O caso do esqueleto do romano desdentado de Lagos

Foi uma infeção? Foi um golpe? Para já ainda é cedo para poder dizer mais. O certo é que o […]

esqueleto romano desdentado_2Foi uma infeção? Foi um golpe? Para já ainda é cedo para poder dizer mais. O certo é que o esqueleto de um romano sem os quatro dentes da frente, encontrado ontem pelo setor de arqueologia da Câmara de Lagos durante trabalhos preventivos, está a ser um sucesso nas redes sociais.

O esqueleto foi posto a descoberto na Rua da Oliveira, no centro Histórico de Lagos, durante uma intervenção arqueológica preventiva feita antes do início de obras de repavimentação e melhoramento daquela artéria, promovidas pela autarquia.

Elena Morán, arqueóloga do setor de arqueologia, integrado na Divisão de Urbanismo, Licenciamento e Fiscalização da Câmara de Lagos, explicou ao Sul Informação que a existência daquela sepultura já era conhecida. «Em 2006, durante uma intervenção no edifício que fica ali ao lado, já tínhamos identificado outra sepultura romana, bem como o início desta. Na altura, não foi escavada esta área, mas agora, tendo em conta que o Município vai começar as obras de requalificação, aproveitámos para fazer uma sondagem e encontrámos o esqueleto».

Os trabalhos no terreno estão a ser feitos por uma antropóloga, para estudar o esqueleto, e uma arqueóloga.

Como, junto ao esqueleto, no interior da sepultura, «não havia espólio rigorosamente nenhum, nem sequer um caco», a sua cronologia é feita «tendo em conta a orientação e as características, em tudo semelhantes ao que escavámos em 2006» e que, pelo espólio então encontrado, se comprovou ser do período romano.

esqueleto romano desdentado_5Ou seja, acrescenta Elena Morán, trata-se do esqueleto de um homem, da época romana (século II a IV depois de Cristo), que apresenta como característica singular o facto de lhe faltarem os quatro dentes da frente e de cima. «Os outros dentes estão, aparentemente, de boa saúde, nem apresentam cáries», revela a arqueóloga. Saber porque razão lhe caíram esses quatro será trabalho posterior da antropóloga.

O facto de os trabalhos decorrerem numa rua movimentada do centro de Lagos e de ter aparecido um esqueleto, ainda por cima desdentado, criou muito interesse entre moradores e turistas. E até já há várias fotografias do romano desdentado a circular nas redes sociais.

«Enquanto lá esteve a equipa a trabalhar, foi um corrupio de gente. Muitas pessoas estavam de telemóvel na mão a fotografar. Às vezes, precisávamos de luz do sol e tínhamos a sombra dessas pessoas a tapar», contou Elena Morán.

O esqueleto será agora levantado do local, para ser sujeito a mais investigação e para conservação.

Mas a sondagem e posterior intervenção que levou à descoberta deste romano desdentado, com mais de 1600 anos, não foi a única a ser feita, por causa das obras de repavimentação em curso no centro histórico de Lagos.

Outras sondagens pretenderam saber mais sobre a Ribeira das Naus, que resulta do encanamento, feito já no século XVI, de duas ribeiras que passavam na zona entre a praça dos antigos Paços do Concelho e a Praça do Infante. O objetivo foi, segundo aquela responsável, «caracterizar o percurso encanado da Ribeira das Naus».

Uma terceira intervenção preventiva teve a ver com a definição da «nossa área romana» no atual centro histórico, tentando limitar «onde havia ou não ocupação».

Depois de todas estas intervenções, as obras de requalificação deverão começar ainda esta semana ou, o mais tardar, no início da próxima.

 

Fotos de: GOlaranja

Comentários

pub
pub