Portimonense de Rui Águas venceu o Porto e goleador diz que a história se pode repetir

A 1 de Abril de 1984, despontava no Portimonense um jovem avançado de seu nome Rui Águas. Naquele dia, até […]

Foto: Arquivos do Portimonense

A 1 de Abril de 1984, despontava no Portimonense um jovem avançado de seu nome Rui Águas. Naquele dia, até nem marcou, mas esteve presente numa das últimas vitórias da equipa algarvia frente ao FC Porto (1-0). Anos depois, voltou a Portimão, quando já vestia de azul e branco.

Para o embate deste domingo, 25 de Fevereiro, o antigo jogador de Portimonense e FC Porto não arrisca um vencedor, mas deixa um aviso: o conjunto algarvio «pode ganhar a qualquer equipa». 

Com um percurso recheado de sucessos, Rui Águas, que também jogou no Benfica, conquistou quatro Campeonatos Nacionais e três Taças de Portugal, ao longo da carreira.

Mas a verdade é que tudo começou no Portimonense, na longínqua época de 1983/1984, e pela mão de um algarvio: o treinador Manuel José.

Antes de rumar ao Algarve, o antigo avançado ainda jogou pelo Atlético, mas não como profissional, facto importante para esta história.

«Na altura, o Atlético jogava na Madeira e o jogo era um dia antes de o Vitória de Guimarães, treinado pelo Manuel José, também lá jogar. Ele foi ver o jogo e gostou do que fiz. Depois, quando foi para o Portimonense, foi-me buscar», recorda ao Sul Informação. 

Deste início de carreira, as recordações «são muito boas». «Portimão foi uma cidade onde fui muito feliz. O meu rendimento foi bom e também coincidiu com a primeira vez que fui pai. Há várias coisas que me fazem sorrir ao pensar na minha passagem pelo Portimonense».

Naqueles tempos, Rui Águas, que tinha no forte cabeceamento um principais trunfos, partilhou o balneário com Vítor Oliveira, atual treinador dos algarvios, seu amigo, e que classifica como «um técnico experiente». Aliás, juntos, até ganharam ao FC Porto, nesse encontro de Abril de 1984, em que Bernardito Pedroto marcou, de penalti, o único golo.

«Foi um jogo equilibrado. O Porto tinha uma competição europeia e eu intervenho num lance em que lesionei o Eurico, que era defesa central. Ele até ficou fora do jogo europeu. Facturou o maxilar, uma coisa chata de que não me esqueço», recorda ao Sul Informação. 

Fazendo uma análise do regresso do seu Portimonense à I Liga, o antigo avançado diz que a equipa algarvia «está a brilhar». «Tem jogadores bons, rápidos, e o público está com a equipa. Há alguma oscilação, o que é normal porque o campeonato é longo, mas o Portimonense está numa fase boa e caminha com segurança», considerou.

Este bom momento que a equipa vive, com três vitórias nos últimos quatro jogos, pode ser uma boa tónica para vencer o FC Porto, algo que não seria inédito. É que o Portimonense já venceu por quatro vezes a equipa do Norte, em jogos disputados no seu reduto. Ainda assim, tal não acontece há muitos anos…

Foto: Arquivos do Portimonense

A última vitória da equipa algarvia frente aos dragões aconteceu a 14 de Março de 1987 (1-0). O brasileiro Luciano marcou o único golo da partida, logo aos três minutos. Rui Águas não alinhava nem pelo Portimonense, nem pelo FC Porto, mas na equipa de Portimão jogava o algarvio Pacheco.

Desde então, à exceção de dois empates, em 1988 (0-0) e 1989 (1-1), só há registo de derrotas para o Portimonense, em jogos quer em casa, quer fora.

Nesse jogo, de 1989, Rui Águas foi titular, do lado do FC Porto, mas é de um outro encontro que o jogador se lembra perfeitamente.

Um Porto recheado de estrelas visitou Portimão, a 25 de Fevereiro de 1990. Vítor Baía, João Pinto, Jaime Magalhães e Rui Águas eram ídolos da equipa, comandada por Artur Jorge, que teve bastantes dificuldades em triunfar.

«Ganhámos 1-0 e sou eu que faço o golo. A arbitragem foi contestada e já no final do jogo até houve conflitos. O presidente Pinto da Costa teve de ser assistido no hospital», recorda Rui Águas, ao Sul Informação. Este é o célebre jogo em que adeptos do Portimonense terão arremessado objetos contra o líder dos azuis e brancos… No final da época, coincidência ou não, a equipa algarvia desceu de divisão.

Nem mesmo esta pequena maldade abalou o gosto que Rui Águas tem pelo seu Portimonense. «É um clube querido para mim. Lembro-me de como a relação dos adeptos com o clube era muito amigável. As pessoas iam muito ao estádio», recorda ao nosso jornal.

E hoje como é? «O Portimonense tem evoluído em todos os aspetos e ainda bem!», considera.

Rui Águas, que ainda tem casa em Portimão, cidade que visita com alguma frequência, não arrisca, contudo, um vencedor para o jogo de domingo, com início às 20h15, e que será o terceiro confronto entre as duas equipas esta época.

«Não faço apostas, mas o Portimonense está bem. O Porto será uma equipa mais pressionada e terá dificuldades, por certo», conclui.

Comentários

pub
pub