Évora é única cidade do Alentejo no Top25 das melhores cidades, Mértola e Ourique sobem

Évora é única cidade do Alentejo no Top25 das melhores cidades para investir, visitar e viver, no Bloom Consulting Portugal […]

Évora é única cidade do Alentejo no Top25 das melhores cidades para investir, visitar e viver, no Bloom Consulting Portugal City Brand Ranking©. No ranking regional, Mértola e Ourique sobem e Odemira mantém a sua posição.

Este ranking avalia e classifica as cidades portuguesas de acordo com a sua performance nas vertentes de Investimento (Negócios), Turismo (Visitar) e Talento (Viver). A classificação analisa a eficácia dos 308 municípios portugueses e é comandada, sem surpresas, pela cidade de Lisboa.

No que diz respeito ao Alentejo, a única cidade a figurar no Top25 nacional é Évora, no 20º lugar. A cidade Património Mundial está ainda presente no ranking do Indicador «Visitar», na 10ª posição, bem como no «Viver», onde é a 25ª. Não há qualquer município alentejano na lista da categoria «Negócios».

Por seu lado, o Ranking Regional do Alentejo apresenta um Top 5 que se mantém firme desde a edição de 2016, com Évora, Beja, Santarém, Sines e Portalegre a assumir os lugares cimeiros da tabela. Entre os 5 municípios com melhor desempenho, regista-se apenas a subida de uma posição no ranking de Negócios por parte de Portalegre, forçando uma descida do município de Sines, que não repercutiu qualquer alteração no ranking regional.

É preciso ir até ao 9º lugar para encontrar as primeiras alterações de posição em relação à edição anterior, com uma troca direta entre Estremoz e Santiago do Cacém, que apresentam pontuações muito semelhantes.

Esse é também o caso de Campo Maior (que subiu 2 posições) e Montemor-o-Novo (que desceu 1 posição), que estão agora separados apenas por 1 posição nos rankings regional e nacional.

Numa região que este ano apresentou alguns altos e baixos significativos, destacam-se Ponte de Sôr, Crato, Golegã, Borba, Monforte e Mourão (que passou de último lugar na região para 50º). O último lugar entre os 58 municípios alentejanos é agora pertença de Barrancos (58º a nível regional e 305º a nível nacional).

Uma nota de destaque também para Reguengos de Monsaraz, que subiu 3 posições no ranking regional e que consegue pela primeira vez chegar ao Top 10 regional da Dimensão Visitar.

Há que ressalvar que entre o 14º e 17º lugar, as diferenças nesta edição do ranking são muito reduzidas, sendo que apenas algumas décimas na pontuação que separam estes municípios.

Analisando com mais detalhe o ranking regional, contata-se que Évora comanda, seguida de Beja (que ocupa a 41ª posição nacional).

Ourique

No que diz respeito aos concelhos da fronteira entre Baixo Alentejo e Algarve, Odemira está em 7º lugar regional (92º nacional), mantendo a sua posição em relação ao ano passado. Mértola subiu um lugar para o 24o em termos regionais (172º nacional), assim como Ourique, que é o 48º município no ranking do Alentejo subiu três posições (264º nacional).

Em sentido inverso, Castro Verde, 36º município do Alentejo e 203º a nível nacional, desceu quatro lugares, enquanto Almodôvar (39º regional, 219º nacional) desceu um.

O ranking baseia-se em estatísticas oficiais e em pesquisas online, e analisa variáveis como o número de novas empresas, as taxas de ocupação hoteleira, desemprego, criminalidade e poder de compra, em cada um dos municípios em comparação com a média nacional.

 

Como se faz este ranking?

A Bloom Consulting baseia este seu estudo anual, Portugal City Brand Ranking© num algoritmo proprietário.
Em cada edição, são consideradas diversas fontes de informação, relacionadas com as três dimensões (Negócios, Visitar e Viver) para a formação deste algoritmo.

Os resultados finais deste ranking não só medem as perceções sobre um município, mas também classificam o desempenho da sua marca de uma forma tangível e realista.

Este algoritmo é composto por três variáveis base, utilizadas para analisar o sucesso da marca dos 308 municípios portugueses, bem como o seu desempenho relativo entre eles.

A metodologia utilizada avalia a variável económica turística e social, representada por dados estatísticos, a variável da procura através das pesquisas online captadas pela ferramenta Digital Demand – D2© e a variável da performance on-line, através da análise dos sites e das redes sociais oficiais de cada município.

Desta forma concreta e rigorosa, é possível avaliar o desempenho e a eficácia dos diversos municípios na captação de investidores, turistas e novos residentes.

Comentários

pub
pub