Meia Maratona de Tavira com percurso «ímpar» convida a «dia de festa e atividade física»

A III edição da Meia Maratona Tavira CPSE – Liberty Seguros, marcada para o próximo domingo, dia 19 de Novembro, […]

Crédito: Depositphotos

A III edição da Meia Maratona Tavira CPSE – Liberty Seguros, marcada para o próximo domingo, dia 19 de Novembro, às 10h00, vai passar pelo litoral, barrocal e serra, o que torna esta prova «ímpar».

Além da meia maratona, com uma distância de 21 quilómetros, haverá ainda uma mini maratona com 12,5 quilómetros e uma marcha familiar solidária de 7,5 quilómetros.

José Barradas, presidente da direção da Casa do Povo de Santo Estêvão, que organiza a prova, adiantou ao Sul Informação que a edição deste ano tem novidades no percurso: «há melhoramentos, quer para atletas, quer para a comunidade. É uma prova de rua, citadina, e se pudermos evitar transtornos para os residentes melhor. Esta manhã não é igual às outras, há sempre transtornos, com ruas fechadas, e há um conjunto de ruas que optámos por encerrar, para minimizar o transtorno».

Repetindo a receita do ano passado, «o percurso passa por três zonas naturais do concelho: o litoral, o barrocal e a serra e isso torna-o ímpar».

Se, no ano passado, a chuva marcou presença na prova, este ano, as perspetivas são de um dia «soalheiro», que convida a uma manhã de desporto que terá também «animação na Praça da República, onde as famílias podem desfrutar de insufláveis, por exemplo. Temos também um DJ para animar os presentes, bem como os nossos speakers».

Quem estiver no centro de Tavira pode ainda acompanhar a corrida, uma vez que esta «parte e chega ao centro da cidade e tem duas passagens pela zona de meta».

Além da vertente competitiva, com a meia e a mini maratona, José Barradas destaca também a caminhada «que tem sempre a componente solidária e onde as pessoas podem participar gratuitamente. Contudo, se os participantes quiserem ter um gesto solidário, com um donativo de 2 euros, recebem uma t-shirt da iniciativa, oferecida pela Liberty. Este dinheiro será canalizado para o Centro de Acolhimento Temporário A Gaivota, da Delegação de Tavira da Cruz Vermelha Portuguesa».

José Barradas espera que, este ano, «haja mais pessoas na caminhada, tendo em conta as condições climatéricas. Estamos em crer que teremos um número recorde de inscritos a contribuir e a participar».

Esta é a terceira edição do evento e José Barradas admite que «há ainda um longo caminho a percorrer. Não nos queremos comparar com outras geografias, como Lisboa, ou Porto, capitais de distrito com milhões de habitantes. Temos uma prova à escala da região, onde os principais atletas da região estão inscritos».

Ana Dias, Ana Cabecinha, Patrícia Serafim, ou Jorge Varela são nomes confirmados, sendo que haverá ainda «participantes romenos, espanhóis, atletas do Sporting e do Benfica. A nível competitivo será uma boa prova».

Ao longo deste fim de semana, de época baixa, a Meia Maratona de Tavira vai ainda dar uma ajuda à economia local porque «muitos dos participantes vêm na véspera e ficam alojados na cidade. Há encaixe financeiro na restauração, na hotelaria e, se continuarmos assim, certamente, que este contributo, no futuro, será ainda maior». Até porque «queremos que a prova marque, nesta altura do ano, o panorama desportivo no Algarve».

Para José Barradas, «estão reunidas todas as condições para um dia de festa, de partilha e de atividade física, onde podemos ainda ter um gesto solidário», conclui.

 

A Meia Maratona é organizada pela Casa do Povo de Santo Estêvão, e tem o patrocínio da Liberty Seguros e os apoios do Município de Tavira e da Freguesia de Tavira.

 

Comentários

pub
pub