Monchique dedica três dias ao Congresso e ao Festival do Medronho

Perto de 80 destilarias legalizadas e 50 marcas registadas, só no concelho de Monchique, atestam a importância da aguardente de […]

medronhoPerto de 80 destilarias legalizadas e 50 marcas registadas, só no concelho de Monchique, atestam a importância da aguardente de medronho neste território. Para celebrar a excelência do produto, a vila serrana recebe, entre 20 e 22 de Novembro, a primeira edição do Festival do Medronho de Monchique, destinado a promover os aromas, as cores e as texturas, mas sobretudo as potencialidades deste verdadeiro “ouro líquido da serra”.

O maior festival dedicado a este fruto realizado em Portugal será palco para a venda e apresentação das melhores aguardentes, bem como de outros produtos ligados ao medronho, mas também de muita animação e gastronomia, e até de um congresso, reunindo ideias, projetos e histórias à volta do medronho.

Promovido pela Câmara Municipal de Monchique, em parceria com a Associação de Produtores de Aguardente de Medronho (Apagarbe) e a Confraria do Medronho e com a colaboração de várias entidades, o Festival do Medronho de Monchique vai decorrer no Heliporto Municipal, num espaço concebido de propósito para este evento.

«Este certame surge num momento muito importante da afirmação do Medronho de Monchique e por isso, reunimos a nata dos especialistas e estudiosos deste assunto, assim como os produtores e demais interessados na sua produção e comercialização, mostrando que Monchique é, indiscutivelmente, o local onde se produz a melhor aguardente de medronho do mundo e, por isso, a Câmara Municipal tem apostado na criação de condições para que seja também e cada vez mais um fator de desenvolvimento económico do concelho», afirma Rui André, presidente da Câmara Municipal.

Casa do Medronho_Marmelete_21Aquando da inauguração da Casa do Medronho de Marmelete, o autarca, em declarações ao Sul Informação, tinha salientado que «falar de medronho sem falar de Monchique é impossível». Um facto que obriga este município e os seus produtores a serem «liderantes neste processo». Foi pelo concelho que começou o movimento de legalizar as destilarias, mas foi também de Monchique que partiu a iniciativa de criar a Indicação Geográfica Protegida (IGP) Medronho do Algarve.

Rui André acrescentou que a aguardente de medronho de Monchique é diferente das produzidas noutras zonas da região. Por isso, o autarca defende que «a IGP é o chapéu comum que era preciso criar num primeiro momento. A partir do momento em que esse chapéu está criado, havendo produtos diferentes dentro dessa IGP, o caminho que Monchique tem de fazer agora é o da certificação, o da criação de uma DOP Monchique. A marca Algarve é importante, até porque já é muito forte e nos permite chegar a mais mercados, mas a DOP Monchique também tem que ser criada».

 

O Congresso

Tudo temas que certamente serão trazidos à discussão no Congresso (ver programa abaixo), que decorre na sexta-feira, dia 20, na Multibox onde nos dias seguintes terá lugar o certame.

A plantação do medronheiro, em especial para a produção de aguardente, é vista «como uma alternativa económica um pouco por todo o país, assumindo no Sul uma expressão crescente, com o aumento da sua produção e número de produtores, muitos dos quais jovens, que apostam aqui o seu futuro».

As caraterísticas do território serrano e dos recursos existentes «originam produtos de qualidade invulgar, com uma clara valorização do mercado e dinamização económica do território».

Para dar a conhecer as potencialidades do medronheiro, a realidade da cultura do medronho e promover o aproveitamento enquanto fruto e nas suas diferentes aplicações, a Câmara de Monchique decidiu organizar o Congresso «Medronho – um produto de excelência» que marca assim o arranque do Festival.

Este Congresso vai reunir entidades e especialistas, que, pelo seu conhecimento científico e tecnológico, irão contribuir para a projeção do medronho nas suas múltiplas vertentes, fazendo deste um momento crucial de discussão e reflexão, onde se valoriza o passado deste produto, mas sobretudo se projeta o seu futuro.

 

A importância do medronho

monchique_medronhoEsta será a primeira vez que o Festival do Medronho tem direito a uma data própria, separando-se assim da tradicional Feira do Presunto. Em 2015, o novo certame assume, segundo a Câmara de Monchique, «a autonomia e identidade de um evento dedicado única e exclusivamente a este produto e em moldes completamente diferentes do habitual. Não será uma simples feira, mas sim um evento que reúne ideias, projetos e histórias à volta do medronho e que se espera, possam deliciar todos aqueles que decidam subir à serra neste fim-de-semana».

O concelho de Monchique, com as suas 80 destilarias legalizadas e 50 marcas, assume «presentemente um papel liderante na sua produção».

Rui André, presidente da Câmara, salienta que «a prova de que este é um produto diferenciador e muito procurado está bem patente na dinâmica que o mesmo regista, originando o surgimento de outros produtos derivados, com destaque para a igualmente famosa Melosa, assim como vários projetos e iniciativas em volta do saber-fazer secular tão característico deste concelho serrano».

O sucesso da Loja do Mel e do Medronho, no centro da vila de Monchique, assim como a recentemente inaugurada Casa do Medronho de Marmelete são apontados pelo autarca como «exemplos daquilo que este produto pode originar e que a organização deste certame quer ver replicados».

Para Rui André, «a fabricação de produtos tradicionais constitui para o concelho de Monchique uma mais-valia, pela riqueza do saber-fazer a eles associado, que, desta forma, se perpetua no tempo. As atividades que outrora eram realizadas em contexto familiar, como a matança do porco ou outras ações de aproveitamento do que a terra dá para o sustento das famílias do concelho, hoje são valorizadas também do ponto de vista económico, pela sua capacidade de gerar desenvolvimento social e também criar riqueza e trabalho para as populações locais».

Mas um novo desafio está agora a ser encarado pelo Município: «temos também o grande desafio de potenciar do ponto de vista turístico estes produtos, uma vez que, cada vez mais, o turista procura a autenticidade e genuinidade tão presentes na produção, história e estórias associadas a estas atividades».

Rui André assume a ambição do certame, que passará a ter, desde esta edição, um carácter internacional. Assim, todos os anos será convidado um país ou local onde se produza aguardente por destilação, «visando a troca de experiências em torno da produção e comercialização, potenciando assim o desenvolvimento de novas metodologias e melhorias aos mais variados níveis», esclarece a autarquia.

Desta vez, o país convidado é Cabo Verde que será representado pela ilha de Santo Antão, com a apresentação do seu famoso Grogue, uma aguardente de cana-de-açúcar, assim como a Ponche, uma espécie de melosa com a utilização de mel. Deverá estar presente na feira algarvia a Confraria do Grogue de Cabo Verde.

 

A Feira

Casa do Medronho_Marmelete_18O Festival do Medronho de Monchique abre na sexta-feira, dia 20, às 18h30, integrando a exposição e venda do produto, assim como os seus derivados, mas também uma programação paralela com atividades para o público em geral, tais como showcookings, concurso de cocktails, degustações, exposições e apresentações diversas, assim como reuniões comerciais, de promoção e divulgação, debates de esclarecimento e intervenções de entidades diversas e especialistas na matéria.

Presentes estarão «os principais atores num relacionamento que se quer potenciar», nomeadamente os produtores de aguardente de medronho, as garrafeiras, distribuidoras, universidades, associações e entidades do setor, empresas especialistas em marca e comunicação, associações de hotelaria, restauração e similares, e demais interessados.

A inauguração do Festival, às 18h30, logo depois do encerramento do Congresso, conta com um medronho de honra, animado pela atuação do Grupo de Cantares da Confraria do Medronho de Monchique, e com uma mostra de degustação pela Confeitaria “Mestre Cacau”.

Do programa, consta a apresentação de um estudo feito pela Universidade de Aveiro, por Sílvia Rocha, sobre a inclusão do medronho numa dieta saudável. Haverá também reuniões comerciais e de promoção entre os produtores e garrafeiras, distribuidores, associações e entidades diversas; recebe as apresentações e conferências, assim como a competição de Flair Bartending.

No “Espaço Sabores”, o visitante poderá assistir a diversos momentos de showcooking, dinamizados pela Associação de Cozinheiros e Pasteleiros do Algarve, e apreciar mostras e degustações de doçaria, compotas e licores de medronho e momentos de apresentação de doçaria tradicional reinventada pelas pastelarias locais, tendo sempre o medronho presente nas propostas apresentadas.

Haverá ainda uma exposição de todas as marcas de Aguardente de Medronho engarrafadas em Monchique desde os anos 40, a exposição e venda de Aguardente e Melosa pelos produtores em espaços individuais próprios, a mostra dos desenhos feitos pelos Urban Sketchers nas destilas do concelho, o concurso da melhor garrafa e melhor rótulo, demonstração do processo de destilação com um alambique a funcionar ao vivo, venda de medronheiros, uma exposição do país convidado, que este ano é Cabo Verde, e a exibição, nos ecrãs do certame, do documentário sobre a produção de Aguardente de Medronho, feito para a Casa do Medronho de Marmelete, e do programa de culinária com Medronhos, pelo Chefe Henrique Sá Pessoa.

Fora do recinto, está programada a caminhada da Rota das Destilas de Monchique, bem como a Mostra Gastronómica do Medronho nos restaurantes do concelho aderentes.

Programa do Congresso

medronho09h00 – Receção aos participantes

09h30-10h00 – Sessão de Abertura
. Fernando Severino – Diretor Regional de Agricultura e Pescas do Algarve;
. José Paulo Nunes – Presidente da APAGARBE – Associação de Produtores de Aguardente de Medronho do Barlavento Algarvio;
. Graça Batalim – Grã-Chanceler da Confraria do Medronho de Monchique “Os Monchiqueiros”;
. Rui André – Presidente da Câmara Municipal de Monchique.

10h00-11h15 -Painel I – «A Importância do Medronheiro»
Moderador: Fernando Severino – Diretor Regional de Agricultura e Pescas do Algarve
«A seleção de plantas, a sua importância e apresentação de resultados»
Filomena Gomes – ESAC – Escola Superior Agrária de Coimbra
«O Medronheiro, a produção e os nutrientes»
Rosinda Pato – ESAC – Escola Superior Agrária de Coimbra
«O que fazer para melhorar a qualidade do medronho»
Rui Maio Sousa – INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária- Lisboa

11h15-11h30 – Intervalo

11h30-12h45 –Painel II «Medronheiro: fonte / fruto de riqueza»
Moderador: Emílio Vidigal – Presidente da ASPAFLOBAL – Associação dos Produtores Florestais do Barlavento
. “Plantações de Medronheiros em Pomar”
Carolina Gama – Cooperativa Portuguesa do Medronho
.”Novos Desafios para o Medronheiro”
Ricardo Jacinto – Corte Velada Investigação

12h45-14h30 – Almoço

14h30-16h00 – «Medronho – um prazer saudável»
Moderador: José Paulo Nunes – Presidente da APAGARBE
. “Qualidade e potencial do medronho para consumo em fresco ou transformação”
Dulce Antunes e Adriana Guerreiro- Faculdade de Ciências e Tecnologia – Universidade do Algarve
. “Qualidade da aguardente de medronho”
Ludovina Galego – Instituto Superior de Engenharia – Universidade do Algarve
. Valorização do medronho português (Arbutus unedo L.) enquanto fonte de compostos benéficos para a saúde humana
Sílvia Rocha – Departamento de Química – Universidade de Aveiro

16h00-16h15 – Intervalo

16h15-18h00 – Painel IV – «Aguardente de Medronho, uma história que se bebe»
Moderador: Elisabete Rodrigues – Diretora do Sul Informação
.“O Processo de Certificação do Medronho do Algarve”
Carlos Garcias – Presidente da Comissão Vitivinícola do Algarve
. “As Forças das Marcas: Autenticidade, História e Emoção”
Ana Cristina Guilherme – Mrs Brand
. “Arte Gastronómica – Novos produtos à base do medronho”
João Dias – Mestre Cacau

18h30 – Encerramento do Congresso.

A inscrição no Congresso custam 5 euros, que deverão ser pagos no ato da credenciação.
A inscrição inclui também a entrada no Festival do Medronho, que decorre nos dias 21 e 22 de novembro e o acesso às restantes atividades que compõem o programa.

 

FESTIVAL DO MEDRONHO | 20, 21 e 22 de novembro

FESTIVAL DO MEDRONHO» DIA 20
– 09h00-18h00 – Congresso “Medronho – um produto de excelência”
Multibox

– 18h30 – Inauguração oficial do Festival com Medronho de Honra

– 18h45 – Mostra e degustação de Confeitaria por Mestre Cacau
Espaço Sabores

 

» DIA 21

– 11h00 – Degustação de doçaria por Inácia Baiona
Espaço Sabores

– 11h30 – “À conversa com…” Dr.ª Sílvia Rocha – Departamento de Química & QOPNA, Universidade de Aveiro
“Deve o consumo de medronho ser incluído numa dieta saudável?”
Multibox

– 12h30 – Showcooking com degustação – Ato I
Espaço Sabores
Lombinhos de porco com medronho e batata doce por Cátia Santos – Participante no “Chefs Academy” e membro da ACPA – Associação de Cozinheiros e Pasteleiros do Algarve

– 13h00 – Reunião comerciais de promoção e divulgação
Multibox

– 13h45 – Degustação de doces e compotas de medronho por “Doces da Julinha”
Espaço Sabores

– 14h15 – Degustação de licores de medronho por Joana Cordeiro
Espaço Sabores

– 14h30 – Apresentação da Casa do Medronho de Marmelete
Multibox

– 15h00 – “Aprenda com…” APAGARBE – ”Como beber medronho”
Espaço Sabores

– 16h00-17h30 – Competição Flair Bartending
Multibox
Inscrições até 18 de novembro para: medronhocontest@gmail.com / 912818106 / 910771955
Colaboração: Blue & Violet

– 16h15 – “Doçaria Tradicional Reinventada” pela Pastelaria “Doce e Arte”
Espaço Sabores

– 17h00 – Showcooking com degustação – Ato II
Espaço Sabores
Trilogia da Serra por Virgílio Machado – Membro da ACPA – Associação de Cozinheiros e Pasteleiros do Algarve

– 18h00 – Entrega de Prémios da Competição Flair Bartending
Multibox

 

» DIA 22
– 9h00 – Rota das Destilas de Monchique
Visita a Adegas de Medronho e Melarias
Inscrições para: 962543217 / foiamar@gmail.com
Caminhada: 6,00€- adulto/crianças até 12 anos – 4,00€ (inclui lanche e seguro pessoal)
Almoço: 12,50€ – adulto / crianças até 12 anos 7,00€
Adulto: 18,00 € -adulto / crianças até aos 12 anos – 10,00€
Colaboração: Monchique Passeios na Serra
Ponto de encontro – Entrada principal

– 11h00 – “Doçaria Tradicional Reinventada” pela Pastelaria “Ana Maria”
Espaço Sabores

– 11h30 – “À conversa com…” Pedro Águas e Luís Caracinha – CEO LCPA Creative Agencies
“Marca, comunicação e marketing”
Multibox

– 12h30 – Showcooking com degustação – Ato I
Espaço Sabores
Mousse de Melosa com bolo de canela e abóbora por Paula Mártires – Pasteleira e membro da ACPA – Associação de Cozinheiros e Pasteleiros do Algarve

– 13h00 – Reunião comerciais de promoção e divulgação
Multibox

– 14h00 – “À conversa com…” ASPAFLOBAL
“Medidas de apoio à floresta PDR 2020”
Multibox

– 14h15 – “Aprenda com…” APAGARBE – ”Como beber medronho”
Espaço Sabores

– 15h00 – Showcooking com degustação – Ato II
Espaço Sabores
Bombons e Trufas de Medronho por Tânia Brito – Pasteleira e Membro da ACPA – Associação de Cozinheiros e Pasteleiros do Algarve

– 16h00 – Apresentação do livro “Alambiques e Alquimistas” de João Mariano
Multibox

– 16h30 – Showcooking com degustação – Ato III
Espaço Sabores
Mon Coelho Chique – Uma homenagem ao medronho, cinegéticas e espécies espontâneas do Concelho de Monchique por Augusto Lima – Presidente da ACPA – Associação de Cozinheiros e Pasteleiros do Algarve

– 17h00 – Convidado Internacional – Sto Antão, Cabo Verde
Apresentação de bebida tradicional destilada – Grogue
Multibox

– 18h00 – Atuação do Grupo de Cantares da Confraria do Medronho
Multibox

– 18h30 – Encerramento oficial e entrega dos prémios do Concurso de Rótulos de Garrafas de Aguardente de Medronho
Multibox

 

Programa sujeito a alterações

 

 

Comentários

pub
pub