Paradoxon faz cinema apesar da falta de apoios e estreia “Faminto” em dezembro (c/ trailer)

Depois de «Insónia» e de «Manhã Triste», que arrecadaram distinções e elogios, a Paradoxon Produções estreia, em dezembro, a sua […]

Depois de «Insónia» e de «Manhã Triste», que arrecadaram distinções e elogios, a Paradoxon Produções estreia, em dezembro, a sua nova curta-metragem: “Faminto”.

A dupla de realizadores algarvia composta por Hernâni Duarte Maria e Pedro Noel da Luz continua a lutar para fazer cinema, apesar da falta de apoios que nem o prémio de melhor filme nacional do Festival Internacional de Cinema de Arouca, conquistado em 2008 (Insónia), ajudou a solucionar.

Segundo Hernâni Duarte Maria, Faminto «vem no seguimento do que foi feito até aqui. Será um filme de ambiente claustrofóbico, a preto e branco, com diversas reviravoltas ao longo da história. Centra-se num assalto, numa rapariga, num parque de estacionamento isolado…». E mais o realizador não adianta.

Ao Sul Informação, Hernâni Duarte Maria adiantou que as expetativas para este filme são altas, uma vez que a dupla de realizadores quer que «o filme seja melhor que o anterior. À partida, é sempre esse o objetivo. Queremos melhorar a realização e a produção e continuar a realizar e a produzir cinema. Logo se vê se haverá prémios. Não pensamos nisso, mas se acontecer serão bem vindos».

O prémio que a Paradoxon Produções conquistou em 2008 no Festival de Arouca fez com que a dupla fosse falada na imprensa regional e nacional, mas, em termos práticos, os benefícios ficaram por aí. «Nada mudou com o prémio, tudo ficou igual. Continuamos nas produções independentes. O prémio não trouxe nada, nem visibilidade, nem apoios, nem sequer o reconhecimento pelo trabalho feito desde 1997», lamenta Hernâni Duarte Maria que deixa ainda críticas à forma como o cinema é tratado em Portugal e no Algarve.

«Filmar em Portugal é um desafio e um caminho sinuoso e complicado. Mas, para quem gosta de cinema, como nós, todos os obstáculos são superados. No nosso caso, enquanto cineastas independentes, cujos orçamentos dos nossos filmes são irrisórios, ainda se torna mais complicado, mas com empenho e apoio de amigos , temos conseguido continuar este nosso trajeto. No Algarve, as coisas nunca evoluíram, estão estagnadas. Não existe apoio na produção, ou na divulgação. É uma nulidade em todos os aspetos. Sentimos que temos sido, desde há muito tempo, ignorados pelos órgãos de comunicação social e outras entidades algarvias», afirma.

Apesar de todas as dificuldades, o co-realizador de Faminto, adianta que, na produção do novo filme, houve «mais pessoas a trabalhar connosco, material técnico de maior qualidade, e uma produção mais elaborada, para nosso regozijo».

Dezembro vai ser o mês da estreia do novo filme da Paradoxon, mas o dia e os locais ainda não estão definidos. «Ainda não há data, nem locais para a estreia mas, em dezembro, irá estrear em Faro e em Lisboa».

Com um argumento de Tiago Inácio e música de Iládio Amado, Faminto conta com um elenco composto por Sofia Reis, Henrique Pereira , Philippe Leroux, Hugo Costa Ramos , Inês Tarouca, Patrícia Castello Branco e Miguel Rufino.

Faminto Trailer Oficial Paradoxon Produções 2011 from Paradoxon Produções on Vimeo.

Comentários

pub
pub