«Mar de Filmes» leva documentário «É na Terra não é na Lua» aos Monumentos Megalíticos de Alcalar

Esta mostra de cinema documental de cariz etnográfico ao ar livre está a decorrer em três monumentos do Barlavento algarvio: Fortaleza de Sagres, Monumentos Megalíticos de Alcalar e Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, nos sábados de Setembro

O documentário «É na Terra não é na Lua», do realizador português Gonçalo Tocha, vai ser exibido este sábado, dia 8, às 21h00, nos Monumentos Megalíticos de Alcalar (interior do concelho de Portimão), na segunda sessão do ciclo «Mar de Filmes».

Esta mostra de cinema documental de cariz etnográfico ao ar livre está a decorrer em três monumentos do Barlavento algarvio: Fortaleza de Sagres, Monumentos Megalíticos de Alcalar e Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, nos sábados de Setembro.

O filme mostra a vida no Corvo, a ilha mais pequena do Arquipélago dos Açores. É formada por uma única montanha vulcânica extinta, o Monte Gordo, coroado por uma cratera onde se aloja a Lagoa do Caldeirão.

Tem uma única vila habitada por 450 pessoas, uma estrada, uma Câmara Municipal, um avião três vezes por semana, um posto médico, um infantário, uma escola e uma igreja e um restaurante. Em 2007, um operador de câmara e um técnico e som chegam à ilha dispostos a filmar tudo o que ali se passa. Aos poucos, são tratados como família pelos seus habitantes e, com eles, vão contar a si História e as suas histórias.

Primeiras pessoas a habitar a ilha: algarvios.

Os Monumentos Megalíticos de Alcalar são templos funerários megalíticos, edificados e usados como sepulcros coletivos e espaços cerimoniais ao longo de vários séculos, no período Calcolítico (III milénio a.C.).

Constituem uma notável necrópole monumental relacionada com uma antiga povoação pré-histórica. Os monumentos do agrupamento oriental da necrópole – Alc7 e Alc9 – estão museografados e podem visitar-se, dispondo de um Centro de Interpretação (encerra às segundas-feiras e feriados principais).

“Um Mar de Filmes!” é um projeto do Rizoma Lab – Associação Cultural e tem a coordenação artística e curadoria de Luísa Baptista, produção técnica de Pedro Glória e conta com Carolina Rufino e Diogo Vilhena como programadores associados.

Depois deste filme, seguem-se “A Mãe e o Mar”, também de Gonçalo Tocha (15 de Setembro), na Fortaleza de Sagres, «Pedra e Cal», de Catarina Alves Costa (22), na Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, e finalmente «Medronho todos os Dias – Unedo Omnes Dies», de Sílvia Coelho e Paulo Raposo (29), de novo em Alcalar. Todas as sessões são às 21h00.

“Medronho Todos os Dias” fará o encerramento da Mostra, numa iniciativa no âmbito das Jornadas Europeias do Património. Este filme acompanha o saber singular do processo de produção de aguardente de medronho e a sua presença por toda a região de Monchique. Esta sessão conta com a presença do Grupo Coral da Confraria de Medronho e será seguida de uma prova de medronho.

“Um Mar de Filmes!” está integrado no DiVaM 2018 – Dinamização e Valorização dos Monumentos – programa cultural organizado pela Direção Regional de Cultura do Algarve e tem a colaboração do Museu Municipal de Portimão/ Câmara Municipal de Portimão e apoio da Quinta do Barranco Longo.

 

Programa

>Monumentos Megalíticos de Alcalar | 08 de Setembro | 21 horas – Exibição do filme “ É na Terra não é na Lua” de Gonçalo Tocha;
>>Fortaleza de Sagres | 15 de Setembro | 21 horas – Exibição do filme “ A Mãe e o Mar” de Gonçalo Tocha;
>>Ermida de Nª Sra de Guadalupe | 22 de Setembro | 21 horas – Exibição do filme “ Pedra e Cal” de Catarina Alves Costa;
>>Monumentos Megalíticos de Alcalar | 29 de Setembro | 21 horas – Exibição do filme “Medronho todos os Dias – Unedo Omnes Dies”de Sílvia Coelho e Paulo Raposo (Jornadas Europeias do Património) .

 

Comentários

pub
pub