Diogo Infante narra “A História do Soldado” no novo concerto do FIMA em Gambelas

Diogo Infante vai narrar a “A História do Soldado”, com a Orquestra Clássica do Sul no próximo espetáculo do Festival […]

Foto: Martyna Mazurek | Sul Informação

Diogo Infante vai narrar a “A História do Soldado”, com a Orquestra Clássica do Sul no próximo espetáculo do Festival Internacional de Música do Algarve (FIMA), que se realiza já esta sexta-feira, 18 de Maio, às 21h00, no Grande Auditório da Universidade do Algarve, no Campus de Gambelas, em Faro. 

O conceituado ator será o narrador da popular história escrita por Stravinsky, em colaboração com Ramuz e inspirada em contos populares russos.

A Diogo Infante, junta-se um ensemble da Orquestra Clássica do Sul, que será dirigido pelo maestro Rui Pinheiro.

«A História do Soldado ocupa um lugar de destaque na produção de Stravinsky e na história da música do século XX. Para narrador e ensemble, esta obra acusa a influência de outros géneros na música erudita e constitui uma das mais bem conseguidas interações entre diferentes formas de expressão artística – teatro e música», disse Rui Pinheiro, diretor artístico do FIMA.

A partitura foi escrita por Stravinsky no decurso da I Guerra Mundial, para um efetivo orquestral de sete instrumentos – violino, contrabaixo, clarinete, fagote, trompete, trombone e percussão.

«Com uma orquestração absolutamente espantosa e eficaz, a obra reproduz não só as sonoridades e efeitos que são a imagem de marca de Stravinsky, como ainda aproxima a formação orquestral das bandas de salão e dos agrupamentos de jazz que proliferavam já na época», garante a organização do FIMA.

O maestro Rui Pinheiro, em entrevista ao Sul Informação, tinha adiantado que na programação deste ano do festival, a organização tentou «ir do período barroco à música contemporânea, desde a formação sinfónica à formação de música de câmara, ir desde o concerto formal, em que temos orquestra, a um projeto, com o Diogo Infante, em que vamos fazer uma peça de teatro. Procurámos oferecer um conjunto diversificado de concertos e formatos».

Os bilhetes para este concerto podem ser adquiridos no local do espetáculo, a partir das 20h00, ou aqui.

Diogo Infante, 50 anos, cresceu em Faro, no Algarve, e iniciou a sua vida profissional como guia intérprete, tendo a sua estreia como ator acontecido em 1988 no Teatro Nacional D. Maria II, na peça “As Sabichonas”, de Molière, um ano após ter ingressado na Escola Superior de Teatro e Cinema.

Até 1991, quando concluiu o curso de ator, participou em várias peças dirigido por encenadores como Ruy Matos e manteve uma atividade regular em palco nas décadas seguintes, destacando-se as participações em “A Dúvida”, de John Patrick Shanley, encenado por Ana Luísa Guimarães, e “Hamlet”, de Shakespeare, encenado por João Mota.

No Teatro da Trindade, em 1992, dirigiu “O Amante”, de Harold Pinter. No mesmo ano, estreou-se no cinema, em “Nuvem”, de Ana Luísa Guimarães, desempenho que lhe valeu um Se7e de Ouro.

Recebeu Globos de Ouro/SIC para o Melhor Ator do Ano em 1996 e 1998, recebeu o Prémio Nações Unidas, em 1995, e o de Melhor Ator do Festival de Gramado, Brasil, em 1999, pelo desempenho em “A sombra dos abutres” de Leonel Vieira. Em 1999, foi ano da sua promoção como “Shooting Star” pela European Film Promotion.

Tem trabalhado com regularidade na televisão, quer como ator em novelas e séries, quer como apresentador de concursos ou documentários.

No ano passado, esteve em digressão pelo país com a peça “Quem tem medo de Virginia Woolf”, na qual voltou a partilhar o palco com Alexandra Lencastre.

Em Dezembro do ano passado, assumiu funções como programador e diretor artístico do Teatro da Trindade, em Lisboa.

Comentários

pub
pub