«Deuses vão beijar o Sol» assim que se começar a ouvir o “Credo” em Aljezur

É um «concerto extraordinário» que, através da música, fala de inter-religiosidade. Só vai ter uma sessão já este sábado, 26 […]

É um «concerto extraordinário» que, através da música, fala de inter-religiosidade. Só vai ter uma sessão já este sábado, 26 de Maio, às 19h00, na Praia de Monte Clérigo, em Aljezur, mas, quando este “Credo” universal se começar a fazer ouvir, os «deuses vão beijar o Sol». 

A metáfora, dita por Madalena Victorino, programadora do “Lavrar o Mar”, ao Sul Informação, expressa bem aquilo que será o espetáculo “Credo”.

No palco, montado num pequeno promontório na Praia de Monte Clérigo, vão estar músicos da italiana “Orchestra Di Piazza Vittorio”, de diferentes origens e religiões. Quando o sol se começar a pôr, inicia-se o concerto, criando a ideia de um cenário quase mítico: um género de concerto-oratória.

«Este espetáculo é uma ideia do maestro Mário Tronco, que juntou uma orquestra multicultural para tentar encontrar o som da inter-religiosidade», explicou Madalena Victorino.

No total, vão ser interpretadas nove canções, com inspiração em cânticos cristãos, muçulmanos e até budistas. Tudo junto cria «um credo universal».

O tema do multiculturalismo é transversal a vários espetáculos do “Lavrar o Mar”. Já no “Pasta e Basta”, por exemplo, se cozinhou um jantar multicultural com ingredientes de vários países.

E a escolha desta temática, desta vez para o “Credo”, não é inocente. «O mundo hoje é intercultural e só pode ser entendido assim. Mesmo em Aljezur, 60% da população é estrangeira. Só podemos pensar de forma multicultural», referiu Madalena Victorino.

Praia de Monte Clérigo

Este é um concerto cuja estreia ocorreu no Festival Todos, em Lisboa, em 2015. «Quando fizemos o espetáculo, gostámos tanto que pensámos logo numa nova oportunidade de o repetir», adiantou a programadora cultural.

E nada melhor do que a Praia de Monte Clérigo para tal.

«Aquela paisagem estonteante é também o nosso teatro. É um lugar tão belo, onde eu o Giacomo vamos tantas vezes passear, e, no âmbito do Lavrar o Mar, sempre pensámos em fazer lá algo».

Outro dos aliciantes do concerto é o facto de ser composto a partir de textos originais do padre católico José Tolentino Mendonça, a quem foi feito o convite para ir a esta apresentação em Aljezur. Mas como é alguém «com a agenda muito preenchida, só se nos fizer uma surpresa é que estará presente». Ainda assim, garante Madalena Victorino, «vai estar connosco em espírito».

Apesar da boa adesão do público, ainda há bilhetes que podem ser comprados aqui. Devido às condições do espaço e a um percurso pedonal de cerca de 1 quilómetro até ao local de apresentação, a organização do Lavrar o Mar recomenda que se leve calçado confortável para caminhar e um banco portátil, manta ou almofada para se sentar.

Para pessoas com restrições de mobilidade, está previsto um transporte neste percurso.

O “Lavrar o Mar”, da responsabilidade da cooperativa Cosanostra, tem o apoio do programa “365Algarve” e do CRESC Algarve 2020.

Comentários

pub
pub