Comissão de Utentes da Via do Infante promete «ação surpresa» anti-portagens por altura dos Reis

A Comissão de Utentes da Via do Infante promete «uma ação surpresa, cujos pormenores serão mais tarde divulgados», a ocorrer […]

A Comissão de Utentes da Via do Infante promete «uma ação surpresa, cujos pormenores serão mais tarde divulgados», a ocorrer por altura dos Reis Magos, ou seja, em princípios de janeiro.

Esta foi uma das decisões que saíram da reunião de ontem à noite, em Loulé, onde ficou ainda decidido que, nos próximos dias, «irá ser lançada uma nova petição pública dirigida à Assembleia da República, onde se espera recolher dezenas de milhares de assinaturas por toda a região pedindo a abolição das portagens».

Por outro lado, «nos inícios do mês de janeiro irá ter lugar uma assembleia de utentes da Via do Infante aberta a toda a gente, em local e data a anunciar oportunamente e onde serão aprovadas novas formas de luta».

É que a Comissão considera que «a luta contra as portagens no Algarve não pode parar e deverá recrudescer de intensidade». Por isso, apela «à sociedade civil algarvia para a constituição de uma ampla plataforma de luta contra as portagens na região».

Segundo a CUVI, «utentes, empresários, autarcas, associações e outros cidadãos do Algarve deverão congregar vontades e juntar forças em prol do desenvolvimento económico e social do Algarve», já que «as portagens na Via do Infante estão a matar o Algarve».

A Comissão salienta, em comunicado, que a reunião constatou «o que seria previsível – a EN 125 transformou-se num autêntico e perigoso caos rodoviário, com longas filas de trânsito intermináveis a fazer lembrar os anos infernais dos finais do século XX».

Por tudo isto, sublinha a CUVI, «os utentes encontram-se desesperados, os empresários fazem contas à situação das suas empresas, os turistas começam a boicotar o Algarve».

De tal modo que «a grave crise que se abate presentemente sobre a região algarvia ameaça transformar-se numa catástrofe social e económica».

Assim, segundo a Comissão, «perante uma situação de emergência, os responsáveis políticos não poderão continuar a persistir teimosamente no seu autismo e prepotência, devendo suspender imediatamente as portagens na Via do Infante. Só não vê quem não quer ver, ou é absolutamente irresponsável».

No seu comunicado, a Comissão de Utentes congratula-se e saúda a Assembleia Municipal de Faro por, na noite passada, ter aprovado a suspensão de portagens na Via do Infante.

E apela para que «em todas as Assembleias Municipais e outros órgãos autárquicos do Algarve sejam aprovadas moções pedindo a anulação das portagens. É necessário fazer ver ao governo e a outros responsáveis políticos que os algarvios resistem e que continuam a lutar pela dignidade, justiça e sobrevivência».

No próximo dia 21 de dezembro, por iniciativa do Grupo Parlamentar do PCP, vai ser discutido na Assembleia da República o decreto-lei do governo que introduziu as portagens.

«Todos os deputados do país e, em particular do Algarve, têm mais uma vez a oportunidade de votar para derrotar esse famigerado decreto-lei. Os utentes e populações da região deverão estar atentos no dia 21 para ver quais os deputados que irão votar a favor ou contra o Algarve», avisa a CUVI.

Comentários

pub