Silves, Odemira e Beja candidatam-se às “7 Maravilhas à Mesa”

“Mesas de Mar”, de dois restaurantes do concelho de Odemira, um ensopado de borrego à moda de Beja ou uma […]

Mesa da Costa Alentejana

“Mesas de Mar”, de dois restaurantes do concelho de Odemira, um ensopado de borrego à moda de Beja ou uma feijoada de buzinas, servida com vinhos de Silves. Odemira, Beja e Silves são candidatas ao concurso “7 Maravilhas à Mesa”. 

Começando pelo Algarve, “Silves: Da Serra ao mar” é o nome da mesa com a qual a autarquia silvense se candidata ao concurso.

«A mesa apresentada pretende materializar os produtos, tradições e cultura gastronómicas locais do concelho de Silves», explica Rosa Palma, presidente da Câmara Municipal.

«Temos elementos alusivos mais ao interior (Serra/Barrocal) e outros alusivos ao litoral (Mar), pois é nosso desejo que as três unidades geomorfológicas (Serra, Barrocal e litoral) apareçam “sentadas à mesa”», acrescenta a autarca.

«Além disso, Silves possui excelentes vinhos, produtos de uma qualidade que se pauta pela excelência e que são o acompanhamento perfeito de qualquer bom prato. Temos, pois, as condições ideais para que Silves possa ser uma das “7 Maravilhas à mesa”», conclui.

Mesa de Silves

A ênfase especial será dada ao javali enquanto elemento gastronómico mais apreciado na zona serrana do território, que é normalmente acompanhado por vinhos tintos produzidos no concelho, caracterizados pelos aromas a frutos bem maduros e sabor aveludado e quente.

O ensopado de javali, carne de sabor delicado e um pouco exótico, acompanhado por uma fresca e arrojada salada de rúcula, agrião, hortelã e laranja, será o rei desta mesa, «onde também estará presente uma feijoada de buzinas, que junta o apreciado molusco de delicado sabor marítimo ao feijão colhido e plantado no interior do concelho», diz a autarquia.

«Dá-se, desse modo, uma imagem do setor mais a Sul do concelho, onde é possível degustar iguarias marítimas, mas que congregam igualmente elementos do interior, permitindo proporcionar uma simbiose harmoniosa entre a frescura do litoral e a herança cultural patenteada no Castelo de Silves», acrescenta.

«Na transição entre a serra e o litoral, sobressai o Barrocal onde é possível sentir o aroma a citrinos ou não fosse Silves a “Capital da Laranja”, proporcionando uma transição suave juntamente com os “vinhos frescos” beneficiando dos solos argilo-calcários que proporcionam um néctar com maior acidez e taninos mais equilibrados».

Daí que, nesta mesa, também estará presente a Laranja de Silves. Para acompanhar estes pratos, foram selecionados três vinhos, que permitem apreciar todas as nuances das propostas apresentadas. O primeiro é o Barranco Longo Rosé 2015, onde predomina o aroma a frutos vermelhos tendo uma entrada cremosa na boca e terminado com grande frescura.

O segundo é um Paxá Sauvignon blanc 2014, que apresenta uma cor citrina, sendo robusto e suave, com algum corpo e grande capacidade de evolução.

Vista de tabua com Naco de carne Limousine, batata frita, milho assado e batata doce, vinho Tinto de Corte de Cima, pão e arroz com feijão

Por fim, surge o Quinta do Francês 2015. «Como as vinhas crescem numa variedade de solos como argila, calcário, grés e mesmo umas zonas com xisto», produzem «uvas de alta qualidade», explica a autarquia.

«Queremos que Silves possa estar presente com os seus produtos que, sobretudo, são a marca das suas gentes e da sua capacidade de trabalho e de criação: o que comemos, a nossa gastronomia é mostra da nossa sensibilidade, do nosso olhar atento à natureza que nos rodeia, é sinónimo da nossa franqueza e capacidade de acolhimento e, sobretudo, da nossa capacidade de gostar de tudo o que é verdadeiramente bom», reforça Rosa Palma.

Quanto a Odemira, os restaurantes “Costa Alentejana”, na Zambujeira do Mar, e “Tasca do Celso”, em Vila Nova de Milfontes, também são se candidatam.

 

Numa parceria entre os dois restaurantes e Município, pretende-se inscrever o nome de Odemira nas 7 Maravilhas à Mesa, a exemplo das participações anteriores nas 7 Maravilhas de Portugal (Maravilhas Naturais de Portugal, As Melhores Praias de Portugal e Aldeias de Portugal), que têm «possibilitado a promoção do território odemirense num contexto nacional e internacional», diz a Câmara Municipal.

Perante o interesse manifestado pelos restaurantes Tasca do Celso (Vila Nova de Milfontes) e Costa Alentejana (Zambujeira do Mar), referências da restauração local, o Município de Odemira inscreveu duas “Mesas de Mar” no concurso, em três categorias, com as Mesas “Barco à Mesa na Zambujeira do Mar” e “Mil Sabores no Celso”.

Na categoria “Gastronomia” foram apresentados os petiscos com sabor a mar, pão do concelho de Odemira, pratos de peixe e marisco, bem como a carne limousine. Na categoria “Vinhos e Azeites” as propostas passam por vinhos brancos, rosés e tintos com ligação ao concelho e o medronho Sudoeste. Por fim, na categoria “Roteiros”, foi indicada a Rota Vicentina com o seu Trilho dos Pescadores.

Os dois restaurantes do concelho de Odemira integram um vasto conjunto de mesas do todo o país que estão a ser avaliados por um painel de especialistas e pelo Concelho Científico da organização, no sentido de se destacarem 49 mesas que passarão a pré-finalistas. Essa lista de pré-finalistas e será conhecida próximo dia 7 de Abril.

Já Beja apresenta a “Mesa Planície”.

«Há poucos lugares como a planície de Beja, feitos de tanta lonjura e calmaria. Num passeio “por esses campos fora”, como canta a moda, é possível encontrar rebanhos de ovelhas com os seus pequenos borregos alimentando-se daquilo que a natureza lhes dá, fazendo com que a carne e o seu leite sejam de excelência», diz a Câmara Municipal.

O paladar do queijo de ovelha, certificado como queijo Serpa DOP (Denominação de Origem Protegida), o de maior fama nestas planícies, faz as honras da entrada da mesa.

Nas hortas e quintas nascem selvagens as beldroegas que proporcionam iguarias requintadas como é o caso da sopa de beldroegas que aqui apresentamos como primeiro prato, acompanhada do vinho Versátil Rosé. Esta mesa culmina num ensopado de borrego à moda de Beja, que bem saboreado permite elevar o espírito na calma da planície, o Santa Vitória Reserva Tinto 2015 enaltece-lhe o sabor.

«Este é o mote perfeito para se deixar levar pelos céus de Beja num voo de balão de ar quente. Os sabores da mesa da planície e o horizonte de luz que a vista oferece serão a soma perfeita para relaxar e meditar», conclui.

Albufeira, Lagoa, Culatra (Faro) e Tavira também já apresentaram candidaturas a este concurso.

O programa “7 Maravilhas à Mesa” conta com o alto patrocínio do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural; Secretaria de Estado do Turismo e Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e é desenvolvido em parceria com a Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV) e a Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP).

Organizada pela EIPWU, entidade detentora dos direitos exclusivos da marca das 7 Maravilhas, o evento terá a sua final no dia 16 de Setembro, onde as 7 Maravilhas à mesa serão escolhidas por votação direta da população portuguesa.

Esta iniciativa pretende promover as regiões, a autenticidade e a gastronomia portuguesa motivos que contribuem para a afirmação de Portugal enquanto destino turístico de referência.

 

Comentários

pub
pub