Cidadãos protestam contra falta de atuação da DGAV no caso dos cavalos maltratados de Lagoa

Um grupo de cidadãos vai manifestar-se, na próxima sexta-feira, de forma original, no Patacão (Faro), à porta dos serviços regionais […]

égua magra_1Um grupo de cidadãos vai manifestar-se, na próxima sexta-feira, de forma original, no Patacão (Faro), à porta dos serviços regionais do Algarve da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV). Tudo para protestar contra a falta de atuação dessa entidade no caso dos cavalos maltratados de Lagoa.

Assim, pelas 16h30 de sexta-feira, dia 23, o «movimento de cidadãos que se tem vindo a manifestar contra a reiterada violação das normas de bem-estar animal a que se tem vindo a assistir em Lagoa pretende levar a cabo uma “ação de formação” à DGAV».

É que, alegam, «em resposta ao pedido de resolução do problema de Lagoa, que se perpetua há mais de 10 anos e apesar dos registos notórios e chocantes de maus tratos aos animais, levados a cabo pelo Sr. António Félix, a DGAV respondeu que “efetuaram diversas diligências no sentido de apurar o estado dos animais pertencentes ao Sr. António Vieira Félix, tendo constatado que, na sua generalidade, se encontravam com um adequado estado corporal, com exceção de uma égua que estava a amamentar”».

Tendo em conta o mais do que evidente estado de magreza dos animais, o movimento de cidadãos considera que «claramente, os representantes da DGAV não sabem qual o significado de adequado estado corporal».

Assim sendo, para mostrar a essa entidade o que são animais bem tratados, os cidadãos vão promover uma «ação de formação» à porta da DGVA no Algarve, no Patacão, levando para lá «cavalos em boas condições físicas, para demonstrar as diferenças entre o que eles dizem ser e o que é, efetivamente, o adequado estado corporal de um equídeo».

Comentários

pub
pub