Programa de 1,5 milhões alia cultura e turismo para travar sazonalidade no Algarve

Um Festival do Contrabando, em Alcoutim, um Festival de Jazz aliado a momentos gourmet, em Albufeira, o Museu de Portimão […]

ministro da CulturaUm Festival do Contrabando, em Alcoutim, um Festival de Jazz aliado a momentos gourmet, em Albufeira, o Museu de Portimão a «Fazer render o peixe», os concelhos de Aljezur e de Monchique com 173 espetáculos para «Lavrar o Mar» ou ainda o regresso do Festival Internacional de Música do Algarve.

Estes são apenas alguns dos momentos altos do Programa Algarve Cultural, que o ministro e o secretário de Estado da Cultura, bem como a secretária de Estado do Turismo, lançaram ontem, em Lagos.

O novo programa tem um orçamento de 1,5 milhões de euros, assegurados pelo Turismo de Portugal, prevê a realização de, pelo menos, 623 espetáculos em todos os 16 concelhos do Algarve, durante a época baixa, ou seja, de Outubro deste ano a Maio de 2017.

Mas o Programa Algarve Cultural tem ainda outras particularidades, como o facto de Monchique, com 83 espetáculos, e Aljezur, com 79, serem, logo a seguir a Faro (85), os concelhos onde mais coisas se irão passar ao longo destes meses. «Estranhamente, pensarão alguns», comentou Dália Paulo, comissária deste novo programa, durante a apresentação.

Outro aspeto importante é que não se trata de propostas que vêm de fora, mas antes de projetos concebidos e propostos pelos agentes culturais do próprio Algarve. É, assim, um verdadeiro Allgarve (de má memória), mas totalmente ao contrário. Talvez isso até explique a inspiração para o logotipo do novo programa…

O ministro da Cultura, que presidiu à apresentação, no jardim do Centro Ciência Viva de Lagos, sublinhou que este programa «simboliza e reflete bem a filosofia de ação deste Governo em relação à Cultura, que passa pela transversalidade, na sua articulação com a economia, o ambiente, a educação».

«Estamos a construir uma rede de criatividade e de atividade cultural, que não apenas vai beneficiar o turismo», acrescentou o ministro Luís Castro Mendes.

ana mendes godinho

Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo, a entidade de onde provêm, através das verbas do Turismo de Portugal, os 1,5 milhões de euros que hão de pagar isto tudo, salientou que o que se pretende é ter «um Algarve 365», ou seja, sempre cheio de motivos de atração para os turistas, ao longo de todo o ano.

«O Algarve está cheio e Portugal está na moda», constatou a governante, acrescentando que «é neste momento em que a atividade turística está a correr bem, que temos de ser mais ambiciosos e exigentes». «Quando os números são bons é que é preciso trabalhar», reforçou.

«Não nos adianta ter taxas de ocupação de 90 por cento em Agosto e de 20 por cento em Janeiro ou Fevereiro», disse, por seu lado, Desidério Silva, presidente da Região de Turismo do Algarve, lembrando a questão da sazonalidade. Ora, já tinha dito a secretária de Estado, «não há milagres para acabar com a sazonalidade, mas há medidas que se podem aplicar». E esta é uma delas.

«Não há operador com quem tenhamos falado nestes últimos tempos que não aponte a falta de vida no Algarve no Inverno como um problema», acrescentou Ana Mendes Godinho.

Daí ter surgido a ideia, partilhada pelas secretarias de Estado do Turismo e da Cultura, pela Região de Turismo do Algarve e pela Direção Regional de Cultura, de criar um «programa apelativo, porque quem nos visita tem sempre qualquer coisa para fazer em algum ponto do Algarve», e um programa que promova a «coesão territorial porque acontece em todo o Algarve».

O Turismo de Portugal, garantiu a governante, «usará este programa como fator de promoção do Algarve no exterior e para passar a imagem de que o Algarve é muito mais do que apenas sol e praia».

Dália Paulo

Dália Paulo, a comissária deste ambicioso Programa Algarve Cultura, explicou que a ideia é «chegar às pessoas em dois momentos: no da escolha do seu destino de férias e quando já estão cá, com os seus hotéis inundados de informação sobre o programa».

Esta será, garantiu, uma «programação anual e regular de qualidade e baseada na identidade do Algarve», que «aposta nos criadores residentes». E é neste aspeto, fez questão de sublinhar Dália Paulo, que reside «a verdadeira inovação» do projeto.

A comissária elogiou ainda o trabalho feito pelos agentes culturais do Algarve, que «apresentaram propostas, e de grande qualidade e criatividade, num período muito curto», já que todo o processo foi iniciado apenas em finais de Junho.

Ao todo, revelou, foram apresentados 100 projetos de 41 entidades, nos 16 concelhos algarvios. Foram aprovados 48 projetos, dos quais 35 são novos, 12 já existiam mas agora ganharão novo fôlego, e um é uma reativação: o Festival de Música do Algarve, que ressurgirá, pela mão da Orquestra Clássica do Sul.

Mas o programa não está fechado. É que, a partir de hoje, dia 9, e até 23 de Agosto, está aberto um novo período para candidaturas dos agentes culturais que tinham ficado de fora na primeira fase.

«O programa será fechado até 10 de Setembro, mas ainda está a ser trabalhado, ainda estamos a fechar datas e espaços, bem como abrimos esta nova fase de apresentação de propostas», acrescentou Dália Paulo.

«Tudo para que a Cultura e a Criatividade comecem a ser um verdadeiro dínamo da região». A partir de Outubro, garantiu a comissária, «vamos todos deliciar-nos e aos muitos visitantes» com uma oferta cultural consistente, coesa e coerente, que acrescente valor e ajude a atenuar a sazonalidade turística do Algarve.

O trabalho dos agentes culturais, das entidades envolvidas, como os municípios, bem como da própria coordenadora Dália Paulo foi destacado pela secretária de Estado do Turismo, que classificou o trabalho da comissária como «fantástico», e pelo ministro da Cultura, que disse ser «extraordinário como, em tão pouco tempo, se construiu um programa tão denso e tão fecundo, que vai fazer tanto pelo Algarve«. Assim seja!

 

abrangência territorial

Destaques do Programa Algarve Cultural:

Eis as nove linhas programáticas que permitem envolver os visitantes e/ou residente na escuta, interação, criação, (re)descoberta, experiência e fruição do território:
>>Arte e paisagem
>>Festa e tradição
>>Gentes que nos inspiram
>>Música, espaços e paladares
>>Música, espaços e tempos
>>Pensar o território
>>Território e fronteiras
>>Território e memória
>>Território, criação e transformação

Arte e paisagem
->Outdoor | Outubro a Março – Loulé, Faro, Lagos e Alcoutim | Org. Centro de Investigação em Artes e Comunicação da Universidade do Algarve e P28, Associação para o Desenvolvimento Criativo e Artístico

Festa e Tradição
->Festival do Contrabando, Contrabandarte | 11 a 13 de Março | Vila de Alcoutim, rio Guadiana e Vila de SanLucar | Org. Câmara Municipal de Alcoutim
->São Braz de Alportel, 1914 – Uma viagem no Tempo | 27 e 28 de maio | São Brás de Alportel | Org. Câmara Municipal de São Brás de Alportel

Gentes que nos Inspiram
->Festa de Anos de Álvaro de Campos |Outubro | Tavira| Org. Casa Álvaro de Campos, Partilha Alternativa, com participação de: Biblioteca Álvaro de Campos, Academia de Música de Tavira, Associação Internacional de Paremiologia, CorpodeHoje, NAFA, Write in the Algarve e Casa das Artes de Tavira
->Amor e Medo – Los Negros, Luís Conceição e Álvaro de Campos |Janeiro e Fevereiro | Aljezur e Castro Marim | Org. Partilha Alternativa
->Primavera Literária | Março, Abril e Maio| Faro | Org. Biblioteca Municipal António Ramos Rosa, Faro e Universidade do Algarve

Música, Espaços e Paladares
->Festival de JAZZ Gourmet Moments by OJA | 20 e 21 de Janeiro | Albufeira | Org. Orquestra de Jazz do Algarve e Câmara Municipal de Albufeira
->Adegas com Jazz |Outubro a Março | Silves | Org. Câmara Municipal de Silves

Música, Espaços e Tempos
->A Lyrical White Christmas with Tenor Carlos Guilherme | dezembro | Catedral de Silves, Igreja Matriz de Monchique e Espaço Guadiana | Org. Orquestra de Jazz do Algarve
->Cantata Mundi | Janeiro e Março | Vila do Bispo e |Org. Grupo Coral Ossónoba
->Ciclo Guitarras & Património |Outubro e Maio | Espaços museológicos dos 16 concelhos | Org. Academia
->1º Festival Internacional de Piano do Algarve | 25 de Fevereiro, 4 de Março, 11 de Março, 18 de Março, 26 de Março e 8 de Abril | Centro de Congressos do Arade e Auditório Municipal de Lagoa | Org. Associação ArtedoSul e Câmara Municipal de Lagoa
->Concerto de Páscoa | 9 de Abril | Igreja Matriz de Loulé | Org. Câmara Municipal de Loulé
->Património e Música nas Igrejas| 1 de Março a 15 de Abril | Igrejas da cidade de Tavira| Org. Câmara Municipal de Tavira
->FIMA, Festival Internacional de Música do Algarve | 10 e 17 de Março, 6, 7 e 13 de Abril e 4 e 5 de Maio | Faro, Silves, Loulé, Portimão, Lagos, Albufeira e Tavira | Org. Orquestra Clássica do Sul
->Festival de Coros de Câmara | 20, 21, 27 e 28 de Maio | Olhão | Org. Conservatório de Música de Olhão e Associação Música XXI

Pensar o Território
->2ª edição Festival “encontros do DeVir – cidades utópicas”| Março e Maio | Faro, Loulé, Olhão e São Brás de Alportel| Org. DeVir

Território e Fronteiras
->I Mostra Internacional de Cinema de Fronteiras | 19 a 23 de Outubro |Vila Real de Santo António | Org. Associação BACKUP
->I Festival Internacional de Teatro de Vila Real de Santo António| 16 de Março a 1 de Abril | Vila Real de Santo António | Org. Câmara Municipal de Vila Real de Santo António

Território e Memória
->Momentos Fantásticos com o Património – A Banda Bai | 15 de Outubro e 15 de Novembro | Museu de Lagos e Museu Municipal de Arqueologia de Silves | Org. Vicentina, Associação de Desenvolvimento para o Sudoeste

Território, criação e transformação
->Hugo Alves & João Frade Morphosis | 20 a 22 de Outubro e 10 a 12 de Novembro | Silves, Lagos e Vila do Bispo, Castro Marim, São Brás de Alportel e Olhão | Org. Orquestra de Jazz do Algarve
->Fazer render o peixe em Portimão | Outubro a Maio | Museu de Portimão – Org. Câmara Municipal de Portimão/ Museu de Portimão
->Lavrar o Mar – As artes no alto da serra e na costa vicentina | 18 a 20 de Novembro, 25 a 27 de Novembro, 17 a 19 de Março, 31 de Março a 2 de Abril e 18 a 28 de Maio | Aljezur e Monchique | Org. Cooperativa Cosanostra, CRL
->Interferências | 8 de dezembro e 10 de fevereiro | Tavira e Loulé | Org. Corpo de Hoje
->2ª edição Festival “encontros do DeVir – cidades utópicas”| Março e Maio | Faro, Loulé, Olhão e São Brás de Alportel| Org. DeVir
->Faro(l) de cultura ou Faro de Cultura | Março a Junho| Faro | Org. Museu Municipal de Faro e Fundação de Serralves
->24 Horas Figuras | 30 de Abril | Teatro das Figuras, Faro | Org. Teatro das Figuras
->I Festival do Barrocal Algarvio | 26 a 29 de Maio | Casa do Povo de Santo Estêvão, Tavira | Org. AGECAL, Associação de Gestores Culturais do Algarve

 

Fotos: Elisabete Rodrigues|Sul Informação

 

Comentários

pub
pub