Álvaro Bila quer pôr portimonenses a debater futuro do concelho

«Não é porque o nosso partido está no poder e na Câmara, que não podemos dizer que a Saúde está […]

«Não é porque o nosso partido está no poder e na Câmara, que não podemos dizer que a Saúde está mal, em Portimão, ou que não iremos debater o turismo, a reabilitação urbana ou a mobilidade». As palavras são de Álvaro Bila, 46 anos, empresário e atual presidente da Junta de Freguesia de Portimão, que, no sábado passado, foi eleito como líder da Secção Concelhia do PS nesta cidade.

Álvaro Bila, que é também presidente da Associação dos Bombeiros de Portimão e, desde a semana passada, membro do Conselho Executivo da Liga dos Bombeiros Portugueses, salientou, em entrevista ao Sul Informação, que a intenção da nova Concelhia socialista é «dar contributos à autarquia, quanto àquilo que devemos melhorar. A Câmara também deve querer o contributo de quem está nos partidos».

«A política negativista do bota-abaixo destrói a imagem do nosso concelho. O que eu quero é que tenhamos orgulho na história de Portimão e orgulho no futuro de Portimão».

A este nível, Álvaro Bila fala de uma iniciativa que a Junta de Freguesia a que também preside apoiou, a exposição «Praça Manuel Teixeira Gomes – Passear Pela História», promovida pelo Grupo dos Amigos do Museu de Portimão.

No ano passado, a primeira exposição de rua teve lugar no largo frente à Casa Inglesa, à beira rio. Este ano haverá nova mostra mas na Alameda, frente à sede da Junta de Freguesia.

«Será uma forma de reafirmar o nosso orgulho em Portimão, mas também de trazer mais gente ao centro da cidade, que está melhor, com mais lojas a reabrir, ainda que com negócios diferentes».

Para isso, a nova Concelhia do PS pretende «debater com grupos de cidadãos temas que são importantes para o concelho». Mas pretende ainda dinamizar «a inscrição de novos militantes», «estimular a relação e o diálogo com a JS», bem como dar atenção «aos problemas e necessidades dos agentes económicos» locais.

Mas Álvaro Bila não se esquece de que foi eleito como presidente da Concelhia. Por isso, além de Portimão, as suas atenções enquanto líder dos socialistas portimonenses vão ainda voltar-se também para Alvor e Mexilhoeira Grande. «No partido, quero puxar por todas as freguesias, que devem dar os seus contributos e ser devidamente ouvidas».

Bila, que se afirma «bairrista» e com «muito gosto pela minha terra», salienta que, apesar da crise que o concelho atravessou e que aqui foi mais aguda que no resto do Algarve, após a quase falência da Câmara Municipal, «Portimão subiu em número de eleitores». Nas últimas Eleições Autárquicas, sublinhou, houve «mais dois mil eleitores, o que significa que há mais gente a vir viver para cá».

Mais uma razão para o novo presidente da Concelhia do PS portimonense se afirmar disposto a «implementar no partido uma cultura de debate e de contributo para melhorar Portimão».

 

Há caras novas (e não só) nas 12 concelhias que foram a votos no Algarve

Não foi só em Portimão que, na sexta-feira e sábado, houve eleições para a Concelhia. Também decorreram em onze outras Concelhias do Algarve, nomeadamente em Olhão, Vila Real de Santo António, Castro Marim, Albufeira ou Faro.

Em Olhão, concorreu uma única lista, liderada por António Miguel Pina, que recolheu 72 votos dos 77 militantes que participaram nas eleições.

«A eleição de Pina como líder concelhio marca o fortalecimento do Partido Socialista em Olhão, após a indiscutível vitória nas Eleições Autárquicas do passado mês de Outubro, quando conquistou a  maioria absoluta na Câmara Municipal, obtendo cinco vereadores, deixando a oposição com apenas dois mandatos – além da maioria absoluta na Assembleia Municipal e de eleger três presidentes das quatro Juntas de Freguesia existentes», salientaram os socialistas olhanenses, em comunicado.

Para o novo presidente eleito do PS de Olhão, que é também o presidente da Câmara, «chegou o momento de retomar o caminho certo, após um período conturbado em que o partido governou em minoria, tendo sofrido também com questões internas de setores que acabaram por colocar acima das bandeiras do partido certas ambições pessoais».

António Pina faz aqui alusão à contestação que lhe foi movida pelo anterior presidente da Concelhia, Luciano Jesus, que, em desacordo com o PS, acabou por se demitir do partido e candidatar-se à Câmara de Olhão numa coligação apoiada pelo PSD e pelo CDS, entre outras forças.

«Candidatei-me a presidente da Comissão Política da Concelhia do PS Olhão para devolver à nossa secção a abertura, diálogo e transparência que já possuiu no passado, e com o propósito também de fazer esquecer de vez o penoso período em que a irresponsabilidade e ambição desmedida de alguns desvirtuou os princípios e valores que sempre nos nortearam», afirmou António Miguel Pina.

Em Vila Real de Santo António, concelho onde o PS foi derrotado nas recentes Autárquicas, a nova presidente da Concelhia é Célia Paz.

A única lista que se apresentou às urnas obteve 97% dos votos expressos, o que, segundo nota dos socialistas, «reflete uma grande manifestação de unidade e confiança no projeto apresentado».

«Congratulo o facto de ter sido um ato eleitoral muito participado, agradeço a demonstração de unidade e disponibilidade dos militantes para integrarem este projeto, dando a minha palavra que tudo farei para honrar a confiança depositada nesta candidatura», disse Célia Paz, após a sua eleição.

Também em Castro Marim houve apenas uma lista, liderada por Luís Guilhermino, 47 anos, empresário, a concorrer à presidência da Comissão Política Concelhia do Partido Socialista.

Votaram 84% dos militantes com capacidade eleitoral ativa, ou seja, com as quotas pagas, tendo a lista única obtido o pleno dos votos expressos.

Em Castro Marim, nas recentes Eleições Autárquicas, o PS, tendo como cabeça de lista Célia Brito, e valendo-se das divergências internas do PSD criadas pela candidatura autónoma do ex-presidente José Estevens, ficou a poucas dezenas de votos de ganhar a Câmara Municipal.

Em Albufeira, houve também mudança e a nova líder da Concelhia é uma mulher: Maria Emília Bexiga. Na capital do turismo algarvio, exerceram o seu direito de voto 66% dos militantes inscritos, tendo a lista única encabeçada por Maria Emília Bexiga alcançado 93,2% dos votos expressos.

A nova líder dos socialistas albufeirenses diz pretender «renovar a estrutura política e organizativa do PS Albufeira, sem cortar com o passado, envolvendo todos os militantes e apoiantes nas atividades políticas a desenvolver».

O projeto político do PS Albufeira tem, assim, como objetivo, «o envolvimento e o debate construtivo com a população na proximidade», envolvendo ainda «o apoio da Juventude Socialista concelhia», chamando os jovens albufeirenses à «participação».

Finalmente, na Concelhia de Faro verificou-se a continuidade, com a reeleição de Luís Graça, deputado socialista na Assembleia da República e também presidente da Assembleia Municipal.

Luís Graça foi reeleito para o seu terceiro e último mandato à frente do PS Faro nas eleições de sexta-feira e em que votaram 68% dos militantes com capacidade eleitoral ativa.

A única lista que se apresentou às urnas obteve 92,5% dos votos expressos, o que, segundo os socialistas farense, «reflete uma grande manifestação de unidade dos socialistas farenses e de confiança no projeto e na direção política do PS Faro».

Comentários

pub
pub