Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lagos comemorou 125 anos no Dia do Município

“Todas as corporações [de Bombeiros] desejariam ter dotação orçamental para poderem ter mais e melhores meios, mas a verdade é […]

“Todas as corporações [de Bombeiros] desejariam ter dotação orçamental para poderem ter mais e melhores meios, mas a verdade é que agora é preciso definir prioridades e fazer o melhor que pudermos fazer com os meios já existentes”, disse o secretário de Estado da Administração Interna Filipe D´Ávila, nas comemorações dos 125 anos da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lagos, que se assinalaram no dia 27 de outubro, feriado municipal daquela cidade.

As atividades protocolares previstas para o dia 27 de outubro, Dia do Município, tiveram início na Praça do Infante, com o Hastear das Bandeiras, ocasião que reuniu todo o executivo municipal, representantes dos órgãos autárquicos, da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lagos e das várias hierarquias do dispositivo de Proteção Civil, forças de segurança, coletividades e associações do concelho e demais convidados – entre os quais o presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande (Açores) e uma comitiva de Porto Seguro (Brasil) em visita oficial a Lagos – que se quiseram associar a esta iniciativa.

O momento das intervenções acabou por se concretizar no Centro Cultural de Lagos (CCL), uma vez que as condições climatéricas não permitiram que se desenrolasse ao ar livre.

Já no CCL, a mesa de honra foi ocupada pelo secretário de Estado da Administração Interna, pelo presidente da Câmara Júlio Barroso, pelo presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil, Major General Arnaldo da Cruz, pelo vice-presidente do Conselho Executivo da Liga dos Bombeiros Portugueses Rodeia Machado, e ainda pelos presidentes da direção da Associação Humanitária dos BVL e da Assembleia Municipal de Lagos, e pelo comandante do Corpo de Bombeiros Voluntários de Lagos e comandante Operacional Municipal, Paulo Jorge Reis.

A cerimónia foi iniciada com a atribuição de condecorações a quatro elementos do corpo de Bombeiros Voluntários de Lagos (Medalha de Dedicação – 25 anos). Esta medalha destina-se a galardoar elementos do Corpo de Bombeiros, com 25 anos de assiduidade, dedicação e de bons e efetivos serviços prestados à causa dos Bombeiros Portugueses. Foi atribuída a Manuel Maria Custódio da Costa (Adjunto de Comando); Rui Manuel Carvalho Rodrigues e José Manuel Costa da Glória (Chefes) e a Jorge Luís Bento dos Santos (Subchefe).

Seguiram-se as alocuções tendo, em primeiro lugar, tomado a palavra o presidente da AM Paulo Morgado, que aproveitou o momento para “felicitar e prestar homenagem a todos os homens e mulheres que têm servido a sua comunidade, ao longo destes 125 anos, sempre sem regatear esforços. Sei que em situações adversas, no que depender dos nossos «soldados da paz» tudo correrá com tranquilidade e segurança”.

De seguida falou Rodeia Machado, relembrando que “temos 600 anos de história de Bombeiros, vividos com dedicação à causa e ao lema «Vida Por Vida»”. Relembrando que “no nosso país, mais de 32 mil homens e mulheres prestam apoio voluntário à comunidade”, não quis deixar também ele de aproveitar o momento da sua intervenção “para publicamente prestar uma merecida homenagem aos Bombeiros Voluntários de Lagos”.

Sendo Feriado Municipal, o presidente da Câmara de Lagos começou por lembrar que “este dia é, em primeiro lugar, de homenagem ao nosso concelho que tanto tem oferecido à região e à própria história de Portugal”.

Como não podia deixar de ser deixou uma palavra de homenagem a “todos os nossos bombeiros, que são e serão sempre, uma mais valia para Lagos. Esta é a nossa mais antiga instituição/associação lacobrigense, e, também por esse motivo, este ano nos associamos ao seu aniversário”.
Lembrando os tempos difíceis que se fazem sentir, o autarca, anunciando desde logo “todo o apoio possível ao Governo da Nação” (ali representado pelo secretário de Estado), recordou Fernando Pessoa, e mostrou-se convicto de que “Lagos e Portugal irão ultrapassar estes tempos menos bons e, vamos mais tarde poder dizer «Valeu a pena? Tudo vale a pena se a alma não é pequena»”.

Cabendo-lhe a última intervenção, o secretário de Estado da Administração Interna Filipe D´Ávila começou por referir que era de “total justiça honrar e homenagear todos os homens e mulheres que todos os dias oferecem um pouco de si à comunidade onde estão inseridos, sem nunca pedirem nada em troca. O governo reconhece que os Bombeiros assumem um papel relevante junto das suas populações e que são das instituições mais estimadas no nosso país”.

Sublinhando que o Governo está consciente de todas as dificuldades que o país atravessa, “e que todas as corporações desejariam ter dotação orçamental para poderem ter mais e melhores meios, a verdade é que agora é preciso definir prioridades e fazer o melhor que pudermos fazer com os meios já existentes”.

Ao terminar, o membro do Governo aproveitou para, uma vez mais, “saudar a coragem destes bombeiros, o seu altruísmo e a sua generosidade, que, com certeza, honram o concelho de Lagos e o nosso país”.

No final da cerimónia, a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lagos foi agraciada com duas das mais importantes distinções honoríficas: a Liga dos Bombeiros Portugueses atribuiu a Fénix de Honra Grau Ouro 125 anos.

Por seu turno, o secretário de Estado da Administração Interna atribuiu a Medalha de Mérito de Proteção e Socorro, no Grau Ouro e distintivo azul (concedida na sequência do Despacho n.º 7540/2011 exarado pelo Ministro da Administração Interna), que reconheceu nos 125 anos desta Associação “o exemplar percurso da sua existência ao serviço da comunidade e da proteção e socorro das populações, com uma actuação sempre caracterizada pelo heroísmo, a abnegação e a solidariedade com o próximo”.

A cerimónia terminou, ao som do Hino da Cidade, tocado pela Banda Filarmónica Lacobrigense 1.º de Maio.

As comemorações do Dia do Município prosseguiram com diversas atividades, nomeadamente a Sessão Solene e o Lançamento da 1ª Pedra do Lar Residencial da NECI – Núcleo de Educação da Criança Inadaptada.

Comentários

pub