Quatro projetos algarvios venceram Orçamento Participativo Portugal

Cidadãos escolheram entre 691 projetos que têm, no total, previstos 5 milhões de euros do Orçamento de Estado para investir

A criação de uma Rota Literária do Algarve, a distribuição gratuita, aos municípios, de uma caixa ninho para diferentes tipos de aves, a implementação do projeto “Costas para o Futuro” e a dinamização da Ermida de Santo António do Alto, em Faro. Estes foram os quatro projetos algarvios vencedores do Orçamento Participativo Portugal (OPP), cujos resultados acabaram de ser conhecidos esta quinta-feira, 11 de Outubro. 

Começando pela criação da Rota Literária do Algarve, este projeto, avaliado em 120 mil euros, pretende valorizar o património algarvio, estabelecendo conexões entre o espaço físico e os textos de autores algarvios.

Para isso a ideia é criar itinerários literários nos 16 concelhos da região, disponibilizá-los em português, inglês e francês, de modo a ampliar, diversificar e enriquecer a oferta de experiências culturais no Algarve. Esta é uma iniciativa, proposta por Rita Baleiro e Sílvia Quinteiro, a ser implementada em 24 meses.

Quanto ao projeto “Alojamento Local para Aves”, da autoria de Fábia Azevedo, coordenadora do RIAS – Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens, em Olhão, prevê «a distribuição gratuita de caixas ninho para diferentes tipos de aves aos municípios e escolas interessadas da região do Algarve», bem como a realização de ações de educação ambiental.

Os objetivos desta proposta são «impulsionar o interesse e o contacto mais direto da população local em relação à avifauna, aumentar a disponibilidade de abrigo às espécies alvo desta proposta e sensibilizar a população para a importância das aves no bem-estar dos ecossistemas urbanos do Algarve», lê-se.

Créditos: Depositphotos

De forma a despertar a curiosidade da população, e também com o intuito de obter mais informação para ser trabalhada do ponto de vista pedagógico, será ponderada, ainda, a instalação de câmaras de vigilância em algumas caixas ninho a ser ocupadas. As imagens obtidas seriam transmitidas em direto numa plataforma online, disponível para qualquer cidadão interessado em observar o dia a dia das espécies. O projeto, a ser implementado em dois anos, é avaliado em 150 mil euros.

Passando para a dinamização da Ermida de Santo António do Alto, o projeto tem como objetivo reabilitar e abrir ao público a Igreja, o miradouro e o museu Antonino que outrora foi visitável.

«A zona envolvente da Ermida é uma zona de grande interesse da população de Faro e a concretização deste projeto irá enriquecer o património cultural, histórico, artístico e de lazer. Uma vez requalificado, este espaço irá tornar-se também, numa atração turísca imperdível para quem visita a cidade de Faro», lê-se no projeto de Ana Sena Morgado e Samanta Duarte, avaliado em 70 mil euros e cujo prazo de implementação aponta para 24 meses (dois anos).

Por fim, o quarto vencedor algarvio do Orçamento Participativo Portugal foi o projeto “Costas para o Futuro” que prevê a realização de formações para fisioterapeutas, na área da educação e prevenção da saúde postural em crianças.

Este projeto tem como objetivo geral o ensino e prática de posturas corretas de forma a prevenir o aparecimento precoce de dores nas costas nas crianças e a diminuição da sua incidência na fase adulta. A ideia, de Sílvia Conde, é abranger escolas dos 16 municípios do Algarve.

Segundo o Orçamento Participativo Portugal, foram recebidas, nesta segunda edição, «mais de 1400 ideias para Portugal, que nos chegaram pelo site do OPP ou que foram submetidas nos 37 encontros participativos que realizámos em todo o país».

Os cidadãos escolheram entre 691 projetos, nacionais e regionais, como investir 5 milhões de euros do Orçamento de Estado e registaram-se quase 120 mil votos que resultaram em 22 projetos vencedores.

Para conhecer os restantes vencedores, clique aqui. 

Comentários

pub
pub