Pão, queijo e vinho do Alentejo revelam-se em Madrid a chefs e líderes da gastronomia

Pela mão do Festival Terras sem Sombra, o pão, o queijo e o vinho alentejanos vão ser os protagonistas, a […]

Pela mão do Festival Terras sem Sombra, o pão, o queijo e o vinho alentejanos vão ser os protagonistas, a 22 de Junho, na Escuela de Artes, em Madrid, num dia consagrado ao Alentejo de um dos principais encontros de chefs, críticos e líderes da opinião gastronómica de Espanha.

A iniciativa faz parte do curso «Entre a Tradição e a Vanguarda: Uma Viagem pelo Mundo dos Sabores», que dá cartas às novas correntes na culinária e às práticas criativas a elas associadas, «um fenómeno muito em voga e que pode trazer um contributo decisivo para o turismo sustentável, alicerçado na cultura e na natureza», salienta a organização do Terras sem Sombra.

Junho, em Madrid, é o mês em que se definem as tendências da arte e da moda para a próxima temporada. Sucede algo parecido com a gastronomia. Um dos epicentros da vanguarda é a Escuela de Artes, influente projeto artístico e cultural da Universidad Carlos III e do Circulo de Bellas Artes que tem lugar, há uma década, no centro da capital espanhola.

Em ambiente informal, combinando aulas teóricas e ateliês práticos, diante do fogão, as suas atividades constituem um barómetro do gosto mais atual e das suas expressões no país vizinho. Um campo em que a alimentação ganha enorme destaque, servindo de suporte a rotas patrimoniais cada vez mais frequentadas por turistas de todo o mundo.

 

A apresentação do pão, queijo e vinho, ativos do paladar alentejano, aptos a conquistarem outros mercados, será feita por quem conhece os seus segredos. O antropólogo Carlos Pedro revelará a tradição artesanal do fabrico do pão em Castro Verde e os desafios de uma industrialização que procura respeitar a essência da manufactura.

O empresário José Guilherme, da Queijaria Guilherme, levará a Madrid, terra com pergaminhos na degustação de queijo, o testemunho dos queijos de Serpa, cada vez mais procurados pela restauração espanhola.

Os enólogos Luís Leão, da Adega Cooperativa da Vidigueira, e Luís Mota Capitão, da Herdade do Cebolal, em Santiago do Cacém, destacarão as particularidades dos vinhos do Alentejo e da região de Setúbal, mostrando as complementaridades de duas áreas vinícolas cujos terroirs convergem em solo alentejano.

“Fruto de um diálogo iniciado em 2016, a parceria com a Escuela de Artes reflete bem as preocupações do Terras sem Sombra em torno da afirmação do Alentejo como um destino internacional de arte e natureza”, assinala José António Falcão, director-geral do Terras sem Sombra.

“O património gastronómico é um marco da nossa identidade e ajusta-se à perfeição ao objetivo de proporcionar, com o festival, uma experiência única do território que defendemos e damos a conhecer. Quem não recorda o legado de Rossini?”, realça esse historiador da arte, “pai” da iniciativa de património, música e biodiversidade que tornou o Alentejo mais conhecido fora de portas.

O crítico musical e professor universitário Juan Ángel Vela del Campo, responsável artístico pelo Terras sem Sombra, é um entusiasta desta ideia.

Membro da Real Academia Espanhola de Gastronomia, o mais alto santuário da culinária no país vizinho, que reúne figuras tão conhecidas como Carlos Falcó, marquês de Grinón, ou Victor de la Serna, tem sido um embaixador ativíssimo na promoção do que de melhor se come e bebe no Alentejo: “Espanha está finalmente a ultrapassar o desconhecimento que teve de Portugal, ao longo de gerações, e isto traduz-se numa abertura à cultura lusa que merece reflexão; mas torna-se indispensável captar as novas gerações, cujo interesse pela cozinha tradicional é palpável”.

 

Internacionalizar o Alentejo como destino de arte e natureza

O Alentejo revela alguns dos mais altos índices de preservação da Europa. Unindo a herança arquitetónica e histórica à música sacra e à conservação da biodiversidade, o Festival Terras sem Sombra tem vindo a terçar armas para a afirmação da região como um destino qualificado.

“Este território evidencia um notável potencial para se afirmar nas principais rotas culturais europeias, mas isto não acontece por geração espontânea, é preciso dar provas, ao longo do tempo, de que existe um projeto de fundo”, salienta José António Falcão.

E acrescenta: “o futuro de zonas de baixa densidade, como a nossa, depende em larga medida da internacionalização; se mantivermos degradado e fechado o património, religioso ou qualquer outro, estamos a condená-lo à extinção. Partilhar, aqui está a chave”.

Surgido em 2003 com o objetivo de abrir, a um público alargado, dezenas de igrejas restauradas, ao longo de décadas, pelo Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja (extinto em Abril passado pelo atual bispo), o Terras sem Sombra estendeu-se a outros monumentos e outros patrimónios, sem perder a sua identidade própria, ligada à música sacra.

 

Hoje, mais do que um festival – a palavra banalizou-se em Portugal nos últimos anos, tal a multiplicação de eventos mais ou menos “festivaleiros” –, apresenta em cada ano uma temporada musical, de Janeiro a Julho, regressando depois, em cada Outono, para apresentar a programação do ano seguinte.

A colaboração com Espanha, o país convidado em 2017, tem sido uma constante desde que o Terras existe. De facto, imprime-lhe, do ponto de vista artístico, uma dimensão ibérica, passaporte para um lugar ao sol no exigente e sofisticado universo da música “erudita”.

Algo já conseguido pelo festival alentejano, que arrancou precisamente este ano um dos poucos selos EFFE com cinco estrelas, o galardão máximo dos festivais ao nível europeu, no âmbito “clássico”, medindo forças com gigantes, como os de Lucerna ou Salzburgo, dotados de orçamentos milionários.

No Terras sem Sombra, o desafio prende-se sobretudo com a autenticidade dos patrimónios, a qualidade da programação e a mobilização das comunidades locais – tendo a sociedade civil e os municípios. Uma grande afinidade com o território revela-se alavanca fundamental para o projecto.

A perspetiva defendida pelo festival é a de que se torna fundamental vinculá-lo ao desenvolvimento cultural, mas também social e económico, do Alentejo. Daí a atenção posta na valorização dos produtos de excelência da região.

Comentários

pub
pub