“Xô das Velhas”: Uma comédia que serve para pensar estreia sexta feira em Serpa

Quem disse que as comédias só servem para rir? Esta serve para refletir. O «Xô das Velhas» é a proposta […]

Quem disse que as comédias só servem para rir? Esta serve para refletir. O «Xô das Velhas» é a proposta teatral da nova co-produção da Al-Masrah (Tavira) e Baal 17, de Serpa, naquela que já vai sendo uma parceria habitual entre as duas companhias e estreia sexta feira, dia 11 de novembro, no Teatro Municipal daquela cidade alentejana.

A peça, essa, propõe-se a fazer rir. Mas não só: o ponto de partida é uma reflexão sobre a contemporaneidade, sobre um mundo cada vez mais formatado para o lucro e obcecado com a juventude.

Para o encenador Rui Ramos, este espetáculo «é uma criação coletiva», não só porque é uma co-produção, mas também porque «não parte de um texto, mas de ideias e do trabalho dos atores».

Segundo o também diretor artístico da companhia Baal 17, a peça «tem muito a ver com a velocidade e o ritmo frenético dos nossos dias» – impostas também por ferramentas como a comunicação social ou a Internet – vistos por uma perspetiva que se adivinha desadequada: «pelo ponto de vista dos idosos, dos mais velhos».

Mas para o encenador, esta comédia não se faz apenas de momentos risíveis. É que a peça retrata também «as tragédias do dia-a-dia: a solidão, a morte, a juventude perante a morte…».

Por sua vez, o diretor artístico da companhia algarvia Al-Masrah e um dos atores neste espetáculo, Pedro Ramos, fala numa peça que tem algo de «tragicómico»: «Esta é uma comédia mas não só – é muito mais que isso. É também uma trágicomédia, uma crítica ao nosso dia-a-dia, ao mundo, pela perspetiva dos mais velhos».

A nível técnico, o espetáculo conta com uma componente tecnológica, de imagem e vídeo bastante marcada, idealizada até «pela oposição à aparente incapacidade que os mais velhos têm para lidar com estas questões», mas «o mais difícil» de tudo foi mesmo «a abordagem a temas tão sensíveis».

«É difícil encenar este espetáculo, não pelas pessoas – ou pela heterogeneidade do grupo – mas pelos temas. Como abordar uma temática como a velhice? Nenhum de nós é velho, por exemplo, e uma das primeiras questões que colocámos foi essa: o que é ou como falar de uma idade pela qual nenhum de nós ainda passou?”, conta o encenador Rui Ramos ao Sul Informação.

 

Mais espetáculos em agenda

Depois da estreia em Serpa, na sexta-feira (11 de novembro, 21h30), no Cineteatro municipal, o «Xô das Velhas» vai ter mais duas sessões naquela cidade, no sábado e domingo (às 21h30 e 17h00, respetivamente), seguindo depois para Castro Verde, onde há atuação no dia 19 de novembro, e Valongo, a 3 de dezembro, onde a peça é levada à cena durante a Mostra Internacional de Teatro, no Centro Cultural do Campo.

O espetáculo segue depois para uma sessão no Algarve, no dia 10 de dezembro, no Auditório Municipal de Olhão, naquele que deverá ser a última apresentação do ano.

Mas para o início do próximo, no entanto, prevêem-se mais atuações, adianta ao Sul Informação o diretor artístico da companhia algarvia Pedro Ramos, nomeadamente no Algarve, onde a Al-Masrah tem sede.

 

Saiba mais aqui: http://al-masrahteatro.blogspot.com/


 

Comentários

pub
pub