Cineteatro São Brás comemora 65 anos «ao serviço da cultura»

O Cineteatro São Brás completa esta quinta-feira, 21 de Dezembro, 65 anos «ao serviço da cultura e da população são-brasense». […]

O Cineteatro São Brás completa esta quinta-feira, 21 de Dezembro, 65 anos «ao serviço da cultura e da população são-brasense».

Inaugurado em 1952, «este equipamento cultural tem assistido ao desenvolvimento cultural do concelho década após década», diz a Câmara de São Brás de Alportel.

Aquele cineteatro «foi construído por um conjunto de amigos enamorados pela sétima arte, constituídos na empresa “Unidos”, numa época em que a sociedade são-brasense se dividia pelos salões. Ora pelo mais seleto 1º Dezembro, ora pelo mais popular 1º de Janeiro, e pelas festas privadas das famílias mais abastadas ou pelos arraiais populares que se organizavam aqui e ali».

Já o Cineteatro, pelo contrário, constituía, «o templo dos sonho: um espaço de comunhão».

«Um espaço onde ricos e pobres, industriais e operários, doutores e analfabetos, velhos e novos, homens e mulheres, se encontravam e comungavam do mesmo fascínio pelas imagens animadas que davam vida àquela tela branca», acrescenta.

«Aquele era um espaço onde, na sua semipenumbra, todos podiam esquecer, por breves instantes, a realidade do dia a dia e as diferenças que os separavam e sonhar».

«Sonhar com vidas faustosas, aventuras épicas, viagens alucinantes, mundos desconhecidos, tesouros inimagináveis. Sonhar com Elizabeth Taylor ou com Paul Newman, com Gina Lolobrigida ou com Marlon Brando, com Marilyn Monroe ou com Alain Delon, partilhando as suas alegrias e tristezas, os seus amores e desamores, as suas aventuras e desventuras».

«Um espaço onde todos podiam imaginar-se a enfrentar os seus maiores medos ou o mais terrível dos monstros, a derrotar o mais pérfido dos seus inimigos, a conquistar o coração da mais bela das donzelas ou do mais galantes dos cavalheiros, a descobrir o mais rico dos tesouros, a superar a mais difícil e arriscada das missões ou, simplesmente rir. Rir até mais não com as trapalhadas de um Cantinflas, de um Totó, de um Louis de Founès, de um Jerry Lewis».

Vitor Ribeiro, arquiteto e investigador, está a desenvolver um trabalho sobre a história do Cineteatro São Brás.

«E porque se trata de um património cuja história também importa conhecer melhor, o Município de São Brás lança um desafio a todos os são-brasenses para que partilhem com a autarquia histórias, memórias, imagens ou documentos (bilhetes, cartazes, programas, fotografias) que ajudem a documentar os 65 anos do Cineteatro São Brás».

Para partilhar memórias, imagens vídeos, dados e outros elementos de interesse contacte a Câmara Municipal, pelo telefone 289 840 000 ou através do email: municipe@cm-sbras.pt.

Comentários

pub