Ah! «Marafada» cerveja algarvia!

São jovens arquitetos paisagistas, mas não é por isso que iremos falar deles. André Gonçalves, de 28 anos, e Ruben […]

cerveja marafada_1São jovens arquitetos paisagistas, mas não é por isso que iremos falar deles. André Gonçalves, de 28 anos, e Ruben Pires, de 27 anos, são os criadores da cerveja artesanal «Marafada», produzida no Algoz, e que, a partir de amanhã e até domingo, se dará a provar no Alameda Beer Fest, em Faro.

A cerveja já está a ser produzida desde finais do ano passado e até se vende em onze locais do Algarve, entre restaurantes, cervejarias, um hotel, pastelarias e mercearias tradicionais, dos concelhos de Silves, Albufeira, Faro, Loulé e Portimão (ver lista abaixo).

Para começar, o duo de mestres cervejeiros lançou uma «India Pale Ale», um tipo de cerveja criado pelos ingleses para enviar para a Índia, «mais resistente, que aguenta calor e balanços». É uma cerveja de sabor mais forte, um pouco amarga, mais escura, que, garante André Gonçalves, «acompanha bem com comidas fortes».

Mas porque o duo não gosta de estar parado e a descansar sobre os louros, já está pronto um segundo tipo de cerveja, uma «Algarve Gold Ale», mais frutada, mais dourada, mais suave.

André e Ruben, apesar da juventude, têm os pés assentes na terra e gostam de fazer as coisas com os devidos cuidados. Por isso, explicam, «estamos a produzir e a ver o que as pessoas querem beber».

Esta nova cerveja vai ser lançada agora no Alameda Beer Fest, onde estará também a «Marafada» de tipo India Pale Ale (IPA). «Vamos levar vários lotes desta IPA e apresentar a nova cerveja. Os farenses e outras pessoas que forem a esse festival vão ter o prazer de ser dos primeiros a provar esta novidade», conta André Gonçalves.

cerveja marafada_2Mas há aqui um pormenor importante que falta dizer, para se perceber como esta «Marafada» tem um pedigree de grande qualidade. É que esta cerveja artesanal é produzida na Quinta dos Avós, uma antiga casa agrícola situada junto à estrada de Algoz, hoje transformada em casa de chá e pastelaria, onde se podem comer dos melhores e mais tradicionais doces algarvios, saídos das mãos da D. Encarnação Gonçalves, mãe do André.

Aliás, a Quinta dos Avós, que possui ainda um núcleo museológico rural onde se guarda, por exemplo, uma coleção de carroças e outros veículos de tração animal como certamente haverá poucas no Algarve, todas impecavelmente restauradas, é um alfobre de boas ideias.

E como é que dois arquitetos paisagistas, ambos a acabar o mestrado, um no Instituto Superior de Agronomia (o André), outro na Universidade do Algarve (o Ruben), se metem nisto de fazer cerveja?

«Eu já produzia cerveja há uns tempos, para consumo próprio. Tenho um amigo italiano que já fazia em Itália e que me deu algumas dicas», conta André Gonçalves.

«Depois, os amigos que bebiam a cerveja que nós produzíamos começaram a incentivar-nos para a comercializarmos, porque queriam saber onde a podiam comprar», acrescenta Ruben Pires.

E, com muita pesquisa, muita experimentação à mistura, muitos avanços e recuos, a ideia de produzir a «Marafada» foi ganhando consistência. Os primeiros lotes começaram por ser vendidos na Quinta dos Avós, onde se continua a poder comprar a cerveja. Depois, foram surgindo outros contactos, outros clientes. E hoje já estão a vender em onze locais de cinco concelhos do Algarve.

André não quer dizer quantos litros já produziram e venderam desde o início, mas garante que foram «uns milhares».

cerveja marafada_4A produção de cerveja artesanal está devidamente licenciada, mas a marca «Marafada», que eles já usam nos rótulos, ainda não está completamente registada. «Não tem sido fácil, porque estão a analisar quantos produtos é que já há com este nome», afinal uma palavra muito usual no Algarve. Mas André garante: «não estamos preocupados com a marca, o que conta é a qualidade do produto e isso já atingimos».

O rótulo, como se pode ver nas fotos, mostra uma rapariga algarvia, com os trajes tradicionais, mas de saia levantada a mostrar as (boas) pernas. «É uma marafada, por isso tem que ter uma pose assim», diz, a rir, o Ruben, que foi o autor do rótulo e da imagem que já é o logótipo da marca.

Não se pense, porém, que as ideias destes dois cervejeiros se ficam por aqui. Por influência dos pais, o André Gonçalves interessa-se muito por património, por isso tem participado em algumas atividades do Museu de Portimão.

Foi assim, que, em Abril passado, nos Monumentos Megalíticos de Alcalar, durante a recriação de um dia na Pré-história, os jovens cervejeiros apresentaram aos muitos visitantes uma cerveja…pré-histórica. O sucesso foi imediato e houve logo muita gente a querer saber onde podia comprar aquela cerveja tão especial.

André diz que o projeto desta nova cerveja está a ser desenvolvido «em parceria com os arqueólogos, para melhorar a receita e a aproximar o mais possível da cerveja de há 6000 anos».

Mestres cervejeiros...pré-históricos
Mestres cervejeiros…pré-históricos

Para garantir um paladar único, a cerveja dada a provar aos participantes no Dia da Pré-História «foi feita com um malte produzido por nós, e com ervas aromáticas da zona de Alcalar, para lhe dar um travo diferente. Pode dizer-se que era uma cerveja 100% algarvia, pelos ingredientes e pelo facto de não levar lúpulo».

André assegura que «há um potencial enorme para esta poder ser também uma cerveja comercial». Por isso, não se espante se, daqui a alguns meses, vir à venda, numa mercearia gourmet ou no próprio Museu de Portimão, a «Alcalar», a primeira cerveja-património em Portugal.

Um dos primeiros provadores da «Marafada» foi Gualdino Calçada, um poeta popular algarvio, que escreveu, a propósito, a seguinte quadra: «Nasceste logo marafada / serás assim a vida inteira / estás bem preparada / para dar muita rasteira».

Com tantos planos, solicitações e o mestrado para acabar, André e Ruben ainda nem tiveram tempo para promover um evento de lançamento oficial da «Marafada». Mas talvez isso ocorra lá para Outubro. O Sul Informação dará notícia disso, claro.

 

 

Locais onde se pode comprar/provar a «Marafada»:
(preço médio de venda: 3,50 euros / garrafa de 33 cl)

 

Albufeira

Pastelaria Colibri 2
Estrada dos Salgados, Vale de Parra, Centro Comercial Abel Carrasquinho, Albufeira
Telefone: 289 591 457

Restaurante – Bar O Atleta
Urbanização Alto dos Caliços, Lj 8, 9 e 10, Albufeira
Telefone: 28904250

Restaurante – Bar Pic-nic
Praia do Castelo, Albufeira

Restaurante Praia da Galé
Praia da Galé, 8200-416 Albufeira
Telefone: 289 591 636

Restaurante Praia da Coelha
Praia da Coelha, Albufeira
Telefone: 289 591 018 / 962 756 152

Hotel Porto Bay
Olhos de Água, Albufeira

 

Faro

Cervejaria Boheme
Avenida da República n.º2, 8000-079 Faro
Telefone: 289 093 594

Sodelicias
Rua de Santo António 129 A 8000-284 Faro
email: sodelliciasfaro@gmail.com

 

Silves

Quinta dos Avós
Algoz, estrada269 de Algoz para Tunes
Telefone: 282 576 459

 

Portimão

Loja dos sabores da Mónica
Travessa Drº Bastos nº 9, Portimão
Telefone: 282 498 200

 

Loulé

Casa Portuguesa
Rua José Fernandes Guerreiro, Loulé

 

Comentários

pub
pub