Conselho de Inovação Regional do Algarve também irá trabalhar setores da saúde e do agroalimentar

A saúde e o setor agroalimentar vão passar a merecer uma atenção especial da parte do Conselho de Inovação Regional […]

A saúde e o setor agroalimentar vão passar a merecer uma atenção especial da parte do Conselho de Inovação Regional do Algarve (CIRA), estrutura que acompanha o andamento da Estratégia de Especialização Inteligente da Região do Algarve (RIS3 Algarve). Estes dois setores juntam-se aos do Turismo, do Mar, da Energia e da RIA (Região Inteligente Algarve), para os quais já haviam sido criados grupos de trabalho, no seio desta entidade.

O órgão consultivo da RIS3 Algarve, presidido pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, reuniu-se pela segunda vez no dia 20 de Novembro, encontro onde foi feito «um ponto de situação sobre a atividade do CRESC Algarve 2020 e apresentados resultados da atividade desenvolvida pelos grupos de trabalho». Este balanço foi feito por representantes da Região de Turismo do Algarve (RTA), da Maralgarve, da Enercoutim e da Altice/PT.

Outro objetivo da reunião era a criação de novos grupos de trabalho, além dos já existentes, tendo sido escolhidas as áreas da saúde e do agroalimentar.

«O desenvolvimento de projetos relacionados com o conhecimento em turismo, as novas formas de produção de energia e a criação de redes inteligentes para a gestão energética, a inovação e crescimento da economia do mar, o desenvolvimento de uma plataforma de dados abertos de âmbito regional (Região Inteligente Algarve) deverão estimular a exploração de novas oportunidades de desenvolvimento regional nos próximos anos», ilustrou Francisco Serra, presidente da CCDR Algarve.

O responsável máximo pela entidade que preside ao CIRA acrescentou que, «enquanto desafios macro, estas iniciativas favorecem a digitalização e a integração futura de projetos setoriais como as Cidades Inteligentes, o Destino Turístico Inteligente e a Mobilidade Inteligente, entre outros, criando uma dinâmica de desenvolvimento mais direcionada para a sociedade do conhecimento».

A CCDR Algarve lembrou, ainda, que  a RIS3 Algarve «é um processo dinâmico que envolve a participação de parceiros regionais, empresas, produtores de tecnologia, entidades do sistema científico e tecnológico, universidade, associações empresariais, entidades nacionais de planeamento e de gestão de políticas de I&I e entidades intermunicipais».

Comentários

pub
pub