Há uma chuva de meteoros e um cometa no céu de Dezembro

E o Inverno chega no dia 21

A história da observação do céu deste mês vai ser marcada por dois eventos – Uma chuva de meteoros e um cometa. Mas já lá chegamos…

No dia 7, a Lua está em fase de lua nova. Uma semana depois, no dia 14, a Lua passa a cerca de 4 graus do planeta Marte.

Nesse mesmo dia, ocorre o máximo da chuva de meteoros das Geminíadas. Esta é das chuvas mais intensas do ano, com uma média de meteoros por hora durante o máximo a rondar os 120 (em céus escuros).

O pico de atividade está previsto para cerca do meio-dia, mas não desesperem, porque as Geminíadas são conhecidas por manter o número de meteoros por hora próximo do máximo durante quase um dia (mais provavelmente, entre as 20h00 do dia 13 e as 17h00 do dia 14).

O céu virado a Este, às 22h30 do dia 13 de Dezembro, com indicação da localização do radiante das Geminíadas. (Imagem: Ricardo Cardoso Reis /Stellarium)

No dia 13, a Lua põe-se perto da 22h30, altura em que a constelação dos Gémeos já está entre os 50 e 60 graus acima do horizonte, virada a Este.

No dia 15, a Lua atinge o quarto crescente. No dia seguinte, o cometa 46P/Wirtanen passa no ponto de maior aproximação da Terra (a cerca de 0,078 unidades astronómicas, ou pouco mais de 11,6 milhões de quilómetros), na sua órbita de 5,4 anos à volta do Sol.

Esta aproximação ocorre apenas 4 dias depois do periélio (ponto de maior aproximação do Sol), e por isso será a altura em que o cometa estará mais brilhante no nosso céu nos próximos 20 anos.

Na realidade, as projeções para o brilho deste cometa apontam para uma magnitude no máximo de 3, o que o coloca ao alcance da visualização a olho nu. Como é um objeto difuso, pode ser difícil de encontrar, em especial com a poluição luminosa das cidades. Por isso, para uma boa visualização, recomendo que o procurem com um par de binóculos.

O cometa 46P/Wirtanen era o alvo original da missão da Agência Espacial Europeia (ESA) Rosetta, mas incompatibilidades com a janela de lançamento levou que a missão fosse enviada para o cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko.

O céu à volta da constelação do Touro, com indicação da posição do cometa 46P/Wirtanen. (Imagem: Ricardo Cardoso Reis/Stellarium)

Às 22h23 do dia 21 (apenas um dia antes da lua cheia) ocorre o solstício de Inverno. Este é o dia mais pequeno do ano, com o Sol no Porto a nascer às 7h57 e a pôr-se às 17h09, com o dia a durar 9 horas e 12 minutos.

Em Bragança, o dia dura 9h08min (das 7h51 às 16h59), em Coimbra 9h18min (das 7h53 às 17h11), em Lisboa 9h27min (das 7h51 às 17h18), em Faro 9h37min (das 7h41 às 17h18). Já no arquipélago dos Açores (Ponta Delgada), o dia dura 9h33min (das 7h54 às 17h27), enquanto na Madeira (Funchal), o dia dura 10 horas certas (das 8h05 às 18h05).

E, para acabar 2018, no dia 29 a Lua atinge o quarto minguante.

Festas felizes e um 2019 cheio de boas observações.

 

Autor: Ricardo Cardoso Reis (Planetário do Porto e Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço)
Ciência na Imprensa Regional – Ciência Viva

 

Comentários

pub
pub