Historiador marroquino lança livro com visão árabe da conquista da Península Ibérica

E se o que se conhece sobre a conquista pelos muçulmanos da Península Ibérica estivesse errado? Isso é o que […]

E se o que se conhece sobre a conquista pelos muçulmanos da Península Ibérica estivesse errado? Isso é o que defende o historiador marroquino Ahmed Tahiri no seu livro “Fath al-Andalus y la incorporación de Occidente a Dar al-Islam”, que vai ser apresentado esta sexta-feira, dia 2 de março, às 18h00, na Biblioteca Municipal Vicente Campinas em Vila Real de Santo António.

Os múltiplos sentidos do termo árabe “Fath”, que pode traduzir-se para o português como invasão, conquista, abertura, vitória ou incorporação, serve de pretexto ao professor Tahiri para uma profunda e original análise, mil e trezentos anos depois do nascimento do Al-Andalus, trazendo à luz fontes árabes pouco ou mal conhecidas, quando não silenciadas, numa narração polémica mas também estimuladora de debate enriquecedor em torno do período da conquista do al-Andalus.

A questão, segundo o historiador, é que o que se conhecia até agora sobre aquele período histórico era baseado em fontes cristãs, enquanto a sua investigação foi à procura das fontes árabes antigas, algumas delas desconhecidas até agora.

Ahmed Tahiri (Alhucemas, Marrocos, 1958), doutor em História Medieval (Al-Andalus) e catedrático nas Universidades Hassam II de Mohammedia y Abdel Malik Essaadi de Tetuán, professor convidado na Universidade Ain Shems do Cairo e Lumière II de Lion, assíduo conferencista em países árabes e europeus, reputado investigador e autor de obras em árabe, espanhol, francês, inglês e português.

Ahmed Tahiri é também presidente da Fundação hispano-marroquina Al-Idrisi com quem o Município de Vila Real de Santo António vem mantendo uma estreita colaboração que se materializou já na organização do congresso “Itinerários e Reinos. Uma Descoberta do Mundo. O Gharb Al-Andalus na Obra do Geógrafo Al-Idrisi” (2008), cujas atas foram publicadas no ano passado, e na edição do livro da sua autoria “Cacela e o seu poeta Ibn Darraj al-Qastalli na história e literatura do al-andalus” (2009), cuja investigação se baseou numa extensa consulta das fontes árabes antigas, com o pretexto de melhor se conhecer a biografia do poeta e a história de Cacela (Qastalla) no período islâmico.

 

Comentários

pub
pub