Cónego César Chantre é o novo vigário geral da Diocese do Algarve

O Cónego Carlos César Chantre é o novo vigário geral da Diocese do Algarve, segundo anunciou hoje, durante a missa […]

Cónego César ChantreO Cónego Carlos César Chantre é o novo vigário geral da Diocese do Algarve, segundo anunciou hoje, durante a missa crismal, o Bispo do Algarve D. Manuel Neto Quintas.

O cónego Carlos Alberto Morais César Chantre, de 63 anos, agora nomeado, substitui no cargo o cónego Firmino Ferro, Vigário geral desta Diocese desde 2005 e falecido no passado dia 14 de janeiro.

O cónego Carlos César Chantre, sacerdote da Diocese do Algarve, é natural da cidade de Mindelo, na ilha de São Vicente (Cabo Verde), onde nasceu a 15 de maio de 1952.

Chegou ao Algarve na década 70 do século passado, para cumprir o serviço militar obrigatório em Tavira como preparação para a guerra em África, tendo entrado, em 1978 para o Seminário Maior de Évora.

Foi ordenado a 28 de junho de 1986 na igreja matriz de Portimão pelo bispo do Algarve de então, o falecido D. Ernesto Gonçalves Costa, coadjuvado por D. Paulino Évora, então bispo de Santiago (Cabo Verde).

Desde a sua ordenação exerceu diversos cargos na Diocese, entre os quais o de prefeito e ecónomo do Seminário de Faro (1986), professor de EMRC – Educação Moral e Religiosa Católica (1987), diretor do Secretariado Diocesano da Pastoral Vocacional e diretor espiritual do Movimento dos Cursos de Cristandade e, capelão do Colégio de Nossa Senhora do Alto, em Faro.

Entre 1989 e 1990 foi pároco in solidum de Albufeira e de Pêra, tendo depois assumido funções como pároco de Paderne.

Na altura em que trabalhou em Albufeira e Pêra colaborou na criação de uma presença da Igreja na Universidade do Algarve e foi professor da disciplina de Moral e sua Didática na Escola Superior de Educação (ESE).

Em 1989, D. Manuel Madureira Dias, então Bispo do Algarve, convidou-o para capelão militar na região. Acabou por ser colocado no Colégio Militar em Lisboa, onde esteve um ano, apesar de continuar como pároco de Paderne e professor na ESE e de prosseguir também com o trabalho iniciado pelo pároco de Albufeira para criação da freguesia e paróquia de Ferreiras que mais tarde consolidaria, após a construção da igreja de São José.

Em 1992 foi nomeado pároco de Boliqueime.

Termina a colaboração com a ESE, regressa a Tavira como capelão militar para o Algarve mas, entretanto, surge a necessidade de um capelão-chefe para a GNR, função que passa assumir, restabelecendo, durante quatro anos, a regularidade da ligação à capital, apesar de continuar como prior das paróquias algarvias.

Cónego césar chantre_2Entre 1996 e 2013, desempenha funções de assistente adjunto da Junta Regional do Corpo Nacional de Escutas, pároco de Ferreiras, Paderne e Boliqueime.

Há cerca de 12 anos regressou ao Algarve como capelão regional da GNR, tendo pedido a passagem à reforma e há nove anos, regressou também ao Colégio de Nossa Senhora do Alto, tendo sido nomeado diretor daquela instituição educativa da Diocese do Algarve, que acolhe cerca de 330 alunos.

É nomeado cónego do Cabido da Sé de Faro em 2013 pelo atual bispo do Algarve, D. Manuel Quintas e pároco de São Pedro de Faro.

É atualmente o responsável pelo Setor Diocesano da Pastoral familiar, e sendo assistente do Setor Diocesano da Pastoral Universitária, capelão da Universidade do Algarve e do Setor Diocesano de Associações Profissionais e assistente espiritual do núcleo algarvio da ACEGE – Associação Cristã de Empresários e Gestores.

Tem-se dedicado também, há mais de década e meia, ao acolhimento dos africanos no Algarve.

Comentários

pub
pub