Deolinda prometem um «concerto intimista» em Tavira

São uma das bandas mais ouvidas pelos portugueses nos últimos anos e vêm a Tavira, ao parque do Palácio da […]

Deolinda
Deolinda

São uma das bandas mais ouvidas pelos portugueses nos últimos anos e vêm a Tavira, ao parque do Palácio da Galeria, esta quinta-feira, dia 4 de Agosto, às 22h00. Os Deolinda, na voz do seu letrista e guitarrista Pedro da Silva Martins, prometem um «concerto intimista, diferente do que é habitual no Verão, por ser num ambiente fechado».

O reportório será focado tanto nas canções do novo álbum – Outras Histórias – como nos clássicos, de outros álbuns da banda.

Êxitos como “Fado Toninho“, “Seja Agora“, ou mais recentemente, “Corzinha de Verão” têm feito parte das músicas preferidas dos portugueses desde 2008, ano em que nasceram os Deolinda. Ou “a Deolinda”, como lhe chama Pedro da Silva Martins.

Em entrevista exclusiva ao Sul Informação, o letrista da banda classificou o público do Algarve como «muito caloroso, que nos quer ouvir, e isso reflete-se nos concertos». E acrescentou: «Tocamos com mais prazer e mais gozo».

Apesar de ter nascido em Lisboa, o Algarve é uma região importante para a vida de Pedro da Silva Martins…«segundo os que os meus pais me contam, fui concebido em Faro», conta, entre risos.

E esta não é a única história que o letrista tem para contar, vivida no Algarve. «Já compus músicas no Algarve, principalmente em hotéis. O Algarve está, de certeza, algures nos meus cadernos ou em canções», acrescenta.

As letras das músicas dos “Deolinda” são uma das marcas de água da banda. À descrição de situações quotidianas, é, muitas vezes, adicionada uma pitada de crítica social e política. «Não partidária», avisa logo Pedro da Silva Martins. «A Deolinda nasceu com essa opção de tocar temas com teor social. Essa fotografia musical é uma das caraterísticas que torna a Deolinda diferente da restante música que se vai fazendo», explica.

Deolinda
Deolinda

Das letras para a música: este novo álbum da banda traz algumas novidades quanto à sonoridade dos Deolinda. Músicas como “A Velha e o DJ” tem componentes de música eletrónica, que não estavam presentes em anteriores trabalhos da banda. «A Deolinda sempre foi irreverente; ou seja, a postura dos quatro na banda sempre foi essa. E, por isso, nunca estamos satisfeitos com o que já fizemos. Procuramos sempre algo diferente».

Depois do concerto em Portimão, na abertura do Festival da Sardinha, os Deolinda não abandonam o Algarve e o seu letrista Pedro da Silva Martins deixa um convite: «venham conhecer a Deolinda em 2016, que está diferente. Não sei se para melhor ou para pior, mas esta é a Deolinda de hoje, que expressa o olhar daquilo que é a vista da sua janela neste momento. É uma Deolinda atual, mas que mantem as mesmas caraterísticas de sempre: o olhar bem disposto e brincalhão, com aquela consciência que já referi».

Os bilhetes para o concerto dos Deolinda no parque do Palácio da Galeria, em Tavira, custam 15 euros e podem ser adquiridos na Câmara Municipal da cidade, no stand promocional do evento “Verão em Tavira”, situado na Praça da República, ou na Ticketline.

Comentários

pub
pub