Dispositivo de Combate a Fogos no Algarve reforçado e com muitas novidades

Mais operacionais, mais e mais modernos veículos, três helicópteros em permanência, mais postos de vigia fixos, um novo grupo de […]

Mais operacionais, mais e mais modernos veículos, três helicópteros em permanência, mais postos de vigia fixos, um novo grupo de ataque ampliado do GIPS da GNR, mais duas equipas de vigilantes do ICNF, mais três equipas de intervenção permanente, reforço da Equipa de Análise e Uso do Fogo da força especial de bombeiros, mais três equipas de Sapadores Florestais, uma nova equipa tática de empenhamento de máquinas de rasto e ainda um novo grupo de combate a incêndios florestais.

Estas são, em resumo, algumas das novidades do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) para o Algarve, que ontem foi apresentado pelo comandante operacional regional da Proteção Civil, durante a inauguração oficial da feira AlgarSafe, em Portimão, e na presença do ministro da Administração Interna.

Para a região do Algarve, estão mobilizados 623 operacionais dos bombeiros, do exército e forças de segurança, com 161 veículos e três helicópteros, na fase considerada mais crítica, entre 1 de Julho e 30 de Setembro.

O comandante Vaz Pinto anunciou ainda que, este ano, o DECIR Algarve terá mais três equipas de intervenção permanente, distribuídas por Alcoutim, Monchique e Portimão, bem como um aumento das equipas de logística, de apoio e de combate aos incêndios florestais.

O Algarve passa a contar também em permanência, durante todo o ano, com um grupo de ataque ampliado do Grupo de Intervenção, Proteção e Socorro (GIPS) da Guarda Nacional Republicana (GNR), constituído por 30 militares e sete veículos.

O ministro Eduardo Cabrita, responsável pela pasta da Administração Interna, presente na apresentação do DECIR, salientou, depois, a importância de ter «pela primeira vez, uma estrutura de ataque ampliado da GNR no Algarve, uma das quatro existentes no continente».

Comandante Vítor Vaz Pinto

Haverá igualmente dois helicópteros ligeiros, sendo integrado mais um meio aéreo entre 1 de Julho e 30 de Setembro. Estes helicópteros de ataque inicial, operacionalizados pelos GIPS da GNR, estão estacionados em Monchique, Loulé e Cachopo, permitindo uma cobertura total da região. Há ainda um quarto helicóptero, em Ourique já no Alentejo, mas capaz de prestar auxílio ao Algarve, se necessário.

Por outro lado, uma nova equipa de militares do exército será integrada em ações de vigilância em sete municípios (Alcoutim, Castro Marim, Loulé, Monchique, São Brás de Alportel, Silves e Tavira), passando para sete as equipas que vão fazer vigilância em áreas predominantemente rurais.

Haverá ainda mais duas equipas de vigilantes do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), sendo reforçada a Equipa de Análise e Uso do Fogo (EAUF) da força especial de bombeiros, com base em Loulé, e criadas mais três equipas de Sapadores Florestais, estendendo-se a sua ação aos concelhos de Aljezur, Monchique e São Brás de Alportel.

Novidade, este ano, é também a equipa tática de empenhamento de máquinas de rasto, com dois especialistas, prontos a atuar em conjunto com as 10 máquinas de rasto garantidas pelos municípios.

Haverá igualmente um novo grupo de combate a incêndios florestais.

Quanto aos postos de vigia fixos, este ano há um total de 12, dos quais cinco entraram já em funcionamento a 7 de Maio e vão prolongar a sua ação até 6 de Novembro. Os restantes, entram em ação a 1 de Junho.

O novo e sofisticado veículo da Equipa de Reconhecimento e Avaliação da Situação, dos Bombeiros de Portimão

A par do reforço dos meios, também os 16 municípios algarvios reforçaram o financiamento para o dispositivo, num montante que este ano ronda os 400 mil euros.

Para os bombeiros haverá ainda um pagamento extra: vão receber 65 euros por cada 24 horas de trabalho, sendo 50 euros suportados pela Autoridade Nacional de Proteção Civil e os restantes 15 euros pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL), composta pelas 16 câmaras algarvias.

Aliás, Jorge Botelho, presidente da AMAL, também presente na cerimónia, salientou que «os municípios do Algarve estão absolutamente comprometidos para que as coisas corram bem, quer na prevenção, quer no combate».

«Todos fizemos um grande esforço para termos um Algarve mais seguro, onde os fogos rurais não deverão acontecer, ou onde, a acontecerem, serão combatidos de forma imediata», acrescentou o autarca.

Por seu lado, Isilda Gomes, presidente da Câmara de Portimão e vice-presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses, com o pelouro da Proteção Civil e dos Bombeiros, defendeu que «nunca como agora se tinha trabalhado tanto na prevenção dos incêndios rurais».

No entanto, admitiu: «todos podemos fazer o melhor trabalho possível, mas, por muito que façamos, as coisas podem não correr bem».

A finalizar uma longa sessão de apresentação do DECIR, que inclui ainda a entrega, aos 16 municípios algarvios e à própria AMAL, dos certificados de «Municípios Resilientes», entregues pela ONU, o ministro da Administração Interna fez questão de sublinhar também o esforço feito em todo o país, nestes últimos meses, em termos de prevenção.

Ministro da Administração Interna cumprimenta operacionais

«O que aconteceu em termos de limpeza florestal foi uma grande vitória da sociedade portuguesa. Jamais de fez tanto nesta matéria, o que é mérito das populações, das associações de produtores florestais e dos autarcas», acrescentou Eduardo Cabrita.

O ministro elogiou ainda o trabalho da GNR, «que, ao longo dos cinco meses deste ano, foi muito além das suas funções tradicionais». De tal forma que, neste primeiros meses do ano, «limpou-se muito mais, mas as contraordenações também foram cinco vezes mais do que tinham sido no ano passado».

Por outro lado, também aumentaram os detidos por incêndios florestais: «esse número passou de 12 no ano passado, para 74 este ano…e ainda vamos em Maio».

«Depois de tudo o que aconteceu no ano passado, é nossa obrigação fazer tudo para que nada de semelhante jamais volte a acontecer», concluiu o ministro Eduardo Cabrita.

Um dos pontos altos da visita ao recinto da AlgarSafe – Feira Internacional de Proteção Civil e Socorro, que se seguiu, foi a apresentação do novo veículo da Equipa de Reconhecimento e Avaliação da Situação dos Bombeiros de Portimão, que está dotado de meios sofisticados, nomeadamente de um drone.

Este veículo até foi oferecido pelo concessionário da marca, mas, com a presença na AlgarSafe dos presidentes ou vereadores das 16 municípios algarvios, houve muitos autarcas e comandantes de bombeiros a espreitar com atenção a viatura, avaliando a hipótese de uma próxima aquisição.

 

Fotos: Elisabete Rodrigues | Sul Informação

 

Comentários

pub
pub