CDU de Silves contente com obras de emergência na EN124, mas quer ver intervenção de fundo

A decisão de avançar com obras de urgência na EN124, entre Silves e Porto de Lagos, é «um passo positivo», […]

A decisão de avançar com obras de urgência na EN124, entre Silves e Porto de Lagos, é «um passo positivo», mas que «não resolve efectivamente o problema» existente nesta estrada, considerou a estrutura concelhia da CDU de Silves.

Os comunistas reagiram publicamente ao anúncio feito na segunda-feira pelo secretário de Estado das Infraestruturas Guilherme d’Oliveira Martins, numa reunião com os presidentes de Câmara do Algarve, em Faro. O governante veio garantir aos autarcas que vai ser investido um milhão em «obras de emergência» na EN124, na EN125 e na EN396, a começar já em Maio e a terminar «antes do Verão», bem como uma intervenção de fundo, a ter início em 2019, nestas estradas.

A CDU, coligação pela qual Rosa Palma foi eleita presidente da Câmara de Silves, olha para esta decisão do Governo como «frutos» das ações de protesto das populações, da «pressão e persistência da Junta de Freguesia e da Câmara Municipal de Silves» e das intervenções dos deputados comunistas na Assembleia da República, sobre o estado de degradação da EN124.

«A Marcha Lenta de 14 de Abril, realizada com enorme participação popular, mais de duas centenas de viaturas, a presença do Deputado Paulo Sá (PCP) e das autarquias locais de Silves, contribuiu, seguramente, para que os responsáveis reagissem», acredita a CDU.

Tendo em conta o «estado deplorável e calamitoso da estrada que se arrasta há largos anos, perigando a vida de quem lá transita, para além de representar um péssimo cartão de visita para a imagem de Silves e da região do Algarve», mesmo com o avanço de obras de emergência – para «tapar buracos», como ilustrou Rosa Palma à margem do encontro com Guilherme d’Oliveira Martins -, a CDU promete «manter pressão alta com vista à requalificação integral do troço da EN 124 (Silves – Porto de Lagos)».

Comentários

pub
pub