pub
Imprimir

“Os Lobos” vão a Martim Longo…mas é só em filme e música

Se este sábado à noite, 13 de Janeiro, vir “Os Lobos” por Martim Longo não se assuste: é apenas o terceiro cine-concerto do ciclo “Video Lucem”, que vai levar a película, filmada em Portugal, à Igreja Matriz daquela aldeia do concelho de Alcoutim.

A partir das 21h30, Nicholas McNair vai estar ao piano, no acompanhamento musical do filme, realizado por um italiano (Rino Lupo), mas rodado na Serra da Cabreira, no distrito de Braga, em 1923.

Não vai ser uma estreia para o músico britânico nestas lides. «Já acompanhei o filme várias vezes, mas a verdade é que adoro tocar enquanto está a ser exibido», disse Nicholas McNair, em conversa com o Sul Informação. 

O músico vai seguir uma partitura criada, em 1925, da autoria de Tomás de Lima, mas isso não diminui, em nada, a sessão. «É uma música de qualidade e muito bonita», considera.

A escolha deste filme para Martim Longo não é, de todo, inocente. É que a película aborda questões relacionadas com o interior (e as suas vivências). Por isso, nada melhor do que uma localidade do interior algarvio para acolher a sessão.

«É um filme que nos convida a refletir sobre essas questões da interioridade», explica, ao Sul Informação, Carlos Rafael Lopes, diretor do Cineclube de Faro, que organiza o festival “Video Lucem”. Além disso, Martim Longo é uma estreia para este programa que, na primeira edição, no ano passado, apenas passou por Alcoutim.

A apresentação de um dos melhores filmes mudos portugueses, devidamente acompanhado ao piano, é, por si só, razão suficiente para rumar até aquela localidade. Mas conhecer a própria Igreja Matriz, que remonta ao século XVI e na qual se destacam os portais manuelinos, é mais um convite.

Igreja Matriz de Martim Longo

«Queremos que as pessoas venham, jantem antes, porque esta é uma ótima oportunidade para conhecer o interior do Algarve», diz Carlos Rafael Lopes.

Osvaldo Gonçalves, presidente da Câmara de Alcoutim, não podia estar mais de acordo. O autarca considerou, em declarações ao Sul Informação, que este cine-concerto é «uma forma de valorização» do interior.

Aliás, o “365Algarve”, de cuja programação faz parte o “Video Lucem”, permite «que as pessoas do concelho tenham acesso a eventos a que, de outra forma, não teriam».

O apoio do autarca ao programa fica bem patente e, por isso, não é de estranhar quando Carlos Rafael Lopes fala de «um grande envolvimento da Junta de Freguesia de Martim Longo e da Câmara de Alcoutim desde a primeira hora».

Osvaldo Gonçalves acredita que esta sessão (a única prevista para o concelho) vai fazer mexer com a economia de Martim Longo. «Espero que sim! É um dos nossos objetivos», diz.

Para Nicholas McNair, este cine-concerto é «importante». «Adoro ter a possibilidade de tocar em sítios do interior, longe de Lisboa, levando uma obra que devia ser conhecida por todos, mas que, infelizmente, não o é», explica.

Além disto, «acompanhar musicalmente um filme, ao vivo, é sempre uma aventura aberta», pelo que só se pode esperar um grande espetáculo, com entrada livre. «Espero casa cheia», conclui.

 

 

Comentários

pub