Incêndio de Monchique dado como dominado pela Proteção Civil

Ao fim de quase oito dias, o fogo foi finalmente considerado como «dominado»

O incêndio de Monchique foi dado como dominado há instantes. A última atualização do site da Proteção Civil, feita há minutos, deu conta de que o incêndio está dominado e em resolução, quando se estava a entrar no oitavo dia de chamas a lavrar.

No terreno, continuam muitos meios – 1371 operacionais, apoiados por 442 veículos -, bem como máquinas de rastos. Os meios aéreos também já estão a atuar e deverão continuar a dar uma ajuda às forças no terreno na consolidação deste incêndio que, segundo os últimos dados, queimou mais de 27 mil hectares de serra nos concelhos de Monchique, Silves, Portimão e Odemira.

No briefing realizado ontem, quinta-feira, ao final da tarde, a situação já era apontada como «favorável» e o incêndio já estava «globalmente estabilizado», de acordo com a 2ª comandante operacional nacional.

Mas não era altura de descansar, garantiu Patrícia Gaspar, que assegurou que os meios se iam manter todos no terreno, para consolidar o trabalho feito ao longo do dia, em que as forças no terreno tiveram de lidar com diversos reacendimentos, que conseguiram debelar rapidamente.

A boa notícia do incêndio dominado, no site da Proteção Civil

Esta manhã, em nova conferência de imprensa, a responsável operacional pelo combate às chamas no incêndio de Monchique manteve o discurso cauteloso, embora tenha assegurado que «não existe risco significativo do fogo sair da área que já afetou».

Ainda assim, continuam a existir «alguns pontos quentes» e haverá, «seguramente, reacendimentos, nas próximas horas e até nos próximos dias», que as forças no terreno querem atacar de imediato. Ao mesmo tempo, o dia será de consolidação do trabalho já feito, de vigilância e rescaldo.

«Apesar do incêndio estar dominado, não vamos cruzar os braços. Vamos manter toda a nossa energia e dedicação», assegurou Patrícia Gaspar.

Até porque os bombeiros e demais forças no terreno têm pela frente «um dia adverso, em termos meteorológicos», a que se seguirá «uma noite que já não apresentará a recuperação das anteriores», nomeadamente no que toca à humidade relativa, que deverá «ser baixa» – esta noite atingiu os 80%.

Também os meios aéreos irão continuar a ajudar na operação, incluindo um avião de reconhecimento, que «permite identificar pontos quentes», o que dá uma ajuda preciosa ao comando da Proteção Civil na hora de posicionar os meios.

Entretanto, enquanto toda a zona atingida pelo fogo tenta voltar à normalidade possível, esta manhã mantém-se apenas fechado um troço da EN266, entre o Rasmalho e Monchique. A partir de sul, o acesso a esta vila pode fazer-se pela estrada de Odelouca ao Alferce, pela estrada de Portimão a Casais e daí a Monchique, ou mesmo pela via de Aljezur a Marmelete e Monchique.

 

Atualizado às 9h15 com informação do briefing da Proteção Civil

Comentários

pub
pub