In Loco foi distinguida pelas Nações Unidas pelo seu trabalho contra a desertificação

A Associação In Loco recebeu ontem a distinção “Dryland Champions 2015” (Campeões das Zonas Áridas), pelas mãos da presidente da […]

Nelson Dias In LocoA Associação In Loco recebeu ontem a distinção “Dryland Champions 2015” (Campeões das Zonas Áridas), pelas mãos da presidente da Comissão Nacional de Combate à Desertificação, num encontro que decorreu no concelho de Mértola.

Esta é uma iniciativa das Nações Unidas, através da Convenção de Combate à Desertificação, que distingue anualmente indivíduos, organizações ou empresas que tenham dado contributos práticos e relevantes para a gestão sustentável das terras.

Sob o lema “Eu sou Parte da Solução”, a iniciativa foca-se sobretudo nas pessoas, no seu empenho e esforços para promover e melhorar nas zonas áridas os meios de subsistência das populações e as condições dos ecossistemas afetados por desertificação e seca.

Esta distinção foi atribuída pelo trabalho desenvolvido no âmbito do levantamento das variedades locais de sementes, iniciado pela In Loco em 2011, no interior da região do Algarve, como forma de manutenção da biodiversidade local.

Segundo a In Loco, esta intervenção viria a ganhar particular relevância devido ao «incêndio de 2012, que afetou enormemente os concelhos de São Brás de Alportel e Tavira, devastando parte importante do património existente de sementes deste território, seja aquele que estava guardado para futuras sementeiras, como o que estava plantado».

Outro fator a garantir relevância à intervenção foi «o facto da Comissão Europeia ter avançado com a proposta da polémica “lei das sementes”, que serviria, entre outros objetivos, para ilegalizar as sementes tradicionais».

«Felizmente o Parlamento Europeu teve, entretanto, o bom senso de rejeitar essa proposta da Comissão Europeia», salienta a associação.

Nelson Dias, presidente da Associação In Loco, no momento da entrega do Galardão, dirigiu umas curtas palavras aos presentes para dizer que «considera que este prémio é fruto do reconhecimento nacional e internacional de um trabalho de 27 anos da In Loco no interior do Algarve».

Salientou ainda que «este reconhecimento não distingue somente a Associação, mas as populações serranas, verdadeiros “campeões das zonas áridas”, bem como todas as entidades que ao longo destas quase três décadas têm colaborado com o nosso trabalho».

Além da In Loco, em Portugal foram ainda premiadas três outras associações: a ADPM – Associação de Defesa do Património de Mértola, por um projeto de desenvolvimento sustentável, promovido em Chã do Norte, em Cabo Verde, a Associação ALDEIA, com o projeto «Ação, Liberdade, Desenvolvimento,
Educação, Investigação, Ambiente», e ainda a CORANE – Associação de Desenvolvimento dos Concelhos da Raia Nordestina (Trás-os-Montes), com o projeto transfronteiriço Ambi/Empleate.

O programa “Dryland Champions” surgiu após a Conferência Rio +20, realizada em 2012, no Rio de Janeiro, no âmbito da qual as Nações Unidas reconheceram a necessidade de ações tendo em vista parar e reverter a degradação dos solos, enquanto recurso essencial à Vida.

Tais ações foram agrupadas sob um único objetivo a alcançar nos próximos anos: “Um Mundo com 0 degradação das Terras”.

Assim, visando alcançar um Mundo Neutro de Degradação das Terras, a implementação da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação começa, literalmente, à porta de cada cidadã e cidadão. Todas e todos podem contribuir, tomar medidas, integrando uma crescente comunidade de Campeões das Zonas Áridas que se preocupa e trabalha para a salvaguarda das terras e dos solos, visando assegurar maiores e sustentáveis benefícios locais e globais.

Mais informações sobre os premiados em 2015 podem ser consultadas clicando aqui.

Comentários

pub
pub