passageiros (movimento comercial). Comparando com o segundo trimestre de 2017, «destaca-se uma diminuição de 1,9% quanto ao número de voos e uma diminuição de 1,4% para o total de passageiros movimentados».

«Esta diminuição do número de passageiros constitui a segunda variação trimestral homóloga negativa consecutiva, o que ocorre após 10 trimestres de variações homólogas positivas (entre o 3º trimestre de 2015 e o último de 2017)».

Movimento de aviões no Aeroporto Internacional de Faro, por trimestre

Neste trimestre, o Aeroporto movimentou um total de 126.991 passageiros com os restantes aeroportos do espaço nacional, valor que corresponde a 4,5 % do total do movimento de passageiros no trimestre.

Em comparação com o trimestre homólogo do ano anterior, destaca-se o «significativo aumento de 13,3% do movimento com os aeroportos nacionais».

O serviço regional de comboios (Lagos – Vila Real de Santo António) movimentou um total de 479.202 passageiros, o que representa um decréscimo de 3,5% relativamente ao trimestre homólogo anterior.

Já o serviço de longo curso (ligações dos serviços Alfa e Intercidades) movimentou um total de 220.822 passageiros, valor inferior em 2,7% ao do trimestre homólogo anterior.

Os valores para ambos os movimentos de passageiros são inferiores aos valores homólogos (de 2017), significando que, assim, o serviço regional vê interrompida uma série de 9 trimestres consecutivos de variações positivas e o Longo Curso vê interrompida uma série de 19 trimestres consecutivos de variações positivas.

Movimento de passageiros no Guadiana (VRS António – Ayamonte), por trimestre

No modo fluvial/marítimo, registou-se um movimento de 320.821 passageiros nas carreiras da Ria Formosa – o que corresponde a um decréscimo de 30,1% relativamente ao trimestre homólogo anterior – e um movimento de 30.637 passageiros na carreira do Guadiana (Vila Real de Santo António / Ayamonte), correspondendo a um decréscimo de 2,0% relativamente ao trimestre homólogo anterior que volta neste trimestre às variações trimestrais homólogas positivas.

Quanto ao Tráfego Médio Diário (TMD) nos eixos rodoviários principais, destaca-se, relativamente ao trimestre homólogo anterior: um aumento de 1,1% do TMD no troço da A2 “Almodôvar / São Bartolomeu de Messines” (10.706 veículos/dia), um aumento de 1,3% do TMD na A22 (13.897 veículos/dia) e um aumento de 20,9% do TMD na Ponte Internacional do Guadiana (9.355 veículos/dia).

Para os tráfegos na A2 e na A22, esta é a 20ª variação trimestral homóloga positiva consecutiva (desde o 3º trimestre de 2013), enquanto para o tráfego na Ponte Internacional do Guadiana é já a 16ª consecutiva (desde o 3º trimestre de 2014).

Os valores para os TMD nos eixos rodoviários secundários «evidenciam, de novo, os aumentos em grande parte dos postos de contagem».

Com exceção no IC1 (SB Messines / Tunes), da EN125 (Tavira / Olhão – acesso à A22) e da EN270 (São Brás de Alportel – Santa Catarina da Fonte do Bispo), com variações de -2,0, -6,9 e -16,3%, respetivamente, todos os restantes 10 postos registaram variações trimestrais homólogas positivas, destacando-se o aumento do movimento nos postos colocados nas variantes e acessos a Faro (com valores que variam entre os 7,4 e os 14,4%).

No que respeita ao movimento de passageiros no transporte coletivo rodoviário, destacam-se sobretudo os aumentos de 7,9% no movimento das ligações interregionais (223.456 passageiros) e de 5,2% no movimento das ligações interurbanas (1.555.439 passageiros).

EN125 – S.J. da Venda / Faro (Nó W), trimestres

No caso das ligações interregionais, «trata-se de um aumento expressivo e constitui a sétima variação trimestral homóloga positiva consecutiva».

«Quanto às ligações interurbanas, o aumento de 5,2% poderá não parecer particularmente significativo, mas constitui, ainda assim, a terceira maior variação trimestral homóloga positiva nos últimos 10 anos», é explicado no boletim.

O movimento nas ligações urbanas regista um ligeiro decréscimo de 0,1% (1.264.109 passageiros), sendo já a terceira variação trimestral homóloga negativa consecutiva «e o pouco expressivo movimento nas ligações internacionais decresce 13,1% (5.592 passageiros)».

 

Para consultar o barómetro, clique aqui.

 

Comentários

pub
pub