“Guerra” de debates anima corrida autárquica em Loulé

Primeiro, foi José Graça, candidato da coligação PSD/CDS/MPT, a desafiar Vítor Aleixo, atual presidente da Câmara de Loulé (PS) e […]

Primeiro, foi José Graça, candidato da coligação PSD/CDS/MPT, a desafiar Vítor Aleixo, atual presidente da Câmara de Loulé (PS) e recandidato, para um «debate público sobre a dívida da autarquia». Agora, é Vítor Aleixo a propor um debate «de ideias e projetos» mas com todos os candidatos, incluindo CDU e Bloco de Esquerda.

De acordo com Vítor Aleixo, os «debates realizam-se com todos e sobre todas as matérias que importam às pessoas, salvaguardando políticas públicas que solucionem as suas necessidades e problemas». 

Segundo José Graça «quem não deve, não teme». É que o candidato do PSD acusa Vítor Aleixo de estar a tentar «justificar a sua incapacidade de gestão à frente dos destinos da Câmara de Loulé, alegando a existência de uma dívida municipal herdada de executivos anteriores».

«Quando Vítor Aleixo chegou à Câmara Municipal de Loulé, em Outubro de 2013, não existia uma fatura por pagar, nem 1 euro em dívida vencida. Ao contrário, a verdade é que quando Vítor Aleixo saiu da Câmara Municipal de Loulé em Janeiro de 2002, deixou faturas vencidas e dívidas por pagar num valor superior a 17 milhões de euros», acusa José Graça.

Para o candidato do PSD, o seu oponente eleitoral confunde «contratação de empréstimos de medio e longo prazo, necessários ao desenvolvimento do concelho, com dívida de curto prazo, esquecendo de que o próprio terá sido responsável pela contratação de mais de 14 milhões de euros de empréstimos de médio e longo prazo num só ano, mais exatamente em 2001».

Vítor Aleixo não responde a estas acusações, dizendo, apenas, ser «de crucial importância democrática, e de fomento de uma cultura participativa, a realização de debate de ideias e projetos para o concelho de Loulé em qualquer altura e independentemente das suas circunstâncias».

Comentários

pub
pub