Lista A retira-se das eleições para o Clube Naval de Portimão

A Lista A anunciou hoje, em comunicado, que «não participará» na «continuação» das eleições para os órgãos sociais do Clube […]

A Lista A anunciou hoje, em comunicado, que «não participará» na «continuação» das eleições para os órgãos sociais do Clube Naval de Portimão, marcada para amanhã, 2 de Junho.

No sábado passado, 26 de Maio, o presidente da Mesa da AG, decidiu, pelas 16h00, suspender o ato eleitoral que estava a decorrer, alegando «graves irregularidades». A urna de votos acabou por ser colocada à guarda da Polícia Marítima, chamada a intervir pelos elementos da Lista B.

No entanto, no dia 29, após uma reunião entre o presidente e o vice-presidente da Mesa da Assembleia Geral e representantes das duas listas concorrentes às eleições para os Órgãos Sociais do CNP, tinha sido decidido que o ato eleitoral continuaria amanhã, entre as 10 e as 13 horas.

O presidente da Mesa da AG envolvido em todas estas decisões é José Casimiro, que voltava a candidatar-se ao mesmo cargo, agora pela Lista A.

No seu comunicado de hoje, a Lista A considera que «a legalidade e a regularidade dos procedimentos eleitorais só poderão ser asseguradas com a devolução da palavra a todos os sócios do Clube Naval de Portimão», através de «nova convocatória eleitoral a ser enviada por escrito aos sócios, conforme prescrito no Regulamento Geral Interno
do Clube».

A Lista A afirma que essa foi a posição que defendeu junto da Mesa da Assembleia Geral, mas que «não teve acolhimento». Quanto ao agendamento da «continuação» do ato eleitoral, essa é uma «situação com a qual a Lista A não pode concordar».

Aquela lista afirma que tomou a decisão de não participar nas eleições depois de «consultada a esmagadora maioria dos candidatos da Lista A», tendo pedido ao presidente da Mesa da Assembleia Geral que «desse conhecimento dessa posição a todos os sócios».

Aquela lista salienta ainda, no seu comunicado, que, no sábado passado, as eleições foram interrompidas «perante indícios de incumprimento das disposições legais, estatutárias e regulamentares», naquela que foi uma «decisão difícil, com a qual nos solidarizamos», do presidente da Mesa da AG.

Na sequência da interrupção, «foi solicitada ao Ministério Público a averiguação das situações ocorridas e, em consequência a averiguação da validade do Ato Eleitoral de 26 de Maio. Disso foi, formalmente, dado
conhecimento à Capitania do Porto de Portimão, na pessoa do Exmo Sr. Capitão do Porto de Portimão», explica ainda a Lista A.

Comentários

pub
pub