Albufeira vai passar a ter desfibrilhadores em zonas chave do concelho

A Câmara de Albufeira vai instalar 13 desfibrilhadores automáticos «na via pública, junto a edifícios municipais e em zonas chave […]

A Câmara de Albufeira vai instalar 13 desfibrilhadores automáticos «na via pública, junto a edifícios municipais e em zonas chave do concelho, para que todos os agentes de proteção e socorro possam atuar imediatamente em caso de paragem cardiorrespiratória», anunciou a autarquia.

O Programa de Desfibrilhação Automática Externa de Albufeira vai entrar em funcionamento em Outubro e, além da colocação dos desfibrilhadores automáticos, também inclui «formação em Suporte Básico de Vida (SBV) e Desfibrilhação Automática Externa (DAE) de 170 pessoas, entre civis, funcionários municipais e elementos da GNR e dos Bombeiros Voluntários».

Os equipamentos DAE serão instalados na via pública, em cabines especialmente preparadas para o efeito e sinalizadas, junto a edifícios âncora como são algumas das infraestruturas municipais, juntas de freguesia e outros locais de maior afluência de pessoas: Paços do Concelho, Pavilhão Desportivo Municipal, Piscinas Municipais, Av. Sá Carneiro (Oura), Av. Da Liberdade (Farmácia Alves de Sousa), Posto GNR na Av. 25 de Abril (Baixa de Albufeira), Miradouro do Pau da Bandeira, Freguesia de Ferreiras (rotunda), Freguesia da Guia (junto à Capela), freguesia de Olhos de Água (Rua Torre da Medronheira), Freguesia de Paderne (Posto de Saúde), Bombeiros de Albufeira (DAE móvel para utilização de eventos), Polícia Municipal (DAE móvel).

«A morte súbita cardíaca representa nos países desenvolvidos, incluindo Portugal, a principal causa de mortalidade. Em Portugal estima-se que existam todos os anos 10 mil casos de morte súbita cardíaca, o que corresponde a uma média de 27 casos por dia. Nestas situações temos que ser muito rápidos a atuar porque a cada minuto que passa, a probabilidade da vítima sobreviver diminui cerca de 2%, o que significa que ao fim de 10 minutos pode chegar a melhor equipa médica do mundo, que já não vai poder fazer nada pela vítima», explicou Marco Castro, diretor da empresa Ocean Medical, responsável pela instalação dos DAE.

O presidente da Câmara da Albufeira Carlos Silva e Sousa garantiu estar «atento a esta realidade», daí a decisão de avançar para este programa.

«Espero que estes equipamentos cumpram o seu propósito que é salvar vidas. Vamos trabalhar em rede com as diversas entidades policiais, proteção civil, autoridade marítima e bombeiros, desenvolvendo um programa de formação para todos os interessados. Um minuto pode salvar uma vida», desejou o autarca.

«Congratulo-me por haver uma Câmara a lançar este projeto, que vai ter capacidade de reanimação e desfibrilhação precoce e, assim, conseguir salvar vidas num concelho que tem uma população flutuante que, em determinados momentos do ano, ultrapassa largamente o número de residentes”» salientou o cardiologista Jorge Mimoso, membro da direção da Sociedade Portuguesa de Cardiologia, acrescentando que «a autarquia está a prestar um serviço não só a Albufeira, mas também ao país e a todos os que nos visitam».

Comentários

pub
pub