Bela Tárr e Chris Marker em destaque na programação do Cineclube de Faro

O realizador húngaro Bela Tárr, o multifacetado artista Chris Marker e cinema português vão estar em destaque na programação do […]

O realizador húngaro Bela Tárr, o multifacetado artista Chris Marker e cinema português vão estar em destaque na programação do Cineclube de Faro para janeiro e fevereiro.

Apesar dos «desafios hercúleos face às atuais circunstâncias já de si particularmente difíceis», a direção do Cineclube começa o ano a renovar o compromisso de fazer tudo ao seu alcance para «que a magia e o sonho do Cinema sejam uma das constantes com que a cidade de Faro, e os sócios e amigos do CCF podem contar durante este difícil ano».

Em Janeiro, na sede do Cineclube de Faro, todas as sessões de quinta-feira são dedicadas ao cineasta húngaro. O ciclo «O Mundo Começa e Acaba em Bela Tárr» começa dia 17 de janeiro e continua até ao dia 7 de fevereiro, sempre às 21h30 e com entrada livre.

Na próxima quinta-feira será apresentado o filme «Danação». A 25 de janeiro será a vez da obra «O Tango de Satanás» (considerado “o melhor filme de todos os tempos” na recente sondagem da Sight & Sound), seguido a 31 de «As Harmonias de Werckmeister». No dia 7 de fevereiro será exibido «O Homem de Londres».

A partir de dia 14 de fevereiro, as sessões gratuitas na sede são dedicadas ao cineasta, poeta, escritor, fotógrafo, editor, designer, videografista, entre outras, Chris Marker, no ciclo «Chris Marker: Artista Total».

No Dia dos Namorados, o filme a exibir é «Sem Sol», seguido a 21 de fevereiro pela obra «Nível 5». O ciclo encerra a dia 28 com o filme «O Pontão».

Além das sessões na sede, o Cineclube de Faro continuará a levar o cinema à sala da delegação de Faro do Instituto Português do Desporto e Juventude. As sessões no IPDJ têm lugar às terças-feiras, às 21h30.

As sessões, neste caso, são pagas e em janeiro os cineastas portugueses estão em maioria. Na próxima terça-feira, é lançado o ciclo «O Mundo Não Acaba Aqui», com a exibição do filme «Operação Outono», de Bruno de Almeida. Além da sessão noturna, neste caso haverá uma sessão para as escolas às 15h30.

No dia 22 de fevereiro será exibida a obra «César deve Morrer», de Paolo e Vittorio Taviani, enquanto a 29 a sugestão do Cineclube de Faro é o filme «Deste Lado da Ressureição», de Joaquim Sapinho.

As sessões pagas custam 2 euros para sócios do Cineclube de Faro, 3,5 euros para estudantes e 4 euros para o público em geral.

«Para além do nosso compromisso e determinação, o CCF precisa também do apoio e contributo dos nossos sócios, amigos e da cidade, quer seja através da sua inestimável presença e participação, quer seja com as suas ideias ou projetos», alerta a direção do Cineclube.

«Porque é nas alturas mais difíceis que a necessidade de união e contributo de todos mais se faz sentir, apareçam, contribuam e participem, é o repto que lançamos, juntamente com os votos de um ano fantástico, pleno em realizações», apelaram os responsáveis pela associação.

Comentários

pub
pub