Afinal, Odeleite vai ter praia fluvial a tempo do Verão de 2019

Castro Marim Primeiro fez alterações à proposta do executivo do PSD e agora já votou a favor da obra

No Verão de 2019, Odeleite já terá uma praia fluvial. Depois de uma primeira proposta de adjudicação da obra ter sido rejeitada, em Dezembro, pela oposição, que tem maioria na Câmara, uma nova proposta submetida pelo movimento Castro Marim Primeiro (CM1), liderado por José Estevens, foi aprovada esta segunda-feira, 21 de Agosto, dando luz verde ao projeto.

Na reunião de Câmara, o executivo PSD e José Estevens votaram a favor e os dois vereadores do PS votaram contra.

Em comunicado, o CM1 explica que, depois do chumbo em Dezembro do ano passado, «considerou a importância de fixar em Odeleite um investimento com a dimensão do proposto e as sinergias que o mesmo pode estimular».

A proposta «apresentada por José Estevens e aprovada pela Câmara Municipal, consubstancia-se na aprovação da construção do Centro Náutico com a garantia de que será concessionado a privados, ficando desde logo definidos os elementos essenciais desse concurso e diminuindo dessa forma o esforço financeiro a alocar pelo Município», explica o movimento.

Por outro lado, «a proposta assumiu o compromisso de investir na requalificação da aldeia de Odeleite valor igual ao investido na construção do Centro Náutico, independentemente do montante de financiamento comunitário».

Francisco Amaral, presidente da Câmara de Castro Marim, explicou ao Sul Informação que as diferenças entre esta proposta e a que tinha sido submetida pelo executivo «não são substanciais. O que aconteceu é que um vereador resolveu acreditar e ter fé neste projeto. Se já tivesse tomado a posição em Dezembro passado, este Verão, já teríamos a praia a funcionar».

O autarca realça que «a proposta inicial era nossa e foi complementada. A principal alteração, com a qual estamos de acordo, é que se dê a explorar o bar e as restantes infraestruturas a um privado. Nunca nos passou pela cabeça que fosse a Câmara a explorar os espaços».

Segundo Francisco Amaral, com esta aprovação da proposta final de adjudicação, «no próximo Verão, a praia já estará a funcionar».

A obra vai custar 600 mil euros, sendo comparticipada pelo PO CRESC 2020, apoiada por Portugal e União Europeia e cofinanciada a 70% pelo FEDER.

A intervenção contempla 6100 metros quadrados de área, «com zonas verdes, piscinas flutuantes, apoios de praia, uma zona de estar» e integra ainda um Centro de Atividades Náuticas, «cujo programa estratégico foi igualmente aprovado. Ali poderão ser desenvolvidas atividades como canoagem, vela, pesca desportiva e integrar circuitos de triatlo, representando um polo de atração e um importante contributo para o combate à sazonalidade e à desertificação», considera a Câmara de Castro Marim.

Quando foi lançado o projeto, Francisco Amaral realçou que esta é «uma obra que vem potenciar o turismo que já existe nesta zona, muito procurada pela gastronomia e paisagem, e que vem também acabar com a utilização ilegal e insegura desta barragem para banhos, como tem vindo a acontecer».

Francisco Amaral considera ainda que, «atendendo ao êxito que tive com a praia fluvial de Alcoutim, acredito que o sucesso desta nova praia será maior, pois tem um espelho de água enormíssimo, água de maior qualidade, está mais perto do litoral e situa-se mesmo ao lado do IC 27».

O autarca defende também que este é um fator decisivo para alavancar a economia local, «tanto mais que tem associado um projeto privado complementar ao investimento público. Falamos de um contributo importante no combate à desertificação e ao despovoamento», conclui.

Comentários

pub
pub