Portimão apresenta programa «Aldeia Segura» e antecipa luta aos incêndios rurais

A apresentação do Plano de Implementação dos programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras” e a antecipação do dispositivo de incêndios […]

A apresentação do Plano de Implementação dos programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras” e a antecipação do dispositivo de incêndios rurais, através de uma equipa de combate dedicada nos bombeiros de Portimão, foram as grandes novidades do 3º aniversário do Centro Municipal de Proteção Civil e Operações de Socorro de Portimão, que teve lugar no passado dia 26.

Foi uma jornada de trabalho que envolveu todos os agentes de Proteção Civil e entidades cooperantes de Portimão, tendo-se também reunido o Centro de Coordenação Operacional da Região, órgão que executa a coordenação institucional do ponto de vista operacional, nomeadamente o planeamento e gestão da participação dos meios e recursos de cada força ou serviço em função de um acidente grave ou catástrofe.

Na apresentação dos programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras”, no concelho de Portimão, o Gabinete Técnico Florestal fez um ponto de situação do plano de ação municipal de exceção para a defesa da floresta contra incêndios, em curso desde o início do ano. Este plano assegura a materialização do regime excecional previsto na Lei do Orçamento de Estado para 2018, nomeadamente no que concerne às faixas de gestão de combustível e sensibilização da população.

O plano de implementação dos dois programas contempla sete locais prioritários em função da perigosidade, risco e histórico de ocorrências no concelho.

Assim, e na sequência do planeamento já realizado com as Juntas de Freguesia, serão levadas a cabo de forma prioritária e durante o mês de Maio, ações concretas em Montes de Cima, Vale Juncal, Senhora do Verde, Monte Canelas, Porto de Lagos, Rasmalho e Arão.

Em paralelo, irão decorrer os trabalhos associados às habitações isoladas que não são um aglomerado.

A carta identifica as localidades prioritárias do programa Aldeia Segura no concelho de Portimão. Pelo histórico de ocorrências sobreposto, funciona como carta de risco

Outra novidade foi o anúncio de que o Município de Portimão antecipa o dispositivo de incêndios rurais, constituindo, para isso, uma equipa de combate dedicada, dos Bombeiros locais.

Esta «inédita» Equipa de Combate a Incêndios Rurais vai assegurar que, «fora dos períodos de reforço do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais da Autoridade Nacional de Proteção Civil, está garantido um ataque inicial pronto e fulminante através de uma unidade dedicada, sem comprometer as demais áreas da proteção e socorro».

Por outro lado, através de um protocolo assinado entre a Câmara e a Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários, que mantém o Corpo de Bombeiros portimonense, assinado no passado dia 9 de Março, no montante de perto de 77 mil euros, «garante-se um reforço no dispositivo municipal com a inclusão de uma Equipa de Reconhecimento e Avaliação da Situação e uma Equipa de Combate a Incêndios Rurais, num total de sete bombeiros dedicados» e que estarão «disponíveis mesmo fora dos períodos habitualmente mais propícios à ocorrência de incêndios».

Esta medida, considera o Centro Municipal de Proteção Civil e Operações de Socorro de Portimão, justifica-se devido à «reincidência de incêndios nos espaços rurais fora dos períodos mais críticos e que habitualmente merecem o maior reforço de meios neste âmbito».

Até agora, esses fogos «eram debelados com recurso à Força de Mínima de Intervenção dos Bombeiros de Portimão, que tem de estar disponível para outros tipos de ocorrências, pelo que a movimentação desses meios para zonas mais remotas do concelho poderia comprometer a rapidez na resposta a situações que ocorram no perímetro urbano, que se afirma cada vez mais, ao longo de todo o ano, como um destino turístico internacional».

«Ninguém escolhe um sítio para passar férias que não seja efetivamente seguro, e esta iniciativa da autarquia vem reforçar essa posição fundamental permitindo uma maior cobertura dos riscos existentes», explica a Câmara de Portimão, em nota enviada às redações.

Os 77 mil euros do protocolo «destinam-se na sua totalidade para o pagamento aos bombeiros que integram este dispositivo especial», acrescenta a autarquia.

«Esta equipa será pré-posicionada, sempre que se justifique e em qualquer altura do ano, no Destacamento da Senhora do Verde, de forma a antecipar eventuais intervenções nas áreas mais vulneráveis a norte do concelho».

Comentários

pub
pub