Orçamento de Estado prevê menos 19 milhões de euros para a saúde no Algarve

Algarve tem «problemas crónicos» na área da saúde

Foto: Pablo Sabater | Sul Informação

A proposta de Orçamento de Estado para 2019 tem previstos menos 19 milhões de euros para o Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA).

A situação é denunciada por Cristóvão Norte, deputado algarvio do PSD, que revela ainda que os tempos de espera para uma consulta, no CHUA, «chegam a atingir quatro anos».

«De que vale alguém ter mais 5, 10 ou 15 euros por mês se, quando necessita de uma consulta. tem que ir para o privado, pagar o que não tem, pedir emprestado ou abdicar do acesso à saúde?». Esta foi a questão de Cristóvão Norte a Marta Temido, a nova ministra da Saúde.

O deputado, na interpelação à governante, considerou que «os principais indicadores estão pior: mais 103% de queixas, uma quebra significativa na produção clínica que se verifica ano após ano e um aumento dos tempos de espera para consulta. O que faz o Governo? Reduz o orçamento em 19 milhões, não tem uma política decisiva de fixação de recursos humanos e o novo hospital do Algarve – segunda prioridade a nível nacional fixada por despacho – fica de fora quando são anunciados, uma vez mais, cinco novos hospitais».

Segundo o parlamentar, o tempo de espera para consulta para estomatologia, no Hospital de Faro, fixa-se em 2 anos e 3 meses, e para ortopedia, no mesmo hospital, está em 4 anos e 4 meses. Por fim, em urologia o tempo de espera é de 2 anos, no Hospital de Portimão, e de 3 anos e 3 meses, em Faro, segundo Cristóvão Norte.

«O Algarve tem problemas crónicos na saúde, precisa de ser prioridade a nível nacional, a população aumenta, os visitantes também, mas as respostas escasseiam», considera.

Segundo a proposta do Governo, haverá ainda uma redução de 2,2 milhões de euros em medicamentos e de 1 milhão em consumo de material clínico, entre outros.

Comentários

pub
pub