Desidério Silva no Turismo do Algarve por mais cinco anos e com nova equipa

Há caras novas e uma nova orgânica, mas os objetivos mantêm-se intactos. Desidério Silva foi reeleito e reempossado como presidente […]

Há caras novas e uma nova orgânica, mas os objetivos mantêm-se intactos. Desidério Silva foi reeleito e reempossado como presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA) esta terça-feira, depois de 9 meses de um mandato que já se sabia ser «a prazo», devido à publicação eminente de uma nova lei para estas entidades.

Agora, o ex-presidente da Câmara de Albufeira foi eleito para ficar cinco anos e com legitimidade reforçada.

Da nova equipa dirigente do Turismo do Algarve, salta à vista a entrada de João Fernandes, até agora diretor da Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve, e a saída de Duarte Padinha, um técnico da casa, que foi o braço direito de Desidério Silva na direção da então ERTA nos últimos nove meses.

Do anterior executivo, apenas se mantém o presidente da associação CEAL Carlos Luís.

De salientar que, com o figurino estipulado pela nova lei, a direção da (novamente) RTA passa a ser composta por três elementos eleitos (mais três vogais suplentes) e dois membros cooptados: um da AMAL, neste caso o seu presidente Macário Correia, e um representante do setor privado, que neste mandato será Vítor Faria, da Associação dos Industriais Hoteleiros e Similares do Algarve. A primeira reunião da nova direção acontece na sexta-feira.

O novo figurino das Regiões de Turismo também motivou a criação de um Conselho Consultivo de Marketing, composto por diversos representantes do setor privado.

«Quero frisar aqui o trabalho feito pelo Duarte Padinha, que foi o meu vice-presidente executivo, homem da casa que vai voltar a sua função original. Sublinho publicamente o seu empenho e dedicação», frisou Desidério Silva, no seu discurso de tomada de posse.

Quanto à reeleição, o reempossado presidente da RTA colocou a questão de forma curiosa. «Há nove meses estava aqui com febre e a prazo. Hoje não tenho febre e irei ficar cá por bastante mais tempo», disse, referindo-se às duas tomadas de posse como presidente desta entidade.

O tempo passou e as circunstâncias também, mas as ideias parecem manter-se. A mensagem veiculada por Desidério Silva foi em tudo semelhante à transmitida há menos de um ano: é preciso união entre os agentes, trabalhar em rede e potenciar os muitos produtos únicos que o Algarve tem e dá-los a conhecer a quem visita a região.

Um dos problemas que se propôs resolver quando foi eleito pela primeira vez, já estará sanado. Hoje, garantiu o presidente da RTA, «as contas estão consolidadas e os encargos estão todos em dia», ainda que, para isso, tenha sido necessário contrair «um empréstimo».

Com a casa “arrumada”, é mais fácil olhar para fora, neste caso, para uma estratégia para o Turismo algarvio. Essa, para Desidério Silva, passa desde logo por «trabalhar em parceria e em rede», defendendo que o Algarve tem de ter «uma estratégia única e de falar a uma só voz, enquanto região turística».

«Acabou o tempo dos quintais e das quintinhas. Tem de ser o Algarve no seu todo. Quem não entrar no comboio neste processo, dificilmente apanhará a carruagem mais à frente», avisou.

Um dos grandes enfoques de Desidério Silva, desde que chegou à direção do Turismo do Algarve, tem sido o desenvolvimento e estruturação de produtos complementares ao Sol e Mar. E insistiu novamente que esta é uma oferta que tem de ser potenciada, pois é aquilo que pode servir de elemento diferenciador da região em relação aos destinos concorrentes.

«O Algarve tem muitos produtos, como a gastronomia, a natureza, a náutica e os valores naturais, mas a maioria dos turistas que cá vem não sabe. Temos de saber mostrá-los, no futuro», defendeu, acrescentando que este é um dos caminhos para combater a sazonalidade. «Não quero falar sobre o Algarve só no verão, quero falar da região durante o ano inteiro», ilustrou.

A Assembleia Geral em que a nova direção foi eleita (era a única lista) decorreu ontem, às 15 horas, estiveram presentes representantes de 27 das 33 entidades que a compõem. O resultado final foi de 25 votos a favor, uma abstenção e um voto contra.

 

«Não vou bater, não!»

 

Desidério Silva decidiu não atacar o Governo na sua intervenção de tomada de posse, mas isso não impediu o presidente da RTA de enviar alguns recados para Lisboa, através do secretário de Estado do Turismo Adolfo Mesquita Nunes, presente na cerimónia.

«Não vou bater, não!», disse Desidério Silva, em tom de brincadeira, dirigindo-se ao membro do Governo, antes de começar a discursar.

No seu discurso, porém, deixou bem claro que o Algarve quer ter uma palavra a dizer em tudo o que disser respeito à promoção da região. Além disso, chamou a atenção para alguns dos problemas que afetam o turismo e que exige ver resolvidos.

«Precisamos de competitividade fiscal, da requalificação urgente da EN125 e queremos que o processo de cobrança de portagens na Via do Infante seja revisto, nomeadamente no que diz respeito ao pagamento e à forma como é feito», disse.

Em resposta a estas solicitações, Adolfo Mesquita Nunes prometeu que as novas Regiões de Turismo na estruturação dos produtos turísticos. «O papel das RT neste campo é fundamental. Nunca um membro do Governo conhecerá e compreenderá melhor as regiões do que estas entidades», considerou.

Comentários

pub
pub