Incubadoras no Algarve, o segredo do sucesso

Há um método que produz bons resultados, que aumenta o número de postos de trabalho e o rendimento per capita nos territórios em que se instala

Há anos que digo e escrevo – e pratico, já agora – que poucos ecossistemas empreendedores têm condições tão favoráveis para o sucesso de novas empresas como o Algarve.

A StartUp Portimão é disso um bom exemplo, com 13 empresas a investirem e a fazerem negócios com níveis de conquista de mercados verdadeiramente notáveis.

Mas há também outros casos de sucesso a assinalar, como o Centro Regional para a Inovação do Algarve – CRIA, sediado na Universidade, em Faro: mais de 40 empresas, mais de 120 postos de trabalho criados, mais de sete milhões de vendas nacionais, mais de cinco milhões de exportações.

Claro que o CRIA tem a vantagem de funcionar no interior de uma universidade, mas as experiências de sucesso também ocorrem noutros contextos… e na mesma cidade: a Faro Avenida – um espaço de “coworking” no centro da capital do Algarve, só para dar um exemplo – está a funcionar de forma magnífica, com 26 escritórios cheios, muitos negócios a serem feitos e, até, lista de espera!

Se me refiro a estes bons exemplos, a estes casos de sucesso, é só por uma razão: há uma forma de trabalhar, um modo de lançar e de gerir incubadoras e centros de negócios para “startups”, que resulta.

Há um método que produz bons resultados, que aumenta o número de postos de trabalho e o rendimento per capita nos territórios em que se instala.

Ora, se há uma forma de trabalhar e de gerir o lançamento de novos negócios e novas empresas que produz bons resultados, não há nenhuma razão para que esse mesmo método não seja replicado noutras organizações do Algarve para produzir idênticos resultados.

Aquilo que estou a tentar demonstrar é que – se houver à partida uma pequena base de condições essenciais – estes casos de sucesso podem-se replicar noutras cidades do Algarve, tanto no que diz respeito a projetos industriais, como a bons negócios para o setor do comércio e serviços.

Esses novos projetos até poderão começar em incubadoras e centros de negócios que já estão a funcionar, mas que, por uma razão ou por outra, ainda não encontraram o caminho para abrirem as asas e voar.

Esses projetos que já estão no terreno – municipais ou de associações empresariais – são sempre um bom ponto de partida. Com a gestão e a comunicação certas, têm tudo para descolarem e para atingirem os indicadores de sucesso do casos de que falei no início deste texto.

Há, também, dois ou três aspetos a ter em conta. A rede informal de contactos e de partilha de informação entre incubadoras tem de funcionar mais e melhor.

As sinergias entre empresas precisam de ser estimuladas por uma comunicação mais intensa entre os interlocutores de cada unidade. E precisam também ser trabalhadas com profissionalismo, com sentido de oportunidade, com espírito de negócio!

É isto que é preciso lançar e construir: uma rede de apoio ao empreendedorismo, uma rede de atração do investimento. O Algarve é um mar de oportunidades de negócio à espera de ser rentabilizado.

 

Autor: Luís Matos Martins
Territórios Criativos
StartUp Portimão

Comentários

pub
pub