Primeira marcha LGBTI de sempre no Algarve reuniu 500 pessoas em Faro

A primeira marcha e arraial LGBTI de sempre na região do Algarve teve lugar este sábado, em Faro, para assinalar […]

Marcha LGBTI em Faro – Foto: João Neves dos Santos

A primeira marcha e arraial LGBTI de sempre na região do Algarve teve lugar este sábado, em Faro, para assinalar o Dia Internacional da Luta contra a Homofobia e Transfobia, criado pela ONU.

A organização foi da Associação para o Planeamento da Família (APF) e da Sê Mais Sê Melhor, com apoio do MAPS e da Associação Xis.

A Xis é a primeira associação LGBTI da região algarvia, e foi representada na marcha por Max Spencer, enquanto a Sê Mais Sê Melhor é uma associação juvenil de Faro, a única que já venceu o prémio nacional Jovens pela Igualdade duas vezes.

A direção nacional da Associação para o Planeamento da Família foi representada pela farense Sofia Martins, tendo ainda participado o MAPS, através de Fábio Simão e Elsa Cardoso, e a EAPN/Rede Europeia Anti Pobreza Faro.

Participaram também Margarida Flores, diretora regional do Instituto de Segurança Social, bem como José Moreno, delegado regional do Instituto Português do Desporto e Juventude, e ainda, a título pessoal, Jorge Botelho, presidente da Câmara de Tavira e da AMAL, e João Fernandes, presidente eleito da Região de Turismo do Algarve. A nível de partidos, estiveram presentes o PAN, o Bloco de Esquerda e o PCP. A madrinha foi a Linda Xénon.

Houve igualmente a participação de turmas de escolas e da universidade, pais e famílias.

A marcha partiu da rotunda do liceu, desceu a Avenida 5 Outubro, com paragem no largo da Pontinha, seguiu pela Rua de Santo António, Rua Conselheiro Bivar até ao largo da Madalena, onde teve lugar o Arraial LGBTI.

Durante o percurso da marcha, que reuniu cerca de 500 pessoas, o público reagiu de forma muito positiva, inclusive com aplausos.

A Marcha e o Arraial LGBTI de Faro foram promovidos no âmbito de um conjunto de atividades que visam dar visibilidade às problemáticas sentidas pela comunidade LGBTI e pretendem contribuir para desmistificação de preconceitos e consequentemente a discriminação que ainda subsiste na sociedade portuguesa.

Os responsáveis da APF explicam que esta iniciativa surgiu na continuidade do trabalho em prol da promoção da defesa e igualdade de Direitos Humanos.

A APF viu aprovado, pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG),  um projeto de intervenção na área da “Promoção da Igualdade de Género e no  Combate à Discriminação com base na Orientação Sexual e Identidade de Género” elaborado em parceria com a Sê Mais Sê Melhor – Associação para a Promoção do Potencial Humano, uma associação juvenil de âmbito regional que tem como principal missão promover o desenvolvimento pessoal, considerando a natureza multifacetada do indivíduo.

A Associação para o Planeamento da Família (APF) é uma ONG nacional criada em 1967, que tem como principal missão “contribuir para que as pessoas possam fazer escolhas livres e responsáveis na sua vida sexual e reprodutiva, incluindo a promoção da parentalidade positiva”.

O ramo da ONG domiciliada em Faro tem vindo a desenvolver projetos de intervenção comunitária, estendida a toda a região, centrada na temática da prevenção do VIH/sida, junto de públicos tidos como mais vulneráveis, nomeadamente a população imigrante, trabalhadoras(es) sexuais, comunidade LGBTI, entre outros.

Desde o ano de 2016, a APF Algarve também trabalha no âmbito do tráfico de seres humanos, através da promoção de ações de formação e sensibilização para a problemática, bem como de uma equipa multidisciplinar de assistência a vítimas de tráfico de seres humanos.

 

Nota: Atualizado às 14h08, corrigindo o número de participantes

 

Fotos: João Neves dos Santos e outros autores

Comentários

pub
pub