IP apenas quer rotunda de «carácter definitivo» e não provisório para a Praia Verde

IP autorizou rotunda provisória, num primeiro momento, mas agora vem defender outra solução

Num primeiro momento, a Infraestruturas de Portugal (IP) tinha autorizado a construção de uma rotunda provisória no cruzamento perigoso da Praia Verde, na EN125, em Castro Marim. Agora, a mesma empresa entende que a solução «é uma rotunda com carácter definitivo e não provisório». 

Em resposta às perguntas do Sul Informação, a IP diz que essa rotunda definitiva é a «solução mais adequada» para a «resolução das dificuldades de tráfego que se fazem sentir nos meses do Verão no cruzamento entre a EN125 e a Praia Verde».

A IP acrescenta que o projeto para essa solução definitiva já «foi desenvolvido», mas a implementação está «dependente da decisão do Pleno do Tribunal de Contas no recurso que foi apresentado» devido à recusa de visto à revisão do contrato da subconcessão do Algarve Litoral.

A empresa, no esclarecimento que enviou ao nosso jornal, não explica porque razão voltou atrás na sua decisão de autorizar a Câmara de Castro Marim a avançar com uma intervenção provisória, para tentar minimizar os perigos no atual cruzamento da EN125.

Segundo a autarquia castromarinense, a Infraestruturas de Portugal tinha dado, num primeiro momento, autorização à autarquia para construir a rotunda.

De tal forma que o Município já tinha, inclusive, comprado os materiais e preparava-se para, na passada sexta-feira, 13 de Julho, começar a obra.

A autarquia já veio a público contestar a decisão, lamentando «esta mudança súbita de posição das Infraestruturas de Portugal, que considera revelar um profundo desrespeito para com o já assumido e um profundo desrespeito para com os algarvios do Sotavento, ao continuar o estrangulamento automóvel neste cruzamento nos meses de Verão».

Comentários

pub
pub