PCP quer «respostas concretas» sobre a construção do Hospital Central do Algarve

Comunistas não obtiveram respostas da ministra na discussão na especialidade do Orçamento de Estado

O PCP quer respostas concretas do Governo sobre a construção do novo Hospital Central do Algarve e do novo Hospital de Lagos. Os comunistas dizem que os documentos fornecidos sobre o Orçamento do Estado não esclarecem se haverá investimento e queixam-se que, na audição da Ministra da Saúde, realizada no âmbito do debate da especialidade, a governante «não clarificou esta questão», enquanto o secretário de Estado Adjunto e da Saúde «refugiou-se em generalidades».

Segundo o PCP, «os documentos enviados à Assembleia da República, de apoio ao debate do Orçamento do Estado para 2019, designadamente o Relatório do Ministério das Finanças e a Nota Explicativa do Ministério da Saúde, não esclarecem se no Orçamento do Estado estão inscritas verbas para o início dos processos de construção destes dois hospitais algarvios».

O grupo parlamentar tentou obter esclarecimentos no debate da especialidade, mas «a ministra da Saúde não clarificou esta questão, enquanto o secretário de Estado Adjunto e da Saúde afirmou, segundo os comunistas, que «há problemas no Serviço Nacional de Saúde do Algarve e que o Ministério da Saúde trabalhará para os ultrapassar».

Quanto à construção do Hospital Central do Algarve e do novo Hospital de Lagos «nada foi dito em concreto».

Para o PCP, «sendo a construção destes dois hospitais fundamental para a melhoria da prestação de cuidados de saúde na região algarvia», não é aceitável que, «sobre esta questão, o Governo se furte a uma resposta».

Os comunistas também lembram que «o Governo prometeu um investimento de 19 milhões de euros no triénio 2017-2019 para aquisição e renovação de equipamento nos três hospitais do Centro Hospitalar Universitário do Algarve», mas, «em 2017, o investimento concretizado foi cerca de metade do prometido».

O PCP confrontou o anterior ministro da Saúde com esta questão, «há uns meses», tendo o governante reconhecido «o incumprimento da promessa, pediu desculpa aos algarvios e assumiu o compromisso de realizar integralmente o investimento previsto para o triénio 2017-2019, ou seja, 19 milhões de euros».

Agora, nesta audição, o PCP «questionou a ministra da Saúde sobre este assunto, perguntando-lhe se mantinha o compromisso do Governo de concretizar esse investimento de 19 milhões de euros até finais de 2019 e que verba se encontra inscrita no Orçamento do Estado para esse fim».

No entanto, segundo os comunistas, «também sobre este assunto, a ministra da Saúde se furtou a uma resposta concreta».

Para tentar obter as respostas que não conseguiu ainda da ministra, o deputado Paulo Sá, eleito pelo Algarve, enviou , esta quarta-feira, um requerimento à governante, no qual volta a perguntar se, «no Orçamento do Estado para 2019, estão inscritas verbas para a construção do Hospital Central do Algarve e do novo Hospital de Lagos».

Em caso afirmativo, o PCP quer saber «qual o montante inscrito e quais os trabalhos previstos em 2019».  Em caso negativo, quer saber qual a justificação para que essas verbas não estejam inscritas, tendo em conta que «a construção destes dois hospitais é fundamental para a melhoria da prestação de cuidados de saúde na região algarvia».

Os comunistas questionaram ainda a ministra acerca da manutenção do compromisso do Governo «de concretizar um investimento de, pelo menos, 19 milhões de euros no triénio 2017-2019 para aquisição e renovação de equipamento nos três hospitais do Centro Hospitalar Universitário do Algarve» e querem saber «que verba se encontra inscrita no Orçamento do Estado para esse fim».

Comentários

pub
pub