Salvador e os seus Alma Nuestra muito aplaudidos no Lagoa Jazz Fest, que continua hoje e amanhã

Na pele da sua «personalidade latina», Salvador Sobral e os seus três cúmplices dos «Alma Nuestra» (Victor Zamora, no piano, […]

Na pele da sua «personalidade latina», Salvador Sobral e os seus três cúmplices dos «Alma Nuestra» (Victor Zamora, no piano, André Rosinha, no contrabaixo, e André Sousa Machado, na bateria) deram ontem à noite um fantástico concerto na abertura do Lagoa Jazz Festival, a decorrer de 23 a 25 de Junho, no anfiteatro ao ar livre do Sítio das Fontes de Estômbar.

Antes, já o duo constituído pelos italianos Pasquale Stafano, no piano, e Gianni Iorio, no bandoneon, tinha aquecido o público, que premiou a sua atuação com muitos aplausos. Perante a receção calorosa dos cerca de 400 espectadores que esgotaram por completo o recinto na primeira noite do Lagoa Jazz, no fim os músicos transalpinos fizeram questão de tirar uma selfie com o público.

Mas seria a atuação dos «Alma Nuestra» a fazer as delícias da assistência. Aliás, grande parte das pessoas que enchiam por completo o anfiteatro das Fontes estava ali para ouvir Salvador Sobral.

E ele surgiu investido da sua personagem latina, só falou espanhol – para irritação de algumas, poucas, pessoas – e cantou, em arranjos jazzísticos, músicas latinas bem conhecidas, em especial de Cuba e da Argentina. Mostrando ser senhor de uma voz portentosa, capaz de todos os registos, Salvador brincou com o público e até com quem, de forma um pouco mal educada, queria que ele falasse português…ou, quem sabe, que cantasse a canção vencedora do Eurofestival…que ele não cantou, claro.

Mas Salvador manteve sempre a sua personagem, entre o cantor latino e de jazz, averbando uma atuação multifacetada e muito aplaudida, muito bem acompanhado pelos restantes membros dos «Alma Nuestra», Victor Zamora, André Rosinha e André Sousa Machado.

No fim do espetáculo, já depois da meia noite e meia, houve ainda mais música no espaço lounge junto à caldeira do moinho das Fontes. Antes, quem foi mais cedo pôde beber e comer nos vários locais de street food.

O Lagoa Jazz Fest continua hoje e amanhã. Para este sábado, dia 24, está reservado um concerto de “Marius Preda 4teto”, com início às 22h00. Segundo a organização, Marius «desenvolveu uma nova forma de tocar o cimbalom» e o resultado foi tornar-se o primeiro instrumentista de cimbalom da história do jazz.

No último dia, 25 de Junho, vão atuar, a começar às 22h00, “Kolme” e “Alberto López 5teto”. «Kolme é uma nova perspetiva do trio de piano no jazz, com influências recebidas de várias áreas musicais devido ao percurso multi-facetado dos três músicos», diz a organização do Festival de Lagoa de Jazz.

Quanto a “Alberto López 5teto”, como guitarrista solista, «teve a oportunidade de participar em grandes eventos flamencos, tais como “La Bienal de Sevilla” e “La Noche Blanca del Flamenco”, ao lado de prestigiados nomes, “El Pele”, “Estrella Morente”, “Arcángel”, “Tomatito” e “Israel Galván”».

Além da música também há, durante o festival, uma exposição de pintura temática, sendo jazz o tema, da autoria de – Francisco Fernandes.

 

Fotos: Elisabete Rodrigues|Sul Informação

Comentários

pub
pub