Volta ao Algarve vem ajudar na promoção da região como «destino de bicicletas»

A 44ª Volta ao Algarve, que se realiza de 14 a 18 de Fevereiro de 2018, já é uma prova […]

A 44ª Volta ao Algarve, que se realiza de 14 a 18 de Fevereiro de 2018, já é uma prova «de grande prestígio internacional» e vem ajudar à promoção da região como «destino de bicicletas». 

Esta é a opinião de Desidério Silva, presidente da Região de Turismo do Algarve, que considerou que este território até já é esse destino. Só que «a Volta vem ajudar porque é um projeto âncora, que contribui para a imagem e valorização do território», disse.

A nova edição da Algarvia, que foi apresentada esta terça-feira, 5 de Dezembro, no edifício da Região de Turismo do Algarve (RTA), em Faro, vai voltar a ter transmissão televisiva, assegurada pela Eurosport e TVI24. A perspetiva é que as emoções da prova cheguem a «mais de 50 países».

Desidério Silva

Para Desidério Silva, este facto faz com que, além de se promover o território, se criem «condições para os amadores perceberem que o Algarve tem percursos e paisagens» para a prática do ciclismo. «Faz toda a diferença ter uma Volta para consumo interno ou uma Volta com projeção internacional», reforçou.

A Algarvia terá cinco etapas, num total de 773,5 quilómetros, com duas etapas para sprinters (chegadas a Tavira e Lagos), duas chegadas em alto (Malhão e Fóia) e um contrarrelógio individual (Lagoa).

A primeira, no dia 14, vai partir de Albufeira, rumo a Lagos, num total de 192,6 quilómetros, sendo de esperar que a jornada termine com uma disputa ao sprint.

Já a segunda etapa, no dia 15, vai ligar Sagres ao Alto da Fóia, em Monchique, ao longo de 187,9 quilómetros, com a meta a coincidir com um prémio de montanha de primeira categoria. O ponto mais alto do Algarve será alcançado pela subida mais longa da Fóia, 15,2 quilómetros de escalada com 5% de inclinação média.

A fase mais exigente será a cerca de sete quilómetros do fim, com cerca de um quilómetro em que as inclinações rondam os 10%.

Lagoa será o epicentro da ação na terceira etapa, no dia 16, albergando a partida e a chegada do contrarrelógio individual de 20,3 quilómetros. O traçado é mais longo e exigente do que nos últimos anos.

A etapa mais longa é a quarta, marcada para 17 de Fevereiro. O pelotão vai partir de Almodôvar para chegar a Tavira, depois de percorridos 199,2 quilómetros.

Por fim, a quinta etapa, no domingo, 18 de Fevereiro, marca o regresso de Faro ao itinerário da competição. É da capital de distrito que vai partir a caravana para percorrer 173,5 quilómetros até ao alto do Malhão, concelho de Loulé, onde a meta coincide com um prémio de montanha de segunda categoria.

Como tem sido hábito, haverá uma primeira passagem pelo Malhão, oferecendo aos adeptos mais entusiastas a oportunidade de ver os corredores não só no fecho da prova, mas também a 40 quilómetros do final da Volta.

Delmino Pereira

Quanto às equipas, já estão confirmadas 20, num total de 25. Destas 20 já certas, o destaque vai para nove do WorldTour, a primeira divisão mundial do ciclismo.

Ainda vão ser escolhidas cinco equipas, das 17 com as quais a organização tem mantido contactos. Uma delas é a Sky, equipa de Chris Froome, que já ganhou quatro vezes a Volta a França. A Algarvia também vai contar com presença de equipas algarvias: o Aviludo-Louletano e o Sporting-Tavira.

Delmino Pereira, presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, esteve na apresentação da prova e disse que «estamos a melhorar a qualidade da Volta ao Algarve». A prova, acrescentou, «encaixa naquilo que são os interesses do Algarve», combatendo a sazonalidade por ser na época baixa.

Quanto a Carlos Luís, presidente da Associação Turismo do Algarve (ATA), revelou que a ATA «está de bom grado nesta parceria», que envolve a Federação Portuguesa de Ciclismo, a Região de Turismo do Algarve e a AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve.

Jorge Botelho, enquanto presidente da AMAL, fez, por sua vez, referência ao facto de o Algarve «ter de dar todo o ano», enquanto região turística.

Para tal, o ciclismo e o turismo de bicicletas podem ser «uma grande componente» para ajudar a esse objetivo. É que a região tem «paisagens, alojamento, clima e estradas» para que esse desígnio seja alcançado.

 

Fotos: Pedro Lemos | Sul Informação

 

 

Etapas:

14 de Fevereiro: 1.ª Etapa: Albufeira – Lagos, 192,6 km
15 de Fevereiro: 2.ª Etapa: Sagres – Fóia (Monchique), 187,9 km
16 de Fevereiro: 3.ª Etapa: Lagoa – Lagoa, 20,3 km (CRI)
17 de Fevereiro: 4.ª Etapa: Almodôvar – Tavira, 199,2 km
18 de Fevereiro: 5.ª Etapa: Faro – Malhão (Loulé), 173,5 km

Equipas confirmadas:

WorldTour: BMC Racing Team (EUA), Bora-hansgrohe (Alemanha), Lotto Soudal (Bélgica), Quick-Step Floors (Bélgica), Team Dimension Data (África do Sul), Team Katusha Alpecin (Suíça), Team Lotto NL-Jumbo (Holanda), Team Sunweb (Alemanha) e UAE Team Emirates (Emirados Árabes Unidos).

Continental Profissional: Cofidis, Solutions Crédits (França) e Wanty-Groupe Gobert (Bélgica).    

Continental: Aviludo-Louletano-ULI, Efapel, LA Alumínios, Liberty Seguros-Carglass, Miranda-Mortágua, Rádio Popular-Boavista, Sporting-Tavira, Vito-Feirense-BlackJack e W52-FC Porto (Portugal).

Últimos Vencedores da Volta ao Algarve:

2017 – Primoz Roglic (Team Lotto NL-Jumbo)
2016 – Geraint Thomas (Sky)
2015 – Geraint Thomas (Sky)
2014 – Michal Kwiatkowski (Omega Pharma-QuickStep)
2013 – Tony Martin (Omega Pharma-QuickStep)
2012 – Richie Porte (Sky)
2011 – Tony Martin (HTC-Highroad)
2010 – Alberto Contador (Astana)
2009 – Alberto Contador (Astana)
2008 – Stijn Devolder (QuickStep)

Comentários

pub
pub