Cataplay volta a celebrar – e a dar a provar – a cataplana

A peça, que tem associada uma degustação de cataplana, estreia já no domingo, na Tertúlia Algarvia, em Faro

Foto: Pablo Sabater|Sul Informação

O Cataplay está de volta e vai chegar a ainda mais concelhos do Algarve. Esta performance, à qual está associada a degustação de pratos confecionados na bem algarvia cataplana, vai iniciar uma nova digressão pelo Algarve já no domingo, às 18h00, na Tertúlia Algarvia, na Vila-Adentro de Faro, e passará em 11 municípios da região, até ao dia 25 de Maio.

Tânia Silva e Mário Spencer voltam a vestir a jaleca e a encarnar as personagens da cozinheira marafada e do chefe de cozinha árabe, para um espetáculo cheio de «duelos, feitiços e contradições», em que o bom humor é regra.

Os dois atores algarvios, por entre arrufos e paixões disfarçadas, vão levar o público numa viagem em torno deste misterioso utensílio de cozinha, típico do Algarve, cuja origem ninguém sabe bem qual é.

No final, o público tem a oportunidade de provar pratos de cataplana, que diferem de sessão para sessão, para experimentar a magia que é possível fazer ao cozinhar com este utensílio.

 

 

«Esta é uma reposição do espetáculo, não é uma peça nova. Mas claro que o espetáculo evolui. Cada sessão é diferente da outra, não só pela nossa performance, mas também por causa do público, tendo em conta a grande interatividade que há», revela ao Sul Informação Tânia Silva, uma das intérpretes da peça e criadora do espetáculo.

A estreia absoluta do Cataplay aconteceu há cerca de um ano, na Tertúlia Algarvia, a entidade que promove o Cataplay, com o apoio do programa “365Algarve”. Este ano, a iniciativa continuou a merecer a confiança do programa lançado pelo Governo, tendo em vista a animação cultural do Algarve, durante a época baixa do turismo.

A grande novidade desta segunda digressão é a de ir a (muitos) mais municípios do Algarve. «Estaremos nos cinco municípios onde já passámos na anterior edição do 365Algarve e iremos a outros seis», explica Tânia Silva.

«Ou seja, vamos atuar em Faro, em Vila Real de Santo António, em Vila do Bispo, em Loulé e em Tavira, como no ano passado, mas também em Castro Marim, em Olhão, em São Brás de Alportel, em Monchique, em Albufeira e em Lagos», precisa.

 

 

«Uma coisa que é muito interessante neste espetáculo é a intimidade com o público. Fazemos sempre umas brincadeiras e é muito engraçado», considera Mário Spencer.

Depois da performance, há uma conversa com o público. «Uma coisa boa para nós é que não se sabe bem a origem da cataplana. Isso dá-nos liberdade criativa e dá azo a excelentes conversas com o público, durante as quais aprendemos coisas muito interessantes. Acaba por ser também uma tertúlia».

«A degustação é igualmente um momento importante, porque há um convívio com os atores num registo informal. Porque, num espetáculo convencional, mal acaba, o ator vai para dentro e o público vai embora e fica a pairar esta ideia “como é que serão eles”. Aqui, descobrem a parte humana do ator e interagem connosco», disse o Mário Spencer ao Sul Informação.

«Este espetáculo funciona não só pelo que acontece no palco, mas também, e em grande medida, pelo que acontece fora dele. Acho que acertámos numa fórmula muito interessante e que tem tudo a ver com aquilo que é o 365Algarve», tendo em conta que envolve uma empresa e uma estrutura cultural.

 

 

Durante o espetáculo, os atores dirigem-se diretamente ao público e até dão a provar a alguns sortudos a cataplana que será servida em seguida. E há, frequentemente, surpresas.

«Nas sessões, há sempre cataplanas para provar. Normalmente são duas, uma de peixe e outra vegetariana, geralmente salgadas. Mas, no último espetáculo da primeira digressão, havia três, uma delas doce, e eu e o Mário não sabíamos. Quando a demos a provar a uma menina, perguntámos a que é que sabia e ela respondeu: “sabe a pêra”. E nós olhámos um para o outro, espantados, a pensar: “a pêra?” (risos)», conta Tânia Silva.

Também houve um caso, recorda Mário Spencer em que uma criança provou a cataplana e gritou: “sabe mal!”. «Tinha piri-piri. Dar a volta a estas é complicado», admite, a rir, o ator algarvio.

Já Lélia Madeira, da Tertúlia Algarvia, recordou uma situação insólita que aconteceu na atuação no Mercado da Ribeira, em Tavira. «Há uma parte em que eles atiram pratos para o chão, para os partir. E no Mercado da Ribeira, estavam a atuar num espaço aberto, delimitado por baias. Mal eles partem os pratos, a senhora da limpeza começou a varrer, atrás deles, com cara de poucos amigos, e a deitar os cacos no lixo (risos)».

 

 

Tudo isto ajudou os dois atores a crescer, de modo a que Mário Spencer tem a certeza que «não pode correr mal».

Outra mudança que há, em relação à primeira digressão do Cataplay, é que, este ano, não haverá sessões em inglês, apesar de todos os espetáculos terem legendas neste idioma.

Esta opção não teve a ver com as sessões em si, já que «a que nos correu melhor, no ano passado, foi em inglês».

Mas havia casos em que havia público estrangeiro, mas não de países de língua inglesa. «Tivemos sessões com muitos italianos e espanhóis, que ficavam a olhar para nós e não percebiam. Também houve sessões em inglês onde houve pouco público, porque os próprios portugueses, sabendo que era noutra língua, optavam por não ir», explica Tânia Silva.

 

Veja as fotos do ensaio do Cataplay:

Fotos: Pablo Sabater|Sul Informação

 

Ao todo, haverá 16 sessões do Cataplay por onde escolher, bem espalhadas, a nível geográfico, por todo o Algarve. O Sul Informação, que é o media partner deste evento, deixa-lhe aqui as datas de todos os espetáculos, para os quais vamos oferecer bilhetes. Fique atento!

Dezembro
Dia 9 – Faro, Tertúlia Algarvia, 18h00

Janeiro
Dia 26 – Albufeira, Auditório Municipal de Albufeira, 19h30

Fevereiro
Dia 8 – Faro, Auditório do IPDJ, 19h00

Março
Dias 2 e 3 – Monchique, Mercado Municipal de Monchique, 19h00
Dia 10 – Vila do Bispo, Centro Cultural de Vila do Bispo, 18h00
Dia 23 – Olhão, Biblioteca Municipal José Mariano Gago, 19h00
Dia 29 – VRSA, Centro Cultural António Aleixo, 19h00
Dia 30 – Lagos, Centro Cultural de Lagos, 19h00

Abril
Dias 12 e 13 – Loulé, Auditório do Convento do Espírito Santo, 19h00~
Dia 26 – Castro Marim, Mercado Municipal de Altura, 17h30
Dia 27 – São Brás de Alportel, Mercado Municipal de SBA, 18h30

Maio
Dia 11 – Tavira, Mercado da Ribeira, 19h00
Dia 18 – Faro, Museu Municipal de Faro, 18h00
Dia 25 – Castro Marim, Centro Multiusos do Azinhal, 18h00

 

 

Comentários

pub
pub