Arte Chocalheira é Património da Humanidade

O Fabrico de Chocalhos conquistou hoje o título de Património da Humanidade, na 10.ª reunião do Comité Intergovernamental para a […]

chocalhosO Fabrico de Chocalhos conquistou hoje o título de Património da Humanidade, na 10.ª reunião do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da Unesco, a decorrer em Windhoek, na Namíbia, até sexta-feira, dia 4.

A candidatura, liderada pela Turismo do Alentejo / Ribatejo – em parceria com a Câmara Municipal de Viana do Alentejo e a Junta de Freguesia de Alcáçovas – «visou alcançar o reconhecimento universal de uma arte identitária da região, mas também a sua valorização e salvaguarda», explica a entidade regional de Turismo.

Segundo a Turismo do Alentejo/Ribatejo, «é no Alentejo que o Fabrico de Chocalhos – uma arte iniciada há mais de dois mil anos na região – tem a maior expressão a nível nacional, uma vez que abrange três municípios, ou seja Estremoz, Reguengos de Monsaraz e Viana do Alentejo, mais concretamente a freguesia de Alcáçovas».

Para a Presidente da Junta de Freguesia de Alcáçovas, Sara Pajote, o selo atribuído pela Unesco «poderá alavancar o desenvolvimento concertado do turismo do Alentejo». «A freguesia de Alcáçovas com os seus chocalheiros e esquilaneiros têm agora uma responsabilidade acrescida no incremento e preservação de uma arte milenar», acrescentou.

Já nas palavras do Presidente da Câmara de Viana do Alentejo, Bengalinha Pinto, «a classificação do Fabrico de Chocalhos contribuirá, seguramente, para o desenvolvimento do concelho e da região. Esta conquista valoriza os chocalheiros e esquilaneiros, assim como o seu engenho e todo o património material e imaterial do concelho e respetivas potencialidades».

Segundo o Presidente da Turismo do Alentejo/Ribatejo, António Ceia da Silva, «a identidade é um valor determinante na diferenciação e certificação de um destino turístico, logo o título agora conquistado pelo Fabrico de Chocalhos vem reforçar, junto dos mercados, a singularidade e diversidade de um Alentejo que se posiciona pela excelência e singularidade».

Para a Embaixadora da Namíbia em Portugal, Helena Paiva, «Portugal regogiza-se com a inscrição do Fabrico de Chocalhos na Lista de Salvaguarda Urgente do Património Cultural Imaterial da Unesco, em particular porque tal aconteceu na primeira reunião do Comité em África, continente com o qual partilhamos relações culturais e históricas muito próximas».

Depois do título de Património da Humanidade atribuído ao Cante Alentejano em 2014, este é o segundo ano consecutivo que o Alentejo vê um bem identitário do território reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.

A Turismo do Alentejo/Ribatejo acrescenta que «o projeto de valorização do Fabrico de Chocalhos não se limita à classificação pela Unesco, uma vez que a Turismo do Alentejo / Ribatejo, a Câmara de Viana do Alentejo e a Junta de Freguesia de Alcáçovas estão a desenvolver um plano de salvaguarda que garanta a sustentabilidade e transmissão de uma arte iniciada há mais de dois mil anos numa região que ostenta já quatro selos de Património Mundial, atribuídos a Évora e Elvas, ao Cante Alentejano e agora ao Fabrico de Chocalhos».

Comentários

pub
pub