Utentes da Via do Infante aproveitam o Verão para protestar contra as portagens

CUVI apela a PS, PSD e CDS que se redimam «de vez» e votem favoravelmente as propostas de abolição das portagens que serão votadas na Assembleia da República

A Comissão de Utentes da Via do Infante (CUVI) não desiste de lutar «por um Algarve livre de portagens» e anunciou ações «a ter lugar durante o Verão», a primeira das quais já no domingo, dia 22 de Julho, durante a Concentração Internacional de Motos de Faro.

Os ativistas anti-portagens preparam-se para sair para a rua, mas não deixam, por isso, de apelar  que «as forças políticas – PS, PSD e CDS – que sempre têm optado e defendido as portagens» se redimam «de vez» e votem favoravelmente as novas propostas de abolição da cobrança de taxas na Via do Infante que serão votadas esta quarta-feira, dia 18 de Julho, na Assembleia da República.

Caso as propostas de abolição das portagens não sejam aprovadas, «a responsabilidade terá de ser assacada» a quem as inviabilizar, avisam.

A Comissão de Utentes da Via do Infante tomou esta posição pública dias após o Governo ter anunciado uma redução das portagens entre 15% a 20% nas portagens para veículos de mercadorias das classes 2, 3 e 4. Ainda assim, não há qualquer referência a esta medida na nota enviada às redações.

O grupo de ativistas anti-portagens nunca admitiu, desde a sua criação, outra possibilidade que não fosse a abolição da cobrança de taxas na Via do Infante.

«Além dos vastos prejuízos económicos e sociais que as portagens têm provocado na região, as mesmas têm contribuído para o aumento da sinistralidade rodoviária, muito em particular, na “rua urbana” a que se dá o nome de EN125», defende a CUVI.

É que na estrada nacional que liga Vila do Bispo a Vila Real de Santo António, «mesmo com uma parte requalificada, os acidentes continuam a ocorrer nesta e em toda a extensão da via».

«O Algarve vai terminar este ano com mais de 10 mil acidentes de viação, com muitas vítimas mortais e feridos graves (10 241 acidentes em 2016 e 10 752 em 2017). Segundo dados fornecidos pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, entre 1 de Janeiro e 7 de Julho deste ano, aconteceram na região 4890 acidentes, com 16 mortos e 88 feridos graves. O mês de Agosto ainda não chegou e os acidentes já devem ser superiores a 5 000. Uma situação verdadeiramente insuportável e trágica», considera a CUVI.

Comentários

pub
pub